filmow.com/usuario/imbertmacklin/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > imbertmacklin
26 years (BRA)
Usuário desde Janeiro de 2017
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Matt

    O diretor Pierre Morel, conhecido por filmes de ação vigilante como Busca Implacável, Carga Explosiva e Dupla Implacável, retorna em sua zona de conforto com "A Justiceira" (Peppermint). Morel possui experiência com o gênero e parece ter aderido a nova fase do cinema onde mulheres protagonizam os filmes de ação.

    Jennifer Garner (Elektra, De Repente 30) é a estrela da vez, Ela interpreta Riley North, uma mãe que presencia o assassinato de sua família por um cartel. Após o tribunal inocentar os assassinos, Riley busca vingança contra os criminosos que assassinaram sua família com as próprias mãos.

    "A Justiceira" é empolgante, mas não se arrisca e se mantém na sua proposta. É quase nostálgico rever Jennifer Garner novamente em ação, que ficou famosa por seus papéis em "Elektra" e "Alias - Codinome Perigo". Sem grandes nomes no elenco, além de Garner, todo o destaque fica na própria atriz. A direção de Morel e a atuação de Garner fazem uma ótima combinação tanto na ação quanto nas cenas mais emotivas.

    O longa parece uma produção de meados de 2005, desde os créditos de abertura e encerramento até a trilha sonora, combinado com Jennifer Garner no elenco. Talvez o melhor do filme seja a falta de ousadia, ao criar uma história redonda, concisa e fechada, ao invés de deixar pontas abertas para sequências desnecessárias.

    Qualquer semelhança entre a família de Riley North ter sido assassinada em um parque de diversões na sua frente, ela buscar vingança e o longa se chamar "A Justiceira" com a história de Frank Castle, o Justiceiro, provavelmente, é mera coincidência.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Matt

    Em uma época onde raramente Live Actions baseados em animes ou video games tem bons resultados, é normal a baixíssima expectativa para "BLEACH", o longa baseado na obra de mesmo nome criado por Tite Kubo.

    O longa aborda a primeira temporada do anime e os 6 primeiros volumes do mangá, a chamada "Saga do Shinigami Substituto" e consegue entregar todos os principais eventos em quase 2 horas de filme. Na trama, o estudante de 15 anos, Ichigo Kurosaki possui a capacidade de enxergar e falar com espíritos, onde certo dia, uma ceifadora (Shinigami, no original) chama Rukia Kuchiki, aparece em sua casa para eliminar um Hollow - espírito maligno -, sem sucesso, Rukia transfere seus poderes de ceifadora para Ichigo, para que ambos possam sair vivos da ameaça do Hollow.

    Nos últimos anos, muitas adaptações de animes e video games foram feitas e poucas caíram no gosto do público, produções como Dragon Ball Evolution, King Of Fighters e o recente Death Note, da Netflix, foram longas (americanos) que "traumatizaram" os fãs em geral. No entanto, o catálogo de Live Actions com produções japonesas são notavelmente maiores, porém poucos chegam a fazer sucesso em países estrangeiros.

    A trilogia de "Samurai X" (Rurouni Kenshin, no original) lançada em 2012, Fullmetal Alchemist, de 2017 e até dois longas de Death Note lançado em 2006 são poucos dos títulos que conseguiram atingir uma grande audiência em outros países e serem aclamados pelos fãs de todo o mundo.

    Com isso, não é estranho imaginar que uma adaptação tão fiel a obra original e tão bem executada seja o "Batman Begins" ou "Homem de Ferro" dos live-actions, começando então uma nova era de filmes baseados em animes.

    A fidelidade com qual o longa trata a obra original é surpreendente, em pequenos detalhes que possam passar desapercebidos, é notável a intenção de trazer com fidelidade os personagens de "BLEACH" para o mundo real. Como de costume, talvez não seja um dos melhores filmes a se indicar para quem nunca teve contato com o anime ou o mangá, e sim, feito para os fãs.

    A dublagem nacional do filme é algo a ser exaltada, com algumas alterações nas vozes clássicas do anime, a dublagem é parte fundamental dos créditos ao filme. Com algumas adaptações ficam a desejar na tradução de termos, como "ceifador/ceifadora" ao invés de "Shinigami" quando se mantém termos como "reiatsu" e "Zanpakutou".

    O maior acerto de "BLEACH" foi um conjunto de escolhas, desde a escalação de boa parte do elenco, que entregam os personagens com maestria - Com exceções é claro, de Kisuke Urahara - até a fidelidade em trejeitos e características. Se manter fiel a obra, ao invés de seguir caminhos diferentes para entregar um filme fechado talvez seja o grande diferencial de "BLEACH", a constante provocação com os fãs de que poderemos ver a saga da Soul Society em um próximo filme é excitante.

    Com uma sequência confirmada - e ainda bem já foi confirmada! -, "BLEACH" pode ser com facilidade um novo começo para os Live Actions.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Matt

    "O Homem Perfeito" (2018) é a mais recente comédia nacional que chega aos cinemas amanhã, dia 27/09. Com um elenco de peso, "O Homem Perfeito" é original, mas cai nos esteriótipos das comédias nacionais.

    Com Luana Piovani, Sergio Guizé, Marco Luque, Juliana Paiva e Eduardo Sterblitch no elenco, "O Homem Perfeito" conta a história de Diana (Piovani), uma talentosa escritóra fantasma que começa a enfrentar problemas em seu casamento com Rodrigo (Luque) e em seu trabalho, ao escrever uma auto biografia de um artista em decadência, Caique (Guizé).

    O diretor Marcus Baldini entrega uma boa comédia, com bastante potencial e alguns diferenciais, mas peca por não arriscar mais no que se propõe e se limita a uma trama sem muito desenvolvimento, focada na comédia e soluções simples de roteiro.

    O filme segue com duas tramas paralelas, é bem equilibrado estruturalmente pelo diretor. Focadas nas vidas profissionais e amorosas de Diana. Ao lado de Caique, a comédia se torna mais gostosa e divertida, porém quando focada na vida amorosa, buscando o seu marido de volta, o longa se torna previsível e cai na mesmice.

    Destaque maior do longa fica por conta do excêntrico rockstar Caique, interpretado por Sergio Guizé. O filme explora bastante o lado cômico de Guizé e mostra uma versatilidade incrível do ator, que até a pouco, estava na televisão na recém terminada novela "Do Outro Lado do Paraíso".

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Filmow
    Filmow

    O Oscar 2017 está logo aí e teremos o nosso tradicional BOLÃO DO OSCAR FILMOW!

    Serão 3 vencedores no Bolão com prêmios da loja Chico Rei para os três participantes que mais acertarem nas categorias da premiação. (O 1º lugar vai ganhar um kit da Chico Rei com 01 camiseta + 01 caneca + 01 almofada; o 2º lugar 01 camiseta da Chico Rei; e o 3º lugar 01 almofada da Chico Rei.)

    Vem participar da brincadeira com a gente, acesse https://filmow.com/bolao-do-oscar/ para votar.
    Boa sorte! :)

    * Lembrando que faremos uma transmissão ao vivo via Facebook e Youtube da Casa Filmow na noite da cerimônia, dia 26 de fevereiro. Confirme presença no evento https://www.facebook.com/events/250416102068445/

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.