filmow.com/usuario/richardranc/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > richardranc
98 years Santos - (BRA)
Usuário desde Março de 2016
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Richard.

    Alguém reparou no simbolismo das espirais no filme?

    Logo quando olhamos para a capa do filme, o que vemos? Scottie caindo em meio a uma espiral. Mais adiante na trama, a Carlotta pintada no quadro mantém seu cabelