Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > j.v.pinheiro
26 years
Usuário desde Junho de 2015
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

'How real is any of the past, being every moment revalued to make the present possible:'

The Recognitions, William Gaddis

Últimas opiniões enviadas

  • João Vitor Pinheiro

    Deve ser o filme mais acessível do Michael Snow e ainda assim consegue ser ridiculamente diferente de qualquer outra coisa feita por qualquer um (tirando os momentos de metalinguagem). Fenômenos extremamente pitorescos pululam pra todos os lados e quase não deixam o filme parar quieto, várias anomalias geralmente associadas à experiência de tomar ácido acontecem direto. E os efeitos são de um anacronismo sensacional; sabe-se que é um filme lançado em 2002, mas se por um belo absurdo isso estivesse passando em um canal sucateado de TV, o expectador desavisado que começasse a assisti-lo in media res poderia facilmente imaginar-se diante um filme de 1982 do planeta bizarro ou alguma outra realidade paralela.

    P.S. O senso de humor do filme é especialmente incomparável.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • João Vitor Pinheiro

    Acho que o Haneke deve gostar bastante de 'Last Chants For a Slow Dance': tive a impressão em pelo menos duas cenas desse filme de estar vislumbrando os antecedentes principais de cenas-chave de 'Funny Games,' 'Benny's Video' e 'Caché.'

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Vitória Galhardo
    Vitória Galhardo

    Não apaguei seu comentário até hoje, por achá-lo extremamente reflexivo sobre esse filme que amo.

  • Andre Carvalho
    Andre Carvalho

    Citando outros irmãos, os Dardenne, tive muita dificuldade com a saturação da câmera na mão que eles usam, muitas vezes acaba soando como preguiça ou uma espécie de atalho, medo de arriscar. Rosetta mesmo tem tando potencial perdido em cenas que poderiam ser maravilhosas mas onde há a opção por mais uma câmera freneticamente tremendo nas costas da personagem. E ainda assim o roteiro e atuações são tão bons que ao final é um bom filme. Mas enfim, este é um dos erros em que os Safdie não caem, como também não caem no hedonismo óbvio do ambiente vibrante-neon do 'novo' Refn.

    Cara, o roteiro do Good Time flui de forma tão maravilhosamente natural que ele te fisga como um peixinho pro absurdo-plausível dele. O filme parece que tem uns 20 começos.

    Posso estar enganado, mas na época havia criado um tópico na orkut fazendo esta mesma comparação com o DiCaprio, mas hoje realmente ele parece ter um potencial muito maior. Inclusive o Scorcese já havia declarado que pretende trabalhar com ele no futuro.

  • Andre Carvalho
    Andre Carvalho

    Good Time é um filmaço cara. Dos roteiros mais inventivos que vi.

    E feliz de defender o Pattinson desde o orkut hahhaha