filmow.com/usuario/gustavohenriquemarcondes/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > gustavohenriquemarcondes
0 years Guarulhos -
Usuário desde Outubro de 2009
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • H. Marc

    Filmes soviéticos tem um toque diferente, talvez o sejam devido à censura que vigorava, e alguns parecem terem cortes imprecisos, o que causa um pouco de confusão na trama, ou a tornam um pouco mal explicada, mas isso não invalida a obra num todo, até porque o mistério se faz interessante, e combinado aqui com uma atmosfera gótica com uma excelente trilha sonora prende o espectador que, quer respostas. E, o interessante que o autor desta história fora comunista do partido, mas fora perseguido por seus romances não serem tal qual a arte oficial do realismo soviético militante requeria. É uma arte dissidente, não porque é política e contrária ao sistema político vigente, mas porque negava em certo sentido os ideias materialistas e propagandistícos, mas considero isso não só um equivoco, mas uma maneira totalmente torpe e estreita de ver esta obra. Pois muito se assemelha ao mitos modernos da literatura e as buscas dos artistas por um ideal de arte que rivalizava com o criador - Deus- e isso já vale todo o debate e gera ainda muitos outro questionamentos que a história apenas insinua.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • H. Marc

    Não entendo como muitos parecem não ter gostado deste filme e não ter dado uma nota acima da média, pelo menos do que merecia.
    Vi o filme por acaso, na verdade procurar um poema do Baudelaire, que em francês tem o mesmo título, e por acaso vi no google images a capa do filme, que é totalmente surreal, e me remeteu diretamente aos "Amantes" de René Magritte, não deu outra, baixei sem nem querer saber do conteúdo, nem li sinopse, fiz tudo na supresa, e não esperava do que se tratava. No fim foi uma supresa excelente, o filme tem um lado documental, apesar de não ter uma narrativa até então simples, o conteúdo compensa, e ainda mais por ser entremeado pelas visões, sonhos, previsões, que aos indígenas fazem muito sentido, já que se norteiam por uma lógica onírica, e estas cenas são arte pura. Assim como as paisagens tem aquele toque surreal.
    No mais é como um Cidade de Deus, pois é documental, intenta contar como surgiu todo o cenário de caos que a Colômbia é hoje devido ao tráfico de droga, e como isso impactou o modo de vida de nativos e causou conflitos ultra-violentos, e tudo se dá pela bondade de alguns gringos que lutavam contra o comunismo... ---- é!!! --- diz muito!

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • H. Marc

    Achei bem ruim, quase uma bosta. Espero que saia o filme do Marighela e este não me decepcione! No mais Som ao Redor é infinitamente melhor que Bacurau, e Aquarius é melhor que Bacurau, mas é muito comercial, porém não chega aos pés de Som ao Redor. E nem aos genias curtas metragens do Kleber. Aqui soou como uma coisa que transita entre o brega de um Trapalhões e entre um Cassete & Planeta com intento de abocanhar um título de renascimento do cinema mais engajado a la Glauber Rocha, e com toda certeza, teve influencia o movimento Mangue-beat, já que o diretor é de Recife, e o mangue-beat é herdeiros direto do Tropicália e estes o são do Antropofagismo, com uma certa influência do realismo mágico, mais que da ficção científica, mas ficou ao meu ver muito ridículo. Estereotipadaço, cômico e violento ao ponto de darem vergonha alheia, sem contar as desnecessárias cenas de sexo e nudez, que com tudo isso, ainda mais fazem o filme ser censurado para o maior público, que é o de adolescentes. Desse jeito o cinema nacional não vai se erguer além do povo que já é o mesmo que tem posição política definida- se o intento era militância- errou feio, porque não atinge o alvo, se o intento fora arte somente, menos ainda, até porque o filme é confuso, com alguns furos, coisas desconexas, incompreensível em muitos momentos, e noutros banal ao ponto da previsibilidade. Porém há aquela marca do Kleber. E não sou obrigado a curtir algo que não gostei, então... aqui fica minha crítica, porque tá faltando muito pra esse filme fazer história, a não ser um alvoroço do povinho lacrador.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Lucas Lima
    Lucas Lima

    Bah cara, que massa! Meu email é [email protected]. Só posso te agradecer bicho, o filme se tornou um dos meus favoritos, fiquei muito curioso pra ler. Muito obrigado mesmo!

  • Lucas Lima
    Lucas Lima

    Fala Gustavo! Cara, eu tava lendo os comentários da galera na sessão de Um Homem Que Dorme e vi que tu conseguiu uma cópia do livro. Eu procurei mas não achei absolutamente nada. Se não for pedir demais, tu poderia me mandar por email?

  • Letícia Rosal.
    Letícia Rosal.

    Ah, agora faz ainda mais sentido essas mudanças, acredito que procuraram fazer uma junção de todos os apelos que necessitavam, não é? Adicionaram elementos que não estavam no conto para agregar o filme de outras maneira. Temos aí a forte mensagem para a humanidade, temos o quadro familiar, temos a criança que querendo ou não é a esperança da humanidade, temos a figura feminina cativante e sensata, e temos a nossa ciência, tudo isso deixou a produção bem redonda. E colocando em comparação a época de lançamento faz total sentido as mudanças.

    Acabei nem vendo mesmo o remake.Parece ser bem ruim, haha se um dia pintar na minha frente eu assisto, por ora irei deixar passar.

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.