filmow.com/usuario/bloghorrorshow/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > bloghorrorshow
22 years
Usuário desde Maio de 2015
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Arthur

    A Brodway fornece um material de primeira para este filme que apresenta uma versão mais contemporânea de alguns clássicos dos irmãos Grimm. Caminhos da Floresta é mais uma tentativa de recuperar histórias antigas, já cristalizadas, dando a elas uma roupagem nova e, se possível mais sedutora. Rob Marshall, que adaptou Chicago e Nine, é o responsável por essa adaptação que tem seus erros e acertos.

    Um dos maiores acertos no filme é o elenco: Cinderela (Anna Kendrick), Chapeuzinho Vermelho (Lilla Crawford), Jack de João e o Pé de Feijão (Daniel Huttlestone) e Rapunzel (Mackenzie Mauzy). Eles compõem os já conhecidos personagens de contos de fadas que, nessa releitura do musical, se unem ao padeiro (James Corden) e sua esposa (Emily Blunt), para conseguir as peças necessárias para um feitiço da Bruxa (Meryl Streep), que devolveria a fertilidade ao casal. Pelos personagens nota-se que uma grande mescla de contos de fadas sustenta a história, em essência bem simples: o casal precisa atender as vontades da bruxa que está organizando um feitiço para voltar a forma jovem. Isso alcançado a bruxa livrará os dois da maldição que os impede de ter um bebê. A busca pelos “ingredientes” que a bruxa exige possibilita encontros na floresta encantada criando camadas e inter-relações entre as histórias clássicas de cada personagem.

    Parece, até ai, uma ideia muito interessante. O problema são os efeitos que ela causa. Caminhos da Floresta exagera no formato teatral com uns momentos de lentidão completamente desnecessários (e eu normalmente gosto de momentos mais lentos em filmes, principalmente em musicais) e a história parece meio remendada. O filme depende muito do apelo visual, a maioria das críticas positivas foram sobre sua fotografia e efeitos de câmera, acho que pecaram pelo excesso neste quesito. Meryl Streep tem um desenvolvimento visual muito bem feito, talvez a única personagem para quem o excesso foi benéfico, porém, o final de sua trajetória na película é simplesmente decepcionante.

    Leia o texto completo: http://bloghorrorshow.blogspot.com.br/2015/05/caminhos-da...

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Arthur

    Um clássico do cinema japonês que se mantêm firme nos corações de todos aqueles que foram cativados. “Túmulo dos Vagalumes” é uma animação extraordinária e triste. Uma belíssima história de amor incondicional, mas também de desumanização. Já ouvi dizerem a frase “é o melhor filme que jamais assistirei novamente” e não posso culpar quem disse isso. O filme é forte, emocionante e revoltante, mas um dos poucos retratos fiéis da desordem humana causada pela guerra. E, por mais irônico que seja, é uma animação com grande teor realista.

    A história se passa no Japão durante a Segunda Guerra Mundial, mas em vez de acompanharmos a guerra em si, vamos pelo outro lado da história. A história dos homens comuns e das perdas irreparáveis. Seito e Setsuko são dois irmãos que perdem tudo após bombardeios e se veem perdidos e desamparados no meio da guerra. A miséria se alastra pelo país e as relações humanas se empobrecem. Os irmãos passam algum tempo na casa de uma tia distante, mas logo que o incômodo de ter bocas a mais para alimentar não é mais suportável, eles são convidados a saírem e viverem por si sós. Desde o começo sentimos a fortíssima relação entre os irmãos e a grande proteção que Seito, o irmão mais velho, provém a Setsuko. Entretanto, Seito é apenas uma criança, cujo fardo é de um adulto. Logo após o primeiro bombardeio, os irmãos perdem a casa onde moram e a mãe fica gravemente ferida vindo a óbito mais tarde. Seito, para proteger a irmã, mente sobre o estado de saúde da mãe e engole o luto em seco. Nós, espectadores, sentimos sua agonia, sua tristeza e sua perseverança de maneira muito profunda. A vontade de ajudar as duas crianças é forte, mas o sentimento de impotência é tão forte quanto. E aí é que reside a estranha mágica do filme. Ele acende um sentimento frequentemente esquecido: A empatia. Enquanto a maioria dos filmes de guerra mostram as mortes como um mal necessário, aqui vemos o verdadeiro lado humano disso tudo e de quão destrutivo e inútil uma guerra é. Todos os lados perdem.

    Texto completo: http://bloghorrorshow.blogspot.com.br/2015/05/tumulo-dos-...

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Filmow
    Filmow

    O Oscar 2017 está logo aí e teremos o nosso tradicional BOLÃO DO OSCAR FILMOW!

    Serão 3 vencedores no Bolão com prêmios da loja Chico Rei para os três participantes que mais acertarem nas categorias da premiação. (O 1º lugar vai ganhar um kit da Chico Rei com 01 camiseta + 01 caneca + 01 almofada; o 2º lugar 01 camiseta da Chico Rei; e o 3º lugar 01 almofada da Chico Rei.)

    Vem participar da brincadeira com a gente, acesse https://filmow.com/bolao-do-oscar/ para votar.
    Boa sorte! :)

    * Lembrando que faremos uma transmissão ao vivo via Facebook e Youtube da Casa Filmow na noite da cerimônia, dia 26 de fevereiro. Confirme presença no evento https://www.facebook.com/events/250416102068445/