filmow.com/usuario/moreira_m/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > moreira_m
25 years (BRA)
Usuário desde Outubro de 2010
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Minha visão sobre cinema foi alterada depois de ter tido contato com as obras de dois gênios: Stanley Kubrick e Glauber Rocha.

"Uma ideia na cabeça, uma câmera na mão" - Glauber Rocha.

"A própria falta de sentido da vida força o homem a criar seu próprio significado. E se ele pode ser escrito ou pensado, pode ser filmado" - Stanley Kubrick.


Diretores por filmes que mais tive oportunidade de assistir:

# 1º lugar: (19 filmes)
- Alfred Hitchcock

# 2º lugar: (17 filmes)
- Irmãos Coen

# 3º lugar: (13 filmes)
- Martin Scorsese
- Steven Spielberg

# 4º lugar: (12 filmes)
- Stanley Kubrick [+ 2 curtas]

# 5º lugar: (9 filmes)
- Robert Zemeckis
- Glauber Rocha [+ 2 curtas]
- Charles Chaplin [+ 2 curtas]
- Yasujiro Ozu
- Luis Buñuel

# 6º lugar: (8 filmes)
- Clint Eastwood [somente como diretor]
- Akira Kurosawa

# 7º lugar: (7 filmes)
- Billy Wilder

# 8º lugar: (6 filmes)
- Miloš Forman
- Tim Burton
- Silver Tendler
- Francis Ford Coppola
- David Lean
- Christopher Nolan

# 9º lugar: (5 filmes)
- David Fincher
- Quentin Tarantino
- Bryan Singer
- John Huston
- Nicholas Ray
- Vittorio De Sica
- George Miller
- Ridley Scott
- James Cameron
- Zhang Yimou
- Nuri Bilge Ceylan

# 10º lugar: (4 filmes)
- Federico Fellini
- Roman Polanski
- Terrence Malick
- Ingmar Bergman
- Hal Ashby
- Darren Aronofsky
- Woody Allen
- John G. Avildsen
- Oliver Stone
- Irmãos Wachowski
- José Padilha
- Jon Turteltaub
- Brian De Palma
- Fritz Lang
- Sidney Lumet
- Jean-Jacques Annaud
- Elia Kazan
- Frank Capra
- François Truffaut
- Carl Theodor Dreyer
- George Lucas
- Otto Preminger
- Hirokazu Koreeda
- Samuel Fuller
- Wim Wenders
- Asghar Farhadi

# 11º lugar: (3 filmes)
- Paul Thomas Anderson
- Walter Salles
- Eduardo Coutinho
- Orson Welles
- George Cukor
- Alan Parker
- Danny Boyle
- Michael Haneke
- David Lynch
- Peter Weir
- Gus Van Sant
- James Mangold
- Arthur Penn
- Sergio Leone
- Mike Newell
- Peter Jackson
- Roland Emmerich
- Zack Snyder
- Alejandro G. Iñárritu
- Jia Zhang-Ke
- Giuseppe Tornatore
- Masaki Kobayashi
- Edward Yang
- Héctor Babenco
- Franklin J. Schaffner
- Roberto Rossellini
- Luchino Visconti
- John Boorman
- Nelson Pereira dos Santos
- Andrei Tarkovsky
- Majid Majidi

# 11º lugar: (2 filmes)
- Werner Herzog
- Sergei M. Eisenstein
- Bernardo Bertolucci
- Frank Darabont
- Richard LaGravenese
- Sam Mendes
- Alejandro Amenábar
- William Wyler
- Michael Curtiz
- Robert Wise
- John Hughes
- Blake Edwards
- Bruno Barreto
- Robert Altman
- Pedro Almodóvar
- Vincente Minnelli
- Sam Peckinpah
- Leon Hirszman
- John Woo
- Ida Lupino
- Abbas Kiarostami
- Kon Ichikawa
- Louis Malle
- John Ford
- Tony Kaye
- Kleber Mendonça Filho
- Joseph L. Mankiewicz
- Jean Renoir
- Mohsen Makhmalbaf
- Bahman Ghobadi
- Hou Hsiao-hsien

