filmow.com/usuario/alice_ayres/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > alice_ayres
34 years Rio de Janeiro -
Usuária desde Fevereiro de 2016
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Alice Ayres

    "Há uma piada antiga; duas velhinhas em um hotel fazenda em Catskill. Uma diz: “A comida aqui é um horror.” A outra diz “Eu sei,e tem porções minúsculas.”

    É assim que eu vejo a vida: cheia de solidão, miséria, sofrimento e tristeza e acaba rápido demais.

    Outra piada importante, que é geralmente atribuída a Groucho Marx; é assim, estou parafraseando: não quero ser sócio de nenhum clube que aceite alguém como eu de sócio. É minha piada-chave como adulto em se tratando de mulheres. Tenho pensado em coisas estranhas ultimamente, porque fiz 40 anos e acho que é crise da idade; não me preocupo em envelhecer, não sou um desses. Estou ficando careca, é o pior que poderia dizer. Acho que quanto mais envelheço melhor eu ficarei. Acho que serei do tipo careca, viril, em vez do distinto grisalho; a menos que eu não seja nenhum dos dois. Só se eu for do tipo que fica babando e vaga pelas cafeterias com um saco de mercado falando de socialismo.

    Annie e eu terminamos e ainda não entendi bem como. Tento mentalmente montar os pedaços do relacionamento, examinando a minha vida e tentando entender onde foi o erro. Há um ano atrás estávamos apaixonados. Engraçado. Não sou rabugento. Não sou do tipo depressivo. Fui uma criança até que feliz. Fui criado no Brooklyn, durante a II Guerra."(porém os flashbacks mostram o oposto!)

    "Tudo que nossos pais disseram que era bom é ruim. Sol, leite, carne, faculdade."

    Eu sinto que a vida é dividida entre o miserável e o infeliz. Essas são as duas categorias. Os miseráveis são como, não sei, casos terminais, você sabe, e pessoas cegas, aleijadas. Não sei como eles enfrentam a vida. É impressionante para mim. E os infelizes são todos os demais. Assim, você deve agradecer por ser infeliz, pois ser infeliz é muita sorte.

    "Acho que não aguentaria conversa mole. Não reajo bem conversa mole. Tenho tendência a amolecer, amadurecer demais e a ficar podre"

    "A gente tá sempre querendo que as coisas saiam perfeitas na arte, porque na vida é sempre muito difícil..."

    "Masturbação e fazer amor com quem você mais ama."

    “Amor é uma palavra muito fraca para o que eu sinto – I luuurve you, você sabe, I loave you, I luff you, com dois F’s, sim eu tenho que inventar, claro que eu tenho, não tenho?”

    “Qual a frequência sexual de vocês?
    Alvy: – “Quase nunca. Só três vezes por semana”.
    Annie: – “Demais. Umas três vezes por semana”.

    " Eu não quero viver em uma cidade onde a única vantagem cultural é virar a direita no farol vermelho. "

    ''Um relacionamento, eu acho que é como um tubarão, sabe? Tem que constantemente seguir em frente ou morre! E eu acho que o que a gente tem em nossas mãos é um tubarão morto.”

    ''Já disse mil vezes, deve sempre ter um inseticida em casa.
    Nunca se sabe QUEM vai aparecer''

    "—Nem consigo acreditar, isto é mesmo Beverly Hills. Meu Deus, é tudo tão limpo aqui.
    —Não jogam fora o lixo, transformam-no em programas de televisão."

    Se não viu, não leia!

    “-O interessante é que eu encontrei com a Annie de novo.
    Na parte alta de Manhattan. Ela voltou para Nova York. Morava em Soho com um cara.
    Eu a vi quando estava arrastando esse cara para ver The sorrow and the pity. Algo que pra mim é um triunfo pessoal(pois era o filme favorito de Alvy, e que ele vivia levando Annie para ver)
    -Annie e eu almoçamos logo depois disso, e relembramos dos velhos tempos...

    -Depois disso ficou muito tarde e nós dois tivemos de ir. Mas foi ótimo ver Annie outra vez. Percebi a pessoa incrível que ela é, e como era bom poder conhecê-la. E lembrei daquela velha piada, sabe? O cara vai ao psiquiatra e diz: "Doutor, acho que o meu irmão enlouqueceu, ele pensa que é uma galinha."
    "Por que você não o interna?" perguntou o médico. E o cara responde "Eu internaria, mas acontece que eu preciso dos ovos.
    -Então eu acho que é mais ou menos assim que vejo os relacionamentos amorosos hoje: eles são totalmente irracionais, loucos, absurdos, mas a gente continua tentando orque...a maioria de nós precisa dos ovos.”

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.