Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > renatoscarface
24 years Recife - (BRA)
Usuário desde Junho de 2013
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Sou um rapaz de 24 anos com uma vida bastante metódica; sempre ao acordar pretendo aprender algo novo. Pesquisador cinéfilo nas horas vagas...O cinema é a minha paixão maior, quase como uma religião, seguidos por música e literatura... adepto do minimalismo e da simplicidade. Sonho em ser "Critico Independente", mesmo sem as convenções acadêmicas exigidas para tal oficio.

"Quem dera Deus ter me dado o charme de Orson Welles, a espontaneidade de um Woody Allen e o sotaque de um Humphrey Bogart."

Últimas opiniões enviadas

  • José Renato Maciel Wanderley

    Possuindo um título demasiadamente chamativo “100 Shows para Assistir Antes de Morrer”, ao qual não hesitei em compra-lo, o "box-set" composto por 5 discos atiça a curiosidade dos fãs da “boa e velha” música... mas não se enganem, como eu me enganei. A bandas e artistas realmente fodas; eu diria até que todos são fodásticos...o grande problema que acontece com coletâneas tanto em CDs, como DVDs é a escolha do repertório que parece que é feita a "Deus dará" "dando tiro pra tudo quanto é lado" rsrsrsrs... Neste disco por exemplo eu só considero 4 apresentações pela qual o espectador teria de ver antes de morrer; melhor ainda ele teria que está lá em pleno show vivenciando o momento. São elas Bob Dylan em 1966 com o clássico Like a Rolling Stone acompanhado pela The Band... Dire Straits em plena forma com o seu hit bastante popular Sultans of Swing com direito a um lounge-music totalizando “10” minutos de apresentação... a aparição solene de Johnny Cash para a sua “Folsom Prison Blues” sob uma plateia atenta de condenados... e por fim a leve, despojada performance de Morrissey no The Smiths com os fãs jogando flores no “astro”, como se fosse uma alusão ao “Flower Power”... As outras performances são “muito boas”, mas não justapõe com o título, pelo menos pra mim.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • José Renato Maciel Wanderley

    Terceira vez que assisto o por muitos considerado o melhor filme da trilogia das cores do "Kieslowski"... Não é o meu preferido rsrsrs, gosto mais do A Igualdade É Branca. O que "pesa" aqui é o fator identificação... eu não me identifiquei com a personagem da Juliette Binoche na sua busca por redenção diante ao acontecido, achei até alguns eventos plenamente sem sentido... mesmo assim é um exemplar rico visualmente; bem como os três filmes da série, denotando a pegada intensa do diretor.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • José Renato Maciel Wanderley

    Um dos primeiros filmes a tocar no assunto sobre a tal “praga da Aids”...que se alastrou nos anos 80; especialmente entre os gays e bissexuais... realizado em 1989 com vários defeitos amostra, como o microfone cinematográfico aparecendo em varias cenas... vale uma observação; eu assisti de uma cópia de VHS diretamente do Youtube...talvez numas edições saídas em DVD estes defeitos tenham sido retirados. A narrativa não me trouxe carga dramática, senti muita falta disso. Se esta película fosse realizada em pleno ápice da contaminação lá em 1982,1983... imagino o impacto tamanho que seria para aquele publico e talvez ficasse marcado historicamente... além do que ficou abafado quase que totalmente diante ao clássico lançado apenas 4 anos depois Filadélfia... que consegue focar perfeitamente bem o lado destrutivo em ricos detalhes de um aidético como o preconceito velado das pessoas. Meu Querido Companheiro tem pouca “força” cinematográfica e só vale como mais um mero cargo de consciência de que se você não se prevenir seja...héteros, gays, bissexuais etc... estará sujeito a passar pelos mesmos carmas dos personagens.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.