filmow.com/usuario/guilhermearduini/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > guilhermearduini
21 years (BRA)
Usuário desde Janeiro de 2013
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Guilherme

    Minhas conclusões após o fim da temporada.

    Bitch: Mimi Imfurst/Shangela
    Injustiçada: Yara Sofia
    Odiada: Shangela
    Favorita: Raja
    Criativa: Manila
    Simpatia: Yara Sofia/Alexis Mateo
    Merecia ter ganho: Raja/Yara Sofia

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Guilherme

    Eis eu aqui pra comentar outros pontos que não estavam no meu primeiro texto.

    Li o livro umas duas semanas antes do lançamento da série. E anteriormente tinha ficado na dúvida, como eles iriam fazer de as 13 razões da Hannah para cada episódio. Já que o livro se resume em torno de apenas 250 páginas, e cada episódio teria seus 50 minutos. Mas foi genial e com muita maestria a forma que eles adaptaram o livro e souberam colocar cada personagem e cena inédita, até então não presente no formato de leitura. De forma alguma ficou encheção de linguiça. Tudo tinha um porque de estar ali sendo mostrado ao expectador. E a utilização do núcleo adulto foi sensacional e deixou tudo mais real, forte e dramático. A Sra. Baker foi uma personagem extremamente importante e maravilhosa no seriado, que me surpreendeu de tal modo que eu só consigo venerar a atriz Kate Walsh, que a fez.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    A cena de conflito entre Bryce e Clay, e a da morte de Hannah também foram grandes cenas, que mexeram muito comigo particularmente e que não estavam inseridas no livro. Cada adaptação do livro pro formato visual foi minuciosamente pensada. A questão do mapa com os locais demarcados pela Hannah não foi mostrado de forma mais indireta por apenas ser "menos importante", ela não se suicida cortando os pulsos ao invés de ingerir remédios por apenas ser mais dramático, e Alex não dá um próprio tiro em sua cabeça por apenas ter mais uma cena chocante e de impacto na série.
    Sobre o final, eu creio que foi concluído de forma satisfatória e não haverá uma segunda temporada, por se tratar de uma temporada única. Foi um final "aberto" entre aspas, porque se for analisar teve um fim sim, o finais que estiveram com uma ponta de continuidade, nada mais era a forma mais correta de se encerrar a trama e deixar com que nosso imaginário fluísse ideias de como seria o caminho dos personagens ali em diante depois das fitas (porque querendo ou não, o roteiro deu pistas e brechas de como terminaria aquelas pontas); porque a trama principal e as questões mais necessárias já se haviam dadas por encerradas ali, o restante era apenas parte de um novo ciclo a talvez ser contado. E afinal, porque todo fim tem que ser concluído de forma fechada, com todos os pontos finais? O aberto traz inúmeras coisas a serem pensadas e discutidas, e neste caso, como dito anteriormente era melhor forma de se concluir a produção e deixa algo bem mais realista. Porque no fim, nem no fim de nossas vidas temos um final todo quadradinho, perfeitinho e conclusivo com todas as pontuações ortográficas certinhas.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Guilherme

    🎧 SUICÍDIO É A SEGUNDA MAIOR CAUSA DE MORTE ENTRE ADOLESCENTES E JOVENS. 📟

    Contém SPOILERS ❌

    Imensamente grato pela Netflix trazer um trabalho tão lindo e rico como este. E não lindo de uma maneira agradável, porque a história não é nem um pouco sobre tentar agradar e mostrar coisas belas, mas por se apropriar tão bem do material, no caso o livro do Jay Asher, e se aprofundar ainda mais sobre as questões e propostas em que o livro se propõe a trazer.

    Infelizmente SUICÍDIO é uma palavra que traz muito desconforto, e de fato deve trazer, porém esse mesmo desconforto não deveria ser um fator para descartar o assunto e deixá-lo debaixo dos panos. Se incomoda de alguma forma, é preciso discutir tais motivos e por quais razões se chega uma pessoa a pensar ou realizar o ato de tirar sua própria vida.

    A série não é um entretenimento. É um grande choque de realidade. E agradeço por toda produção não romantizar ou negligenciar nenhum fator, sentimento ou cena que era necessário estar ali para representar a realidade da forma mais crua e pura. Ao longo dos episódios, você se sente cada vez mais na pele de cada personagem e seus conflitos. Compreende (mas não precisa compactuar necessariamente), os motivos que levaram cada qual a trilhar cada caminho.

