Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > femamone
23 years, São Paulo, Brazil (BRA)
Usuário desde Janeiro de 2013
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Felipe Mamone

    Cheguei atrasado na sessão e não entendi patavinas da primeira parte do filme. Só perto do final fui perceber que era o próprio estilo narrativo do diretor que era bem truncado, ainda mais num filme sobre a memória e sua falibilidade.
    Mas e aquela segunda parte? Puro primor. De sonho macabro a First Person Shooting, de cenário medieval a technicolor bagacera, da simplicidade ao grandioso, e tudo atado, e tudo suave, e tudo milimetricamente calculado sem parecer.
    Passado em Mao Tsé com esse diretor, acompanharei com certeza.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Felipe Mamone

    Narrativa não-linear, personagens amorais, trilha sonora cínica na medida certa, abuso de sangue sem pesar em gore ou coisa que o valha.. Pontos que somam numa imprevisibilidade e num drama suave ótimo de se assistir.
    Protagonismo feminino originalíssimo, ainda mais considerando a posição deferente da mulher na sociedade japonesa da época. Praticamente funda gênero - quantos filmes de protagonismo feminino com temática de vendeta não tem por aí hoje em dia? Só neste semestre?
    O único porém talvez seria a entrada do jornalista lá pelas metade, que trouxe uma carga tradicionalista de narrativa e expectativa - além de não cumular em patavina.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Felipe Mamone

    Dá pra ver analogias desse filme com o assimilacionismo borg de StarTrek, com a paranóia do VideoDrome, o frenesi fotográfico e narrativo do Bandido da Luz Vermelha, com alguns ambientes distópicos de Matrix, com uns quês de crítica social, de psicologia do trauma... Muito bom mesmo.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.