Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > humbaz
25 years (BRA)
Usuário desde Março de 2011
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Grande fã de filmes dos anos 80, apaixonado pelo cinema europeu, documentários, animações em stop motion e longas-metragens distópicos.

Resenha em inglês do documentário Laerte-se que produzi para o site da OUT Magazine:
http://www.out.com/movies/2017/5/22/new-netflix-doc-follows-transgender-cartoonist-laerte-coutinho

Entrevista em inglês que produzi para o site da Documentary Magazine:
http://www.documentary.org/online-feature/its-all-true-2017-conversation-festival-founder-amir-labaki

LISTAS:

Filmes, séries e documentários para jornalistas
https://filmow.com/listas/filmes-series-e-documentarios-para-jornalistas-l47347/

Os documentários de longa-metragem vencedores do Oscar
https://filmow.com/listas/os-documentarios-de-longa-metragem-vencedores-do-oscar-l98174/

Os documentários de curta-metragem vencedores do Oscar
https://filmow.com/listas/os-documentarios-de-curta-metragem-vencedores-do-oscar-l106964/

Os curta-metragens de animação vencedores do Oscar
https://filmow.com/listas/os-curta-metragens-de-animacao-vencedores-do-oscar-l22851/

Os curta-metragens em live action vencedores do Oscar
https://filmow.com/listas/os-curta-metragens-em-live-action-vencedores-do-oscar-l26230/

Design e propaganda
https://filmow.com/listas/design-e-propaganda-l106597/

[adult swim]
https://filmow.com/listas/adult-swim-l48581/

Questões alimentares
https://filmow.com/listas/questoes-alimentares-l18050/

Sociedades distópicas
https://filmow.com/listas/sociedades-distopicas-l47338/

Boys on Film
https://filmow.com/listas/boys-on-film-l118220/

Filmes natalinos
https://filmow.com/listas/filmes-natalinos-l95771/

Economia e finanças
https://filmow.com/listas/economia-e-financas-l74618/

A&E Indie Films
https://filmow.com/listas/a-e-indie-films-l98192/

Fox Kids
https://filmow.com/listas/fox-kids-l48571/

(Usuário ativo no Filmow desde 21 de maio de 2011)

Últimas opiniões enviadas

  • Humberto

    Eu sempre fui muito organizado e, mesmo vivendo em uma casa pequena, fazia milagres para manter tudo no lugar sem criar qualquer aglomeração, mas o método da Marie Kondo atinge um outro nível de ordem e harmonia. Assisti ao primeiro episódio antes de dormir e acabei passando a madrugada distraído com minhas gavetas, reorganizando tudo... Descobri que a maneira como ela dobra as peças de roupa fazem com que elas ocupem menos espaço.

    Nesse ritmo, já renovei todo o guarda-roupa e acabei encontrando muitas peças antigas que não me servem mais ou não combinam com a maneira como me visto hoje. Ver o resultado final dessa arrumação dá um prazer inestimável, uma verdadeira paz. Pretendo continuar com isso em toda a minha casa e manter a filosofia, porque a organização nos ajuda a economizar tempo e percebi que, antes, esses espaços com objetos desnecessários me causavam um cansaço mental quase imperceptível. Marie Kondo is my new religion.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Humberto

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Nada justifica a obsessão do protagonista, mas você acompanha algumas cenas e fica desgostoso com o comportamento da Beck e das outras personagens. Peach invade o apartamento do cara, o acusa de roubo e a Beck fica tranquila? Num cenário normal isso seria totalmente escroto e essa situação específica é uma das melhores pra ilustrar como a Beck merece o troféu de sonsa do ano.

    Até o momento em que você se lembra de que, ops, ele realmente roubou o notebook rs

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Humberto

    Comecei achando péssimo porque, diferente do que se espera de um filme interativo, quando você escolhe as opções "erradas", a história simplesmente retrocede até acertarmos o caminho do roteiro original. Em outras palavras, não existem várias linhas do tempo e roteiros distintos que mudam de acordo com as escolhas do espectador.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Essa brincadeira fica mais interessante com a relação construída entre o público e o enredo. O protagonista quer criar um jogo com vários caminhos diferentes, escolhidos pelo próprio jogador, assim como é a nossa experiência com o filme (teoricamente, porque no nosso caso não conseguimos provocar acontecimentos totalmente diferentes, apenas embarcar em uma aventura de tentativa e erro até escolher as opções que a Netflix quer que a gente selecione).

