Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > jadiel_ribeiro
24 years (BRA)
Usuário desde Julho de 2010
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Meus filmes preferidos:
Vivre Sa Vie (Jean-Luc Godard),Teorema (Pier Paolo Pasolini), Gritos e Sussurros (Ingmar Bergman), As Harmonias de Werckmeister (Béla Tarr), Elephant (Gus Van Sant), Tiresia (Bertrand Bonello), E Buda Desabou de Vergonha (Hana Makhmalbaf), A Casa de Alice (Chico Teixeira), A Fita Branca (Michael Haneke), Cães Errantes (Tsai Ming-liang).

Meus diretores preferidos:
Jean-Luc Godard, Ingmar Bergman, Michelangelo Antonioni, Agnès Varda, Pier Paolo Pasolini, Claire Denis, Tsai Ming-Liang, Wong Kar-Wai, Catherine Breillat, David Lynch, Jean-Pierre e Luc Dardenne, Derek Jarman, Pedro Almodóvar, Aleksandr Sokurov, Abdellatif Kechiche, Ousmane Sembene, Michael Haneke, Bertrand Bonello.

1/2⭐ - como pode um filme ser tão ruim!
⭐ - Péssimo, de muito mau gosto.
⭐ 1/2 - Horrível
⭐⭐ - Ruim
⭐⭐1/2 - Ruim, mas tem coisas interessantes
⭐⭐⭐- Mediano, assistível
⭐⭐⭐1/2 - Bom
⭐⭐⭐⭐ - Muito Bom!
⭐⭐⭐⭐1/2 - Excelente!!
⭐⭐⭐⭐⭐ - Impecável!

Últimas opiniões enviadas

  • Jadiel de Souza Ribeiro

    No decorrer do filme eu tava tipo: "nossa, bom drama, tô curtindo, bem construído, as atuações tão muito boas..." aí começou Aquela Festa e depois disso... rapaz, nem sabia mais o que era respirar.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Jadiel de Souza Ribeiro

    Ai, gente, desculpa, mas isso aqui é uma série, uma narrativa ficcional, não uma videoaula preventiva, logo ela deve primar pela coerência em relação à motivação das suas personagens e não o que se espera ser o comportamento ideal em certas situações. Então eu realmente acho nada a ver essa galera que fica cobrando "responsabilidade" da série (mas entendo, porque foi uma jogada de marketing da netflix dizendo que a série ajudaria a iniciar um diálogo sobre temas sérios e dando a ela uma importância e (de novo) responsabilidade maior do que ela realmente tem como material ficcional, o que, ao meu ver foi um tiro no pé, porque agora a galera fica esperando que a série seja uma cartilha de como agir. É bem feito pra netflix, que fica se vendendo como uma empresa "desconstruída" e "preocupada", quando o que ela visa é lucro, apenas isso, e pagar de "engajada" gera lucro... mas isso é outra conversa).

    Enfim. Acho válido criticar a série pelo que ela é, uma ficção. Sendo assim, seu papel é construir uma trama coerente e verossímil, o que ela falha em vários momentos, tipo, basicamente todo o lance do tribunal e as perguntas da advogada de defesa são absurdas, o que fez a série perder muita seriedade para mim, sem contar algumas tramas difusas e reações incoerentes de alguns personagens.

    Porém, ao contrário de muita gente, achei super importante...

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    ...a cena do estupro de Tyler, inclusive pelo o fato dela ser extremamente violenta e crua por, em primeiro lugar, ser um acontecimento dramático o suficiente para levá-lo de volta ao estágio que aparentemente ele tinha superado (raiva acumulada e sentimento de impotência, o que o faria agir como agiu no final) e, em segundo, por explicitar até onde pode ir uma pessoa criada em um ambiente de masculinidade tóxica onde a violência e a humilhação são a forma encontrada de lidar com conflitos, o que gera comportamentos cruéis, sentimento de superioridade e um embotamento afetivo, logo uma falta de empatia com o outro, ainda mais quando esse outro é visto como mais ´frágil' e menos 'viril'. Então não achei a cena absurda ou improvável de acontecer na vida real - se procurarmos, provavelmente encontraremos notícias sobre crimes bizarros desse tipo, principalmente contra a população LBGT


    No fim, a série teve seus pontos positivos, mas a insistência em criar suspenses desnecessários e de se alongar ao máximo quando ela deveria ser mais enxuta (problema com quase todas as séries da netflix) a fez derrapar em várias incoerências de roteiro, que acabaram prejudicando o resultado final.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Vinicius
    Vinicius

    Sagitarianos são amor. Não é que não somos de nos prender, é que não gostamos de que invadam a nossa sensação de liberdade e também gostamos de gente que nos faça expandir, se a pessoa não corresponde, procuramos outras :P e realmente, somos o demônio com piadas. Sempre troll, fazendo graça com todos e com a vida. Gosto disso em mim tb.

    É, espero encontrar alguma estabilidade. Na real, só queria ficar rico msm ou ser herdeiro e viver da minha arte (eu escrevo haha)

    Adicionei você lá. Não se preocupe, deixei um recadinho aka orkut kkkkk

  • Vinicius
    Vinicius

    Eu quero emoldurar tudo que você pontuou sobre o mundo gay, como faz? Estou de acordo com tudo isso que você trouxe. Inclusive quero você nas minhas redes.

    Chocado que você é capricorniano. Eu tenho medo R E A L de capricornianos, justamente pq eles costumam ser frios e só pensarem em ficar rico e passar por cima de todos KKKKKKKK (eu sou sagitariano, signo bom né? faço piadas com frequência, veja só)

    Que maravilha formar-se em psicologia. Cara, o mercado tá ruim pra geral, né? Fico triste quando vejo tantos amigos e conhecidos com diploma na mão mas sem oportunidade ou trabalhando em subempregos e precarizando ainda mais as profissões, porque elas precisam sobreviver. Em comunicação msm, nossa, nem se fala. Tanto para RP quanto para Jornalismo a coisa não tá muito boa. Tenho pensado em concursos também (minha família mais que tudo KKKK), mas estou avaliando... Você tem prestado concursos para quais cidades?

    Acho que você fez uma boa escolha, por mais que jornalismo tenha lados encantadores e letras também, psicologia é muito bom e interessante e nossa sociedade adoece tanto que profissionais competentes que ajudem a lidar com os conflitos serão indispensáveis.

    Pois é, fiz esses dois benditos cursos. Foi ótimo, mas como diz a letra do Coldplay "nobody said it was easy", haha e cá estou decidindo o que fazer com essas duas formações.

    Bacana tu ter morado em SP, fiquei chocado que se a coisa tá ruim lá, imagine nos outros lugares. É realmente uma pena. Aqui ainda é alimentado o sonho de ir pro sudeste ficar rico KKKK coitados.

    Enfim, estou pensando em seguir na área do jornalismo digital mesmo, já que meu tcc dialogou com ela. Preciso de um objeto apenas...

  • Vinicius
    Vinicius

    Hahaha. Bota espinhoso nisso. Não discordo de você não, acho que retratar essas relações tem seu mérito e a comunidade lgbt precisa de representação de outros modelos além do imposto pelo hetero. Mas as relações não monogâmicas são um tabu também na comunidade hetero. Agora, pelo menos do que eu vejo dos meus amigos, sinto que há uma descrença geral em tudo que envolve sentir algo pelo outro para firmar uma relação (monogâmica ou não). É algo que ultrapassa as sexualidades em si e chega num mal-estar social mesmo, justamente por causa dessa era do descarte. Aprendemos tanto com a mecânica de consumo e descarte do capitalismo, que isso está impregnado na nossa cultura e forma de se relacionar com o outro; então o descarte vem da ampla facilidade de oferta (apps, redes e afins) e a solidão é uma lacuna deixada pelo consumo constante, que por sua vez vislumbra ser extinto com mais consumo, o que fecha o ciclo e nos prende nele. (Se vc deixar, passo horas teorizando hahaha sou terrível, parei :P)
    O que às vezes me incomoda é que ambas as formas de se relacionar parecem tensionar uma com a outra, quando na vdd, há espaço para ambas e ninguém precisa fazer ou viver nada que vá trazer infelicidade.
    Vejo uma tendência a solidão em função de tudo isso que pontuamos, no caso do lgbt, me preocupa muito a contradição de que ao mesmo tempo em que se quer romper o padrão imposto pelo hetero, muitos lgbt ainda se prendem aos padrões sociais de beleza, etnia, classe social, etc. pra se relacionar. Acho isso cruel e a própria parada gay e produção audiovisual tendem a reforçar esses estereótipos. Acho contraditório que exista exclusão num meio que tanto briga pela inclusão e respeito na sociedade. Maaaas, enfim. Acho que o fato de podermos discutir cinema e representações lgbt um ganho, porque sugere que a produção tem crescido, deixado de ser amadora e tem se esforçado para abarcar outros aspectos, como esses dos filmes que citamos. Sigamos então. Hahaha

    Também vou adicionar esses coreanos na lista pra eu ver também. Haha, falando de vingança assim parece até escorpiano hahaha. Obrigado pelas dicas, espero ver logo e gostar deles!

    Onde você morava antes? Aliás, o que tu faz da vida? O que motivou a mudança? não sinta inveja, venha morar aqui hahaha. E sim, Salvador tem uma produção boa, pelo menos tem muita gente engajada no meio, conheço alguns. Mas por ser Nordeste, ainda há preconceito e pouquíssimo incentivo fiscal pra produção, o que é uma pena porque muita gente boa acaba indo pro eixo Sudeste ou pra fora do país para fazer o que gosta.

    Então, eu sou formado em Relações Públicas e agora formei em Jornalismo. Uma longa história haha. Queria trabalhar com entretenimento, sinto que tem mais a ver comigo do que a rotina de redação em si, mas, enquanto isso, estou me organizando pra um mestrado ou intercâmbio para ainda esse ano. Já estou frequentando aulas como ouvinte inclusive...