filmow.com/usuario/leocostamvdc/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > leocostamvdc
27 years (BRA)
Usuário desde Abril de 2013
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Citações Favoritas:

" Um dia você tem que acordar!" (Avatar)

"A noite é mais escura um pouco antes do amanhecer!" (The Dark Knight)

"Olhe bem de perto." (Beleza Americana)

''A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos!!!'' (Charles Chaplin)

"Que homem é o homem que não tenta fazer do mundo em que vive um lugar melhor?" (Cruzada)

Últimas opiniões enviadas

  • Léo MVDC

    'Casablanca' é um dos maiores clássicos americanos já filmados. Em plena 2° Guerra Mundial, a cidade de Casablanca, no Marrocos, é palco de encontros e desencontros entre Rick (Humphrey Bogart) e Ilsa (Ingrid Bergman), que estão fugindo dos nazistas pelo Oriente. É uma obra atemporal, com diálogos longos e romatizados, uma química irrestível entre Bogart e Bergman, uma fotografia em preto e branco linda, cenografia elegante, figurino caprichado e trilha sonora marcante. Um dos expoentes do cinema noir, cheio de cenas climáticas, traz bom desempenho do elenco, especialmente Ingrid Bergman, maravilhosa atriz do cinema clássico. Vencedor de 3 Oscar (Filme, Diretor e Roteiro Adaptado), contém algumas das cenas mais icônicas e copiadas da história, como as famosas cenas de beijo entre o casal protagonista, consideradas as mais longas e apaixonadas até aquela época, fato que marcou uma geração inteira de apaixonados pela sétima arte. Até hoje, o filme segue como referência e inspiração a vários outros, uma fonte inesgotável para romances dramáticos.

    -"We'll always have Paris." ("Nós sempre teremos Paris")

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Léo MVDC

    Poderoso em conceito e em execução, um dos melhores filmes do ano, disseca as tramas do preconceito, com cenas e diálogos que são um soco na mente.

    Ao lado de 'Infiltrado na Klan', 'O Ódio que Você Semeia' torna-se um filme obrigatório. Os dois formam uma espécie de dobradinha, que deveria ser passada em escolas, instituições e empresas. Aqui nesta trama, Starr é uma jovem que mora no gueto, mas que graças aos esforços dos pais, estuda em uma escola de privilegiados brancos. Ela namora um rapaz branco e ambos sofrem preconceitos. Alguns a tratam exageradamente bem ou como coitada, outros acham que ele está com ela por pena ou para ser descolado e não parecer racista. Mas isso é só a ponta do iceberg. Quando o melhor amigo e primeiro amor de Starr, um menino negro, é morto por um policial branco, ela enfrentará uma jornada de autodescoberta, tornando-se uma voz contra as barreiras e injustiças sociais. Mas tudo é muito emaranhado de tal forma que todos contribuem para a proliferação do ódio. A "amiga" que defende o policial pois ele estava a serviço, os traficantes do gueto, a mãe superprotetora que não quer a filha protestando. É aí que o roteiro se aprofunda naquilo que prolonga os preconceitos no cotidiano. Que deixar de clamar por justiça é deixar sua voz ser calada. E como o pai diz, não deixe ninguém lhe calar. São 2 horas e 10 minutos onde cada cena é pensada afim de provocar, não há uma cena sequer que seja banal. Da primeira tomada, com o pai ensinando os filhos a como se portar se forem parados por um policial branco, até os instantes finais, são golpes na mente, que provocam diversas reações, que buscam concientizar que não é vitimismo e polemização, mas é a realidade e que quanto mais for abafada, mais opressora será para pessoas que sofrem determinada rotulação. O ódio que você semeia marca as crianças, e crianças com sementes de ódio "ferram" com todos nós. Direção segura, belas atuações e competente na dissertação do assunto, filmaço que todos deveriam assistir. Mas infelizmente, por tratar de assuntos que tiram da zona de conforto, a maioria vai apenas ignorar, como já andam fazendo no dia-a-dia.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Léo MVDC

    Este tocante filme de 1990 baseado em fatos reais, traz Robin Williams como um neurologista que decide experimentar uma medicação em pacientes catatônicos que sofrem de encefalite letárgica. Além disso, ao contrário de seus colegas de trabalho, ele trata os pacientes com dignidade, indiferente da situação do mesmo, pois acredita que eles tem noção de tudo o que acontece. O primeiro paciente a receber o tratamento é o personagem de Robert De Niro, que começa a responder a medicação e a "despertar". O filme é brilhante de várias maneiras. Primeiro, a atuação de De Niro é fantástica, ele encara um papel difícil, de alguém doente cheio de "tics" e limitações, mas faz isso sem exagerar ou ficar caricato. Não atoa, concorreu ao Oscar de Melhor Ator. Robin Williams não fica atrás, e como ele faz falta no cinema! Seus personagens sempre humildes, humanos e sensíveis. É difícil não se emocionar com os dois em cena. Mas a maior força do filme é a mensagem ambígua que o roteiro traz. Embora a medicação faça efeito em pacientes que ficaram décadas em um estado de sono, quem aprende a lição é quem nunca teve este tipo de problema. Pois enquanto descobre-se que os pacientes sempre estiveram cientes de tudo ao seu redor, agora com o tratamento, eles conseguem fazer aquilo que querem e viver de verdade. Isto é o oposto das pessoas que tem saúde, mas não vivem como querem ou deveriam, pois estão dormentes nos seus empregos, dinheiro, compras, problemas, burocracias e divisões sociais. Vemos isso no contraste dos protagonistas: enquanto que De Niro desperta da doença vivendo tudo o que pode de maneira verdadeiramente feliz, Robin Williams desperta do seu comodismo mental, percebendo o quanto é solitário e desperdiça a vida, independente da boa saúde. Com um final melancólico que dói saber que isso aconteceu na vida real, 'Tempo de Despertar' traz uma mensagem poderosa sobre acordar para a vida. A vida de verdade, dando valor as coisas mais simples e deixando de lado todas as bobagens da sociedade moderna. Termino aqui com uma frase do filme:

    - Leia o jornal. O que diz? Só coisa ruim. Está tudo ruim. As pessoas esqueceram o sentido da vida. Esqueceram o que é estar vivo. Elas precisam ser lembradas. Elas precisam ser lembradas o que elas tem e o que podem perder. O que eu sinto é alegria em viver, o presente da vida, a liberdade da vida, o encantamento da vida.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Amanda
    Amanda

    De onde você é? Agora que vi que temos quase a mesma idade rs

  • Minha Visão do Cinema
    Minha Visão do Cinema

    Graças a você! Temos muito respeito e admiração pelo nosso fundador! ♥

  • Filmow
    Filmow

    O Oscar 2017 está logo aí e teremos o nosso tradicional BOLÃO DO OSCAR FILMOW!

    Serão 3 vencedores no Bolão com prêmios da loja Chico Rei para os três participantes que mais acertarem nas categorias da premiação. (O 1º lugar vai ganhar um kit da Chico Rei com 01 camiseta + 01 caneca + 01 almofada; o 2º lugar 01 camiseta da Chico Rei; e o 3º lugar 01 almofada da Chico Rei.)

    Vem participar da brincadeira com a gente, acesse https://filmow.com/bolao-do-oscar/ para votar.
    Boa sorte! :)

    * Lembrando que faremos uma transmissão ao vivo via Facebook e Youtube da Casa Filmow na noite da cerimônia, dia 26 de fevereiro. Confirme presença no evento https://www.facebook.com/events/250416102068445/

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.