filmow.com/usuario/5h15/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > 5h15
25 years (BRA)
Usuária desde Julho de 2012
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Taiana

    Arrastei-me para assistir ao filme, sem grandes expectativas devido a produção hollywoodiana, e me surpreendi. Inicialmente vou adentrar a produção do filme, devido a minha formação, mas não deixarei de fazer considerações quanto ao enredo em contrapartida às críticas.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    A fotografia foi uma das mais bonitas que vi, uma verdadeira obra de arte. O enquadramento maravilhoso, geralmente centralizado e gravado com lente de grande abertura. Cada cena foi meticulosamente pensada. As cores das paredes casaram com as cores dos figurinos dos personagens e objetos no ambiente, fazendo com que tudo crie harmonia. As cores, aliás, em tons frios, o enredo acontece o tempo inteiro em tempo nublado, o céu cinza... E a água que aparece nas cenas? Quando não é em forma de chuva, é no piso do chão molhado, ou na lágrima das personagens. Melancolicamente lindo. O sol só começa a aparecer depois que a Lili faz a cirurgia de redesignação. Na cena em que ela tá no quarto, depois da segunda cirurgia, o sol surge forte pela janela, tímido, ambíguo.

    Deixando de lado as críticas quanto a escolha do elenco, críticas das quais concordo (a escolha do ator cis para protagonizar, por exemplo), o Eddie fez com delicadeza a Lili. Eu amei cada expressão, cada olhar. A fotografia do filme, sensível e melancólica, ajudou para que a atuação delicada do Eddie ficasse em evidência. Li a crítica da moça trans, Carol Grant, e encontrei coerência em alguns pontos, porém diverge quando desconsidera o fator histórico em que o enredo é lançado: a primeira mulher trans a se submeter a uma cirurgia de redesignação. Esse fator dá conta de explicar o esteriótipo e o fetiche na visão da mulher. Em contrapartida, é importante utilizar-se da crítica da Carol Grant para pensar o exagero na expressão de gênero, um discurso atual que abre espaço para um diálogo sobre expressão e identidade de gênero que pode ser estendido.

    No mais, eu não deveria te-lo assistido de TPM. Chorei demais. Chorei muito. Chorei um oceano inteiro, "a river".

    "How have I ever deserved such love?"

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Nenhum recado para Taiana.

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.