filmow.com/usuario/ingopassos/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > ingopassos
32 years, São Paulo (BRA)
Usuário desde Julho de 2012
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Não gosto de romance, ficção científica, terror, ação, musical, aventura, suspense, animação, drama ou comédia.
Gosto de cinema.

Últimas opiniões enviadas

  • Ingo Passos

    Começo dizendo que Blade Runner 2049 é um puta filme. Se você gostou do primeiro Blade Runner lançado em 1982, é bem certo que gostará deste aqui também. A sequência não caiu na tentação de se tornar mais um filme de ação com tiro-porrada-bomba (e olha que tem isso! mas em momentos pontuais). Ainda é um filme de investigação noir embalado como ficção-científica. O que pode tornar o filme lento para alguns. Se você conhece o original, saiba que este novo mantém o mesmo ritmo, sem pressa para explorar as nuances dos personagens.

    O filme é visualmente bonito. A ambientação distópica das cidades é tão bem feita, que torna tudo aquilo assustadoramente palpável. A trilha sonora aparece forte em momentos chaves. Claro, boa parte desses méritos vem da inspiração do Blade Runner original. Mas a continuação acerta em expandir isso e também as ideias apresentadas no clássico de 1982. Ainda sim, o roteiro consegue adicionar novas camadas nesta mitologia cyberpunk. Aliás, o trailer acertadamente não entregou o plot principal da história.

    Ryan Gosling detonou. Você realmente "compra" o seu personagem e toda a jornada que ele se entrega. E o Harrison Ford tá Ok. O que não é ruim, muito pelo contrário.

    Blade Runner 2049 é dirigido por Denis Villeneuve que é um puta diretor. Um dos melhores desta nova geração. Se você quer mais filmes que saiam daquele padrãozão hollywoodiano, vale a pena procurar seus outros trabalhos.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Ingo Passos

    Logan é um filme visceral. Que aposta naquilo que o personagem tem de melhor: sua dor, seu sarcasmo, seu lado animalesco, sua bondade. O resultado é imperdível para os fãs do mutante canadense.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Ingo Passos

    Alguns podem dizer que Assassin's Creed é uma adaptação fraca de um game. Porém estão enganados. É pior que isso! É um filme ruim, com um roteiro mais furado que queijo suíço e ação que não empolga devido a péssima escolha de entrecortar cenas do século XV com o presente.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    O protagonista Call Lynch não tem carisma. Não sabemos sua história de vida. Toda hora falam que ele possui uma violência hereditária, mas isso não é mostrado. Por que os incompetentes Templários da Abstergo deixam vários Assassinos juntos e confabulando entre si? E a Dra. Rikkin não sabe o que quer, né?
    E no passado, o Assassino Aguilar é desperdiçado a ponto de não sentirmos suas perdas.

    Os games acertam em dar mais destaque justamente ao passado, deixando a linha do presente apenas como um fio condutor. Outra coisa que os jogos e demais obras acertam é dar a sensação de que as ações dos Assassinos estão moldando a história do mundo. Principalmente ao interagir com figuras históricas reais. Porém tudo isso foi minimizado na produção. E com tantos conceitos que já são complexos o suficiente para mostrar, por quê, diabos, complicar o Animus apenas para tirar você, telespectador, da imersão da Espanha inquisitória?

    Falar que adaptações de games são impossíveis, não é uma crítica válida para Assassin's Creed e sua rica mitologia. Tanto que já rendeu bons livros e quadrinhos (sendo alguns deles também com histórias não vistas nos jogos). Trata-se apenas de um caso onde profissionais do cinema esqueceram que para um filme funcionar você precisa de personagens que sejam bem desenvolvidos para nos importamos com eles. Que possamos acreditar naquilo que o personagem acredita, para quando ele triunfar, comemoremos com ele. E nisso, a película falha miseravelmente. Não é um filme que vale um Salto de Fé.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Filmow
    Filmow

    O Oscar 2017 está logo aí e teremos o nosso tradicional BOLÃO DO OSCAR FILMOW!

    Serão 3 vencedores no Bolão com prêmios da loja Chico Rei para os três participantes que mais acertarem nas categorias da premiação. (O 1º lugar vai ganhar um kit da Chico Rei com 01 camiseta + 01 caneca + 01 almofada; o 2º lugar 01 camiseta da Chico Rei; e o 3º lugar 01 almofada da Chico Rei.)

