Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

    Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > John Barrymore (I)

John Barrymore (I)

Nomes Alternativos: John Sidney Barrymore | John Sidney Blyth

47Número de Fãs

Nascimento: 15 de Fevereiro de 1882 (60 years)

Falecimento: 29 de Maio de 1942

Philadelphia, Pennsylvania - Estados Unidos da América

John Sidney Blyth Barrymore (Filadélfia, 15 de fevereiro de 1882 — Los Angeles, 29 de maio de 1942) foi ator de cinema e teatro norte-americano, famoso intérprete de personagens shakesperianos no teatro e no cinema (Ricardo III, 1920 e Hamlet, 1922).

Foi muito popular na década de 1920, chamado de "O Grande Perfil". Atuou em filmes como Dr. Jekyll and Mr. Hyde (1920), Don Juan (1926) e Grande Hotel (1932).

É irmão dos também atores Lionel Barrymore e Ethel Barrymore e avô da atriz Drew Barrymore.
Barrymore entregou algumas das mais aclamadas performances da história do Teatro e do Cinema e foi amplamente visto como o maior intérprete da tela durante uma carreira cinematográfica de vinte e cinco anos como astro de mais de 60 filmes.
Barrymore especializou-se na comédia ligeira até ser convencido por seu amigo, o escritor teatral Edward Sheldon, a tentar dramas sérios. Depois disso, Barrymore causou sensação em "Justice" (1916), de John Galsworthy, co-estrelada por Cathleen Nesbitt. Seria Cathleen Nesbitt quem o apresentaria a Blanche Oelrichs. A este triunfo seguiram-se diversos sucessos em palcos da Broadway: "Peter Ibbetson" (1917) (em papel que seu pai Maurice desejava interpretar), "Redenção" (1918) de Leon Tolstoi e "The Jest" (1919), co-estrelada por seu irmão Lionel Barrymore, alcançando o que parece ter sido seu zenite na carreira teatral com "Ricardo III", em 1920. Barrymore sofre um aparente fracasso em sua carreira teatral com a peça "Clair de Lune" (1921), escrita por sua mulher Michael Strange, mas depois apresenta seu maior sucesso no teatro com "Hamlet" (1922), que interpreta na Broadway durante 101 apresentações, seguindo a seguir para Londres, em 1925.
Barrymore começou no Cinema por volta de 1913, com o longa-metragem "An American Citizen". Ele (ou alguém usando o nome Jack Barrymore) é creditado em quatro curta-metragens realizados entre 1912 e 1913 porém nunca foi provado que o intérprete fosse John Barrymore. Barrymore foi provavelmente convencido a dar uma chance aos filmes por necessidade econômica e pelo fato de detestar viajar com uma peça por todos os Estados Unidos. Ele provavelmente atuou em um par de filmes durante os meses de entressafra teatral ou durante uma parte do dia, atuando em peças teatrais na outra parte. Ele também pode ter sido convencido a entrar para o mundo do Cinema por seu irmão Lionel e seu tio Sidney, ambos fazendo filmes com sucesso há alguns anos. Os papéis de Barrymore durante sua fase no cinema mudo incluem os de "A. J. Raffles" em "Raffles The Amateur Cracksman" (1917), "Dr. Jekyll and Mr. Hyde" (1920), "Sherlock Holmes" (1922), "Beau Brummel" (1924), "Capitão Ahab" em "The Sea Beast" (1926), e "Don Juan]]" (1926). Com a chegada do cinema falado, sua voz, treinada para o Teatro, acrescenta uma nova dimensão aos seus trabalhos para as telas. Ele faz sua estréia falada com a leitura dramática do grande discurso de Ricardo III da peça "Henrique IV, Parte 2" na revista musical da Warner Brothers "The Show os Shows" e reprisa seu papel de Capitão Ahab no filme "Moby Dick" de 1930. Seus outros papéis principais incluem "The Man from Blankley's" (1930), "Svengali" (1931), "The Mad Genius" (1931), "Grande Hotel" (1932) (filme ganhador do Oscar e onde John demonstra uma afetuosa química com seu irmão Lionel, que também atua no filme), "Jantar às Oito" (1933), "Topaze" (1933) e Twentieth Century" (1934). John Barry more contracenou com algumas das maiores estrelas do Cinema, incluindo Greta Garbo, Katharine Hepburn, Jean Harlow, Joan Crawford e Carole Lombard. Em 1933, Barrymore aparece como um advogado judeu em "Counsellor at Law", baseado na peça de Elmer Rice.

Barrymore ainda roubava às cenas em filmes como ''Suprema Conquista'' (1934); ''Primavera'' (1937); ''Maria Antonieta'' (1938); ''Meia-Noite'' (1939); ''O Eterno Don Juan'' (1940); ''Espiões do Eixo'' (1941); entre outros...

Cônjuge: Elaine Barrie (de 1936 a 1940), Dolores Costello (de 1928 a 1934), Blanche Oelrichs (de 1920 a 1928), Katherine Corri Harris (de 1910 a 1917)
Filhos: John Drew Barrymore, Diana Barrymore, Dolores Ethel Mae Barrymore
Filiação: Maurice Barrymore, Georgiana Drew
Irmãos: Lionel Barrymore, Ethel Barrymore