Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/pseudokane3/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > pseudokane3
Moderador
37 years, Sergipe (BRA)
Usuário desde Dezembro de 2009
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

a + b = ?

Ou seja: não há nenhum filme que eu NÃO queira ver!

(WPC>)

Últimas opiniões enviadas

  • Wesley PC>

    Apesar do título, o maior problema deste filme é relegar a protagonista à coadjuvação na segunda metade, quando várias subtramas paralelas (afinal, necessárias em sua lógica de ereção moral) se deslindam, mas o que interessa mesmo são as cinco lições associadas ao desenfeamento da personagem titular, maravilhosamente interpretada pela roteirista Emma Thompson. A direção é um tanto frouxa, mas, mesmo assim permite cenas incríveis como a do nado sincronizado suíno. kkkkk Rhys Iphans e Magie Gyllenhaal exageram na caricatura, mas Maggie Smith está digna em suas aparições um tanto tragicômicas. Peca pelo sobejo de ambições antibélicas (situar a trama na II Guerra Mundial soa um tanto exagerado na implantação de situações paralelas, conforme reclamado anteriormente), mas é agradável e positivo em seu didatismo filantrópico. Vi com minha mãe, e ambos apreciamos! :) - WPC>

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Wesley PC>

    Já que trabalho como atendente de telemarketing, recebi inúmeras indicações deste filme como sendo-me obrigatório. E não eram por acaso: de fato, o filme é interessantíssimo. É como se o roteirista Charlie Kaufman encontrasse um Ken Loach bem-humorado e este aceitasse conduzir a narrativa crítica. Muito bom! Ácido e complacente em relação ao protagonista, mas não deslumbrado em sua indicação de culpabilidade orgânica frente à apropriação generalizada do Capitalismo - que o diga o desfecho inevitável! (risos). Em dado momento, inclusive, há uma homenagem explícita ao Michel Gondry, cineasta em que Boots Riley obviamente se inspira. O elenco é deveras funcional: Lakeith Stanfield, Armie Hammer e Steven Yuen estão em excelentes formas, mas é mesmo Tessa Thompson quem brilha, adicionando um toque de militância artística intelectualizada à la Spike Lee. Incrível descoberta. Dá para compreender o porquê de ele estar tão apagado: sua abordagem é ácida, incisiva, cortante apesar de sua leveza. Recomendo-o de pé. Finalmente a minha profissão tem um filme à altura do que sofremos! (WPC>)

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Wesley PC>

    Amigos confiáveis recomendaram-me entusiasticamente este filme, após a decepção crassa com o filme anterior, conduzido pelo falsário J. J. Abrams. Lamentavelmente, desgostei ainda mais. Disseram-me que o viés era humanista, mas quase não consegui prestar atenção à trama, de tanto que achei dispensáveis a maioria dos personagens engraçadinhos e/ou alvoroçados (o Poe de Oscar Isaac é absolutamente intragável!) e de tanto que irritei-me frente aos clímaces acumulados e vãos. É tudo rápido demais, não há respeito á duração dos eventos, à importância dos mesmos para a saga, que, aqui, assume-se com um mote ridículo de repetição cíclica da História. Afinal, percebe-se o quanto esta nova trilogia é completamente dispensável, em sua redundante reedição da suposto "conflito" que permeia o vilão (Kylo Ren é uma imitação torpe do jovem Annakin Skywalker) e das cenas de ação e trama política complicada em seu sobejo de patentes militares que apenas reedita o que já nos empolgou na década de 1970. Ok, curti a presença de Mark Ramill e a reaparição de Yoda, além de certa adoção de motes espiritualistas necessários, mas é tudo muito vago, o treinamento da "Maria do Bairro espacial" Rey acontece muito rapidamente, não há crença legítima na Força que tanto baliza o comportamento e as motivações crédulas dos personagens. As metáforas cristãs e os reaproveitamentos ideológicos de mitologias perigosas ficam muito mais explícitas e enviesadas neste mau roteiro. Sinceramente, detestei. Repleto de momentos de humor involuntário e indutor de desatenção. Uma decepção. Pelo menos, melhora um infinitésimo no desfecho, que instiga-nos a assistir ao clicheroso e previsível capítulo que se seguirá. Porém, em sentido geral, uma decepção lancinante, insisto: amplamente desnecessário, urgh! :( - WPC>

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • João Mussato
    João Mussato

    Assistido. Infelizmente, tendo a concordar com o seu comentário. Remanesce o desejo de conhecer melhor a relação do cineasta com seus tantos amigos (Salles Gomes, Jobim, Glauber, Lúcio Cardoso, etc) e também um detalhamento mais profundo sobre sua relação com o cinema novo e a criação de forma mais ampla. No mais, Saraceni exala paixão e amizade. abraços e obrigado pelo link.

  • Ricky
    Ricky

    Por nada Wesley!
    Se tiver outras indicações interessantes te passo. Tenho encontrado bons filmes pelo You Tube. O bom é que todos nós podemos ter acesso.

  • Ricky
    Ricky

    Boa noite caro Wesley, Tudo bem?
    Assisti hoje a tarde um filme que talvez você se interesse. A Carta Acusadora com a atriz Lee Remick. Achei um bom drama. Vou te passar aqui: https://www.youtube.com/watch?v=5aPxxvKKC2o
    Visto pelo You Tube com imagem e áudio gravados em VHS Embora não seja muito boa, deu pra ver na boa,, claro se você não for muito exigente!
    Abraços!