Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/deolsi/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > deolsi
21 years, Porto Alegre - RS (BRA)
Usuária desde Novembro de 2013
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

"If you are looking for what is in reality more real than reality itself, look into the cinematic fiction." - Slavoj Zizek

Estudante de filosofia, precocemente velha e amarga, cinéfila desde que foi ao cinema pela primeira vez na vida (para assistir ao filme "Inspetor Bugiganga", em 1999) e resumida pela frase do genial "Whatever Works": "What could I offer you, but a bad temper, hypochondriasis, morbid fixations, reclusive rages and misanthropy?"

Últimas opiniões enviadas

  • Débora

    Poesia em formato que filme, que conta ainda com uma fotografia de tirar o fôlego.

    São filmes como "A História da Eternidade" que fazem com que eu me pegunte como pode haver alguém que deprecie o cinema nacional.

    "Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar?"

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Débora

    "Comparada a minha vida, a de Eleanor Rigby era uma festa! Nada acontece comigo. Sinto-me como uma velha baqueta lascada. Eu pularia no Rio Mersey, mas parece que vai chover..." - porque os personagens do Ringo são SEMPRE os melhores.

    "Yellow Submarine" é o tipo do filme que eu imagino assistir com os meus filhos um dia. Uma bela e deliciosa viagem!

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Débora

    Além de ser um bom suspense, suscita interessantes reflexões sobre a indústria cinematográfica e sobre o conteúdo televisivo em geral:

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    vale tudo para "vender mais"? Deve haver algum tipo de censura de conteúdo para que não estejamos expostos a violência exacerbada? E será que não estamos "dominados", como diria Chema, pela televisão?

    Outro ponto digno de nota é o personagem do Fele Martínez: "Adiós, princesa." - Chema: como não amar?

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.