    Vem participar da brincadeira com a gente, acesse https://filmow.com/bolao-do-oscar/ para votar.
    Boa sorte! :)

    * Lembrando que faremos uma transmissão ao vivo via Facebook e Youtube da Casa Filmow na noite da cerimônia, dia 26 de fevereiro. Confirme presença no evento https://www.facebook.com/events/250416102068445/

  • Naíza
    Naíza

    Eu também não entendo tanto pedrada em Paulo Coelho, não! hahaha

    Quanto a ser exigente, pode-se dizer assim, mas na verdade eu acho que alguma coisa tem que ser boa acima da média. As histórias que li de Neil Gaiman em prosa são muito simples, na minha humilde opinião, e escritas de um jeito muito simples também. Eu digo simples num sentido negativo mesmo, beirando a desinteressante no estilo e na narrativa. Mas isso só aconteceu, veja bem, na PROSA. O que ele faz com a mesma história colocando num roteiro pra quadrinho já eleva ela em uns mil porcento. Por mim tudo bem se a narrativa for simplinha se a história é massa. Tudo bem se a história for simplinha, se a narrativa é caprichada. Mas os dois simples demais eu acabo achando fraco.

    Pode ser que Neil Gaiman seja um narrador muito atrelado à imagem. Já que a gente citou GoT aqui, vou comparar um pouco com George Martin, aproveito e respondo sua pergunta. hahaha As Crônicas de Gelo e Fogo tem uma narrativa que não precisa at all de imagem, porque ela é extremamente detalhista (vide Tolkien). Eu comecei a ler depois que já tinha visto a 1ª temporada da série. A narrativa é tão minuciosamente idêntica às cenas da série, que pra mim era quase como se tivesse vendo 2x, aí achei chato e parei. Já Neil Gaiman escreve parecendo que vai ter sempre uma imagem do lado pra apoiar o que tá escrito, pra deixar mais interessante. E aí que tá... quando não tem, eu acho okzinho só. hahaha São 2 tipos de narrativas incríveis, não vejo nenhuma vantagem de uma sobre a outra, sou apaixonada pelas duas. Tem gente que se dá bem nas duas, mas eu não boto muita fé em Neil Gaiman como escritor literário. Enfim... eu adiei os livros só, a série tô acompanhando. ^^

    E sim! Eu fiquei sabendo desse quadrinho aí dos irmãos Moon, Bá! Já preciso! =D

  • Naíza
    Naíza

    É, eu fiz um caminho diferente de todo mundo com relação à Neil Gaiman, porque geralmente todo mundo conhece ele através de hqs. Eu conheci através da prosa. O conteúdo em si eu acho bem interessante realmente, mas a narrativa é que acho... bem, nada demais. Mas meu cunhado soube que eu li Lugar Nenhum e me emprestou as Vertigos dele pr'eu ler a hq. E aí é interessante vc dz que há narrativas que só podem ser contadas em hq, pq eu realmente gostei mais de como essa história foi explorada no quadrinho.

    Coisas Frágeis tem alguns contos premiados dele e eu achei todos "nada demais" tb. Mas é isso, a forma narrativa! E depois vi episódios de séries que ele escreveu e achei muito bons. Foi aí que comecei a entender que gosto mesmo dele como roteirista, de tv e de hq. O jeito dele escrever prosa parece um argumento de roteiro, eu diria.

    E sim! Eu quero muito ler Sandman, mas minha situação financeira é gravíssima! haushaus E não é culpa da crise. Além do que eu gasto muito dinheiro - que não tenho - com quadrinho, aí evito comprar séries extensas que eu sei que não vou poder bancar num tempo razoável. Um dia eu chego lá!

    Eu tenho Deuses Americanos, mas não tá comigo. Só devo ter como ler ano que vem. Quero ler antes da série, pq senão vou acabar adiando pra sempre, igual As Crônicas de Gelo e Fogo. u.u' E eu vi A Lenda de Beowulf e gostei msm! Não sabia que o roteiro era dele. :D

    No fim das contas, acho que tá mais pra eu não conhecê-lo o suficiente ainda. Boto fé nisso! hahaha