    Um roteiro excelente que denúncia também de forma clara, objetiva e muito certeira o BULLYING, A VIOLÊNCIA FÍSICA E VERBAL, O MACHISMO (COM A OBJETIFICAÇÃO DO CORPO FEMININO E A CULTURA DO ESTUPRO), A DEPRESSÃO, A FALTA DE EMPATIA.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Ambas as cenas de estupro como a cena de Hannah se suicidando, creio que retrataram da melhor forma possível e com cuidados minuciosos para que aquilo fosse exatamente como deveria soar: horrível, triste, dolorido, insano... Particularmente me peguei na cena da morte da personagem chorando muito, e querendo dizer o quanto ela era uma pessoa incrível e como tudo aquilo era apenas um momento; que tudo iria passar, e NUNCA, JAMAIS, que a decisão de tirar a sua VIDA fosse à única saída. Soou tão real, e próximo de mim. Talvez pela cena ser tão bem construída, talvez por já ter pensado como a personagem, talvez por ouvir tais pensamentos de terceiros. E quando percebi, estava apertando um dos meus braços com a mão oposta, conforme o estilete transpassava a pele da personagem na tela da TV.

    Pois bem, mais do que recomendo, eu acho extremamente necessário assistir tal produção. E espero que assistam com a mente o mais aberta possível, e que cause tamanho impacto, como me causou e consequentemente o processo de refletir, desconstruir e discutir todos os temas abordados.

    Tecnicamente falando, achei os enquadramentos, trilha sonora, ambientação e palheta de cores sensacionais e perfeitas. Principalmente em como as cenas com a Hannah ainda viva, eram cheias de vivacidades e coloridas, enquanto as cenas pós-suicídio era totalmente pálidas e azuladas. E um grande parabéns pela atuação Dylan Minnette (Clay Jensen), Katherine Langford (Hannah Baker) e brilhantíssima Kate Walsh (Sra. Baker), mãe da Hannah, e que foi uma personagem muito bem aproveitada e construída no seriado e me surpreendeu muito.

    🔻 E aconselho vocês verem o curta sobre a construção da série, após terminar os treze episódios. 🔺

    E você que se sente mal ou desconfortável por algum motivo e situação, saiba que tudo se resume a um MOMENTO. Você não está preso eternamente nele. E que depressão, ansiedade e tantos outros problemas são tratáveis. Não somos perfeitos. E não ser perfeito está tudo bem. É normal. E que se necessário desabafar, para se sentir melhor, menos angustiado; se sinta confiante e disposto a conversar comigo ou qualquer pessoa que se sinta confortável e bem. Faça isso sem se ater ou ficar guardando toda essa carga pra dentro de si. Acredite, uma boa conversa, transforma muita coisa.

    E por fim, espero que possamos tratar todos esses assuntos de formas mais aberta, e que possamos ter aulas na nossa Educação que trabalhem o emocional, e eduque de maneira mais eficiente e sensível todos os garotos e garotas, para que tenhamos uma sociedade de jovens e adultos mais saudáveis mentalmente. Porque não, adolescentes e jovens NÃO SÃO DRAMÁTICOS, eles/nós somos HUMANOS.

    Menções honrosas ao episódios: 9, 11 e 13 💖

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Thiago
    Thiago

    Olar.

  • Kaique Augusto
    Kaique Augusto

    Eu não lembro qual filme recomendei pra você. Qual é? Mas entendo bem o que é isso, Netflix monopolizando nosso tempo hahaha' Eu terminei '13 Reasons Why' fiquei mal por uns dias, mas é isso, no final ... tudo importa, e muitas vezes percebemos que vivemos em um mundo sem esperanças. E de fato os episódios 9, 12 e 13 são os mais pesados, mas o que mais me impactou foi o 11 ... O da fita do Clay mesmo. Abraços!

  • Kaique Augusto
    Kaique Augusto

    Estou assistindo '13 Reasons Why', estou no ep 8, e a cada episódio eu entro em um estado de melancolia maior que o anterior. Está sendo bem gatilho pra mim. Mas, estou amando.