Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/natanielrda/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > natanielrda
22 years Florianópolis - (BRA)
Usuário desde Outubro de 2010
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Nataniel

    A Pixar é o real exemplo de um lobo em pele de cordeiro. Explico. A gente vai ver o filme achando que está para assistir uma história leve, divertida e engraçada, só pra descontrair e se desconectar um pouco da realidade, quando, na verdade, o que encontramos é uma obra de arte pensada com todo cuidado para levar o público às emoções mais intensas, que tocam fundo na gente e tiram da zona de conforto que é viver a vida no modo automático, sem parar para refletir o que há de mais intrínseco em nós: as relações humanas. E é exatamente isso que acontece. A gente começa a assistir o filme inocentemente e quando vê já estamos completamente envolvidos com a vida dos personagens e a realidade a qual estão inseridos. Aí, então, está concluída a fórmula para fazer rir, chorar, emocionar e, também, de refletir a vida, valores existenciais e a efemeridade das coisas para se dar importância àquilo que realmente importa. É isso: a partir de algo simples, surgem questões complexas. Somando-se a isso a qualidade de produção, fotografia, a inserção de aspectos culturais que enriquecem ainda mais o roteiro, etc... De fato, aqui temos mais uma animação impecável do estúdio, e mais um motivo para amar a Pixar.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Nataniel

    O que mais me impressionou nesse filme foi, acima de tudo, a distorção daquilo que é, para muitos, um sonho: ser artista. Desde cedo, é criada em nós a imagem utópica e sublime do artista que é perfeito na sua arte. Um cantor, um dançarino, um instrumentista. É construída, sobre esses artistas, uma visão de glória e esplendor que passa a ser compartilhada por toda uma sociedade. Trata-se de uma imagem de um sonho alcançado, de uma pessoa que atingiu todos seus objetivos e vive em um puro êxtase existencial.

    Em Whiplash, essa ideia é desconstruída de forma abrupta e profunda. É um soco no estômago, um choque de realidade. Através de cenas fortes e muito bem construídas, fica possível entender o "outro lado" dessa imagem, aquilo que há por trás das cortinas, escondido sob a maquiagem e ofuscado pela luz dos holofotes. Aqui, é escrachado na tela o sangue derramado através de toda uma jornada de sofrimento e dor até que se alance a excelência. Mais do que isso, é feita uma crítica a partir do momento em que surge a questão: até que ponto vale a pena desistir dos prazeres da vida em busca de um ambicioso objetivo?

    Nesse momento, todos os olhares se concentram nos dois personagens que dão forma e concretizam toda essa abstração. Andrew é a figura do garoto que inicialmente se apresenta como alguém deslocado na sociedade (uma imagem que não é muito difícil de ser percebida na vida real, nas escolas, no trabalho, nos laços familiares), mas que, assim que recebe o incentivo adequado - ou não - parte numa incessante busca de ser o melhor. A determinação e garra logo viram paranoia e obsessão, causadas e incentivadas pelo seu mestre, Terrence Fletcher, um homem que cruza as barreiras do socialmente aceitável ao tomar uma postura agressiva perante seus alunos, em busca de um objetivo maior. Em busca da perfeição.

    O impacto se consolida no terceiro ato, em que somam-se a excelente fotografia e sonografia, numa montagem de tirar o fôlego - literalmente - do espectador, com uma grande sacada do roteiro, que acerta em não dar uma resposta clara às perguntas e questões formuladas no seu desenvolvimento. Whiplash é um filme que marca, se destacando dentre outros do mesmo gênero, e merece nossa atenção para refletir um pouco a respeito das linhas que devemos - ou não - cruzar para alcançar os objetivos que almejamos para nossas vidas e que, em um certo ponto, a vida se encarrega de mostrar que não são aquela idealização que muitas vezes temos deles.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Nenhum recado para Nataniel.