filmow.com/usuario/duda_duba/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > duda_duba
27 years Porto Alegre - (BRA)
Usuário desde Maio de 2011
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

bacharel em cinema, mestre em sociologia. Pesquiso documentário brasileiro contemporâneo e as formas de representação de grupos e saberes subalternos.

Últimas opiniões enviadas

  • Duda

    Lindo o drama. Muito interessante a picada de cobra ter sido captada e coberta pelo documentário. Imagens muito boas também. A câmera é sutil no jogo dos sujeitos documentados. Baita filme.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Duda

    Terminei recentemente uma dissertação de mestrado sobre esse filme, operando, no campo da sociologia, a partir de uma perspectiva dos estudos culturais/pós-colonial. Para encontrar, procurar no Google por: "Memória, resistência e fabulação: uma análise da Ceilândia de Adirley Queirós".

    RESUMO: O presente trabalho se propõe a uma análise da obra do cineasta Adirley Queirós, com especial ênfase para Branco Sai, Preto Fica (Adirley Queirós, 2014). Seus filmes, realizados na Ceilândia – esta a primeira e maior cidade-satélite no entorno de Brasília – põe em primeiro plano as experiências de grupos da locais. Recorremos à Caravana Farkas – conjunto de documentários brasileiros da década de 1960 – e ao fenômeno mais recente da “cosmética da fome” conforme Ivana Bentes (2007) a fim de compreender por diferenciação a especificidade do olhar propiciado pela obra de Queirós acerca dos grupos populares e periféricos dentre o cinema brasileiro. A Ceilândia, representada como “população negra e marginalizada” – parafraseando a personagem de Gleide Firmino em Branco Sai, Preto Fica –, é constituída narrativamente em uma relação de diferença a uma norma, Brasília. O nosso objetivo é, a partir de uma perspectiva sociológica pós-colonial e interseccional, compreender como são articuladas as diferenças nesse cinema, considerando as dimensões de raça, classe, localidade, dentre outras salientadas pelas narrativas. Em Branco Sai, Preto Fica, o ponto de partida documental é uma denúncia de violência policial em um baile de música negra na Ceilândia na década de 1980. Os sujeitos denunciantes, deficientes físicos em decorrência da ação da polícia na ocasião, têm suas vivências atreladas também à segregação social e racial que marcam a história da cidade-satélite. De maneira a borrar as fronteiras entre os regimes de “ficção” e “documentário” e superar uma circunstância existencial subalterna (GRAMSCI, 1977; GÓES, 2016) em que poderiam ser enquadrados, encarnam personagens em um universo de ficção- científica, explodindo na cena final a cidade de Brasília através de uma bomba com sons, músicas e vozes da periferia. Os letreiros que encerram o longa-metragem – “da nossa memória fabulamos nóis mesmos” – enfatizam as formas de subjetivação e agência dos sujeitos representados, convidando-nos, na análise, a atentar para como articulam e vivenciam as intersecções entre diferenças e desigualdades.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.