# 12º lugar: (1 filme)
- Spike Jonze
- Ang Lee
- Lars Von Trier
- George Stevens
- F. W. Murnau
- Hayao Miyazaki
- Krzysztof Kieslowski
- Jean-Pierre Jeunet
- John Schlesinger
- Isao Takahata
- Jacques Tati
- Alain Resnais
- Andrzej Wajda
- Kaige Chen
- Kenji Mizoguchi
- Kar Wai Wong
- Dariush Mehrjui
- Robert Bresson
- Naomi Kawase
- Apichatpong Weerasethakul
- Henri-Georges Clouzot
- Aki Kaurismäki

# Diretores que pretendo acompanhar/conhecer:
- Coreia do Sul: Kim Ki Duk; Park Chan-wook
- Estados Unidos: Cecil B. DeMille
- Itália: Pier Paolo Pasolini; Valerio Zurlini
- Hungria: Béla Tarr
- Rússia: Aleksandr Sokurov
- Irã: Jafar Panahi
- Grécia: Theodoros Angelopoulos

Últimas opiniões enviadas

  • Moreira M.

    A vida de Lung está em descompasso em relação às pessoas ao seu redor. Enquanto os demais desejam por significativas mudanças, ele demonstra certa apatia, sendo o único que não pensa em mudanças para sua vida e, também, ciente da realidade dos outros lugares. Assim, parecia aceitar a realidade de sua vida, não tendo perspectiva que um dia tudo pudesse mudar para melhor. Ao contrário de Chin, sua namorada, que alimentando em si essa esperança, desejava partir para os EUA, casar-se com Lung. Mas contraditoriamente, Lung, apesar de não querer mudar sua própria vida, acreditava que poderia ajudar e melhorar a de seus amigos.

    Tapei Story é ao mesmo tempo simples, tocante e profundo que retrata a vida de um homem preso ao passado e uma mulher em busca de um futuro melhor. Podemos perceber que há falta de comunicação contínua e recíproca entre algumas pessoas da trama, reinando o monólogo expressado amargamente e um interlocutor sem emoção. Pessoas tristes, perdidas, angustiadas, apáticas que estão em busca de mudanças, num ambiente urbano marcado pelo distanciamento humano.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    O desfecho e início estão interligados, Lung após ser esfaqueado relembra o passado glorioso no beisebol. Enquanto Chin, como pretendera antes de comprar seu apartamento, se tornou assistente pessoal da Sra. Mei.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Moreira M.

    Num país de inexpressiva indústria e produção cinematográfica, idem ao seu órgão de fomento, não é se de estranhar que 7 Caixas (Siete Cajas) seja o longa-metragem referencial do cinema paraguaio. Isso não significa que tal filme seja ruim, longe disso; ou que de fato não mereça esse status, pois nesse pauperismo para com sua sétima arte é mais do que compreensível que sim! Mas não deveria! Não deveria simplesmente porque o cinema paraguaio ainda se encontra bastante relegado, e suas produções ocorrem de maneira muito esporádicas, assim estando muito distante dos respectivos cinemas incipientes da América Latina: Uruguai, Peru, Venezuela, Colômbia, Bolívia e Equador.

    Houve demasiadamente adoção de subterfúgios para prender o espectador. Isso chega a irritar! O enredo está inflado de clichês, sendo cada cena subsequente extremamente previsível. O argumento é pouquíssimo convincente. Apresenta personagens muito caricatos e mal desenvolvidos. A trama se dá através de incidentes grotescos, na qual são sucedidas por outros incidentes bizarros, brutescos e improváveis. 7 Caixas sustenta-se unicamente por sua ótima qualidade técnica: particularmente aos movimentos de câmeras e excessiva sonoplastia, que indiscutivelmente foi capaz de satisfazer o espectador moldado na estética do espetáculo de Hollywood. Observa-se muito mais formas pré-forjadas do que conteúdo "sui generis". Apesar disso, é recomendável para aqueles cinéfilos que tem interesse em conhecer a filmografia latino-americana.