    Mas quando ele nos surpreende ao fazer um primeiro contato com nós mesmos, nos posicionando como parte da história, essa metalinguagem toda só me faz pensar em uma coisa:

    Isso é TÃO Black Mirror!

    Edit: vou abusar do pretexto de que o filme tem vários finais pra editar minha opinião de acordo com essa palhaçada. Observação: lembra muito Efeito Borboleta (amo).

    Edit 2: não deixa de ser maravilhosa a iniciativa, imagina as possibilidades para roteiros paralelos de verdade, com inúmeras possibilidades? Trabalhoso, mas incrível. Enfim, só acho que tinha que ter um botão pra voltar, se você se desconecta precisa começar toda a história de novo e é um saco.

    Edit 3: sensação de que não acaba nunca, eu só quero ver o final. ALGUM final.

    Edit 4: o desenvolvimento da história vira um emaranhado repetitivo e super cansativo. Perdidos na genialidade desse recurso de interatividade, esqueceram que histórias, interativas ou não, ainda precisam ser boas e cativantes.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Lari
    Lari

    Oi Humberto! Desculpa a demora em responder o teu recado...em primeiro lugar, obrigada pela descrição tão detalhada, é difícil encontrar alguém que se preste a responder de uma forma tão sensível qualquer estranha que lhe faça uma pergunta hahaha, acho que essa é uma das qualidades de um jornalista, mas enfim..Parabéns pelo mais novo emprego, imagino a adrenalina, haha.

    Eu nutro ainda muito o desejo de me tornar jornalista, desde a adolescência, quando acabei optando por outra carreira, sempre ficou essa dúvida: como teria sido se eu tivesse enveredado pelos caminhos de jornal?? Esse ano acabei passando no curso e fiz 1 semestre, mas larguei pq passei num concurso, precisava muito de um trabalho e a faculdade em turno integral era inviável nesse momento.

    Mas sabe, hoje em dia, eu trabalhando como psicóloga, também curto essa vida e penso que poderia de alguma forma me tornar escritora sem necessariamente recorrer a isso formalmente, por exemplo, cursando outra faculdade. Não sei se isso se enquadra como desvalorização do trabalho do jornalista? Porque nesse caso não tenho a pretensão de ocupar um cargo em algum veículo midiático enquanto escritora mas sim fazê-lo de forma mais independente, se acabar de ser reconhecida por isso, ótimo. Basicamente gostaria de viver escrevendo sobre filmes e livros. No momento estou fazendo resenhas de livros pra Revista Subjetiva, no Medium. Tentei ter alguns blogs e uma página no Tumblr há um tempo atrás (nesse eu analisava principalmente filmes que eu pensava serem subversivos em matéria de gênero e sexualidade, o que foi tema do meu TCC na Psicologia), mas acaba que é algo muito isolado e idiossincrático, talvez uma forma de atingir mais pessoas seja através de outras plataformas, tipo Youtube. Mas, ao mesmo tempo, tem tanta gente e tantos canais surgindo que acredito que seja preciso ter realmente um diferencial pra se destacar. Acho interessante o modelo dos Video Essays. Mas por enquanto tenho assistido a alguns filmes e encontrado dificuldade pra parar e ler sobre eles, pq né, não é somente assistir uma vez e sair digitando, acho que realmente dissecar o conteúdo é interessante..

    Concordo totalmente contigo quando tu diz que é preciso levar em consideração não a nossa opinião somente, mas uma visão crítica do todo, por isso tbm acho importante não só resenhar ou fazer crítica dos filmes que eu gosto, mas estar ligada no mundo do cinema no geral, pois tbm diz da atualidade e do momento que estamos vivendo agora. Posso perguntar qual/onde foi esse curso de crítica de cinema que vc cursou?

  • Lari
    Lari

    Oie! achei um comentário seu muito massa na página do documentário do Roger Ebert aqui, daí resolvi entrar no perfil. Curti muito suas listas! você é jornalista? Sabe que eu não sou da área mas tenho uma puta vontade de trabalhar com cinema mais de perto, particularmente escrevendo sobre. Vc tem dicas?

  • thais leite
    thais leite

    Adorei sua lista de questões alimentares, a mais completa que eu encontrei ^^

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.