    As personagens principais de Siete Cajas sempre são interceptadas pelas personagens coadjuvantes. Nunca não há pausa para o espectador resfolegar, pois a aposta dessa película é restritamente sua desenfreada ação. A cada cena, mas sem critério algum, a trama segue na artificialidade escancarada! Personagens imaturos e pouco convincentes, espécie de ventríloquos. O diretor é uma espécie de ilusionista fajuto, que tenta hipnotizar o espectador diante de suas emaranhadas imagens em movimentos, cuja carece de lógica e mais do que isso, destituído de essência!

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    E contraditoriamente o desfecho é a personagem de Victor rindo da própria desgraça, ao ter sua imagem que fora gravada enquanto refém, exibida no noticiário televisivo.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Guilherme Oliveira
    Guilherme Oliveira

    Férias...excelente oportunidade para reorganização. Bom descanso! Aliás, está indo para qual período? Já possui alguma diretriz que deseja seguir após o curso? Então, o agraciado como primeiro filme do ano fora Os Desajustados. Muito grato pela indicação! Tenho como meta para com este ano mergulhar no mundo South Park. Minha experiência se restringe apenas a episódios esporádicos. Também nutro muito interesse em acompanhar Rick e Morty. Assim como BoJack Horseman. Dê uma olhada em outra produção assinada por Dan Harmon: refiro-me ao sitcom Community. Embora não usufrua da mesma popularidade de Rick e Morty, trata-se de uma produção que exalou inventividade ao longo de suas temporadas iniciais. Fantástica! Humm… Young Sheldon!? O que o levou a acompanhar tal spin-off?

    Cheguei ao fim da primeira temporada de Mindhunter. Foi uma experiência muito agradável. Aquelas cenas antes da abertura... foram uma grande sacada! Espero que não às conectem diretamente ao universo dos agentes. Deixem apenas como uma espécie de ´´espaço independente``- para demonstrar momentos do cotidiano das figuras que são o alicerce da trama. Então, creio que Ed Kemper, das telas, empregue um tom de voz mais afável, aliado ao seu porte físico ´´bolachão``, o que gera uma explícita empatia, por parte do telespectador. A ficção sempre será mais aconchegante do que a realidade. Não importa o personagem de retrato. Bem, e quanto a você, o que pensas a respeito? Moisés, conhece o blog nacional O Aprendiz Verde? É um prato cheio e obrigatório para os entusiastas do assunto: http://oaprendizverde.com.br/.

    Fique tranquilo, isso ainda acontecerá muito em breve! Cara… eu bebo o que tiver. Se bobear, bebo até gasosa (rsrsrs). Bons filmes são sempre bem-vindos! Que este ano você e às pessoas que o circundam tenham um ano repleto de produtividade e serenidade!

  • Guilherme Oliveira
    Guilherme Oliveira

    Que lembrança nostálgica! Oz instintivamente me remete ao início dos anos 2000. Gostou do que viu? Estou pensando seriamente em assistir a ela posteriormente.

    Bem, recentemente assisti à minissérie britânica ´´River``. Também acompanhei mais dois episódios de ´´Mindhunter``. No âmbito cinematográfico, conferi duas excelentes produções ´´Um Assunto de Mulheres`` e ´´De Quem é a Vida Afinal?``. Além de duas películas medianas ´´O Nevoeiro`` e ´´Cubo``.
    Então, utilizo deste espaço para fazer minha última indicação do ano de 2017: trata-se da película ´´Os Companheiros``, assinada por Mario Monicelli.

    Bem, meus planos para o Natal são os mesmos há anos: filmes, petiscos (incluindo uva-passa) e bebidas. Honestamente eu prefiro o pós. Pois compro até três panetones pelo preço de um (rsrsrs). Panetone com manteiga é bom demaisss. Em relação ao Ano Novo, costumava ser figurinha carimbada no Stonehenge. Atualmente, intercalo bastante entre casa e algo diferente. Talvez passe escutando Buckethead e Nine Inch Nails ´´estirado`` em algum lugar por ai.

    Enfim, agora chegou a sua vez: conte-me o que tens assistido (além de Oz). E, qual é o seu roteiro para esse final de ano? Caso não visualize sua resposta até domingo: Boas Festas! https://www.youtube.com/watch?v=fCNvZqpa-7Q

  • Guilherme Oliveira
    Guilherme Oliveira

    Spin-of do spin-of. Não, não me atentei a isso (rsrsrs). Kim Wexler é uma personagem incrível. Adoraria acompanhar sua história sendo exposta. Embora não consiga enxergar interesse suficiente, por parte do público, para o sustento de um show. Ao contrário de Gus e Mike. Enfim, vamos aguardar os próximos capítulos... Concordo com sua teoria! Creio que essa postura acarrete menos prejuízos para ambas as partes: emissora e telespectador. The Village é um exemplo disso. Embora cancelada precocemente, conseguiu ao menos concluir de forma satisfatória o arco de cada temporada. Assim como acontece com a maioria das produções britânicas e escandinavas.

    Como diria Bezerra da Silva ´´Malandro é malandro. E mané é mané.`` Sim, assisti Nove Rainhas. Um excelente filme! Aquela cena pós-banco onde Marcos e Juan apenas trocam olhares, culminando na ruptura da parceria e rumos distintos é indescritível! Minto, chama-se cinema. Aliás, esse seria meu final. Em um mundo onde todos buscam serem espertos; o que mais se vê são palermas. E, gostaria muito que os dois fizesse parte desse círculo vicioso. Não apenas um... Embora ainda não tenha visto A História Oficial, acredito que não fuja disso mesmo... Contracorrente é um belo trabalho. Abordar tal temática sem tabelar com o pieguismo ou panfletagem moralista é quase impossível. A espontaneidade da trama é algo encantador. Obrigado pela indicação!

    Uai, pensei que Pedrinho já estivesse gozando de liberdade desde 2007. Não sabia que havia sido condenado em 2010 e preso no ano seguinte. Bem, entendo perfeitamente sua inconformidade perante nosso atordoado sistema. Outro caso semelhante aconteceu com o personagem João Acácio (também conhecido como O Bandido da Luz Vermelha), que após cumprir os emblemáticos 30 anos de reclusão, gozou da liberdade por alguns meses, até ser assassinado em decorrência de uma briga em um bar. Também ocorrerá com o popstar ´´Maníaco do Parque`` em breve. Enfim, lamentável! Lembro-me que há algum tempo conversávamos sobre o país ideal (ou quase) de cada um. Ah, como eu adoro meus lampejos de inocência (rsrsrs).

    Seu percurso é muito interessante e natural. Sim, sua atual posição assemelha-se ao conceito do Deus de Spinoza. Um conceito bastante atrativo e coerente... Meu único contato com Dreyer fora através de Dias de Ira. Uma obra belíssima de valor inestimável. Então, vamos supor que eu sou cristão. Aliás, por que eu seria um? O alicerce para minha fé é um mero livreto? Um livreto que convenhamos... carece de enorme bom senso! Não há maneira mais eficaz de conhecê-lo? Não seria melhor caso ele aparecesse? Levando-se em consideração sua onisciência, onipresença e onipotência, sou um mero fantoche em suas mãos? Por que razão há tantas religiões distintas? Interessante, pois lendo-as consigo visualizar inúmeras semelhanças entre elas. Enfim, estava me referindo a um prisma mais intimista. Indagações mais filosoficas. Menos calcada na vertente extremista de qualquer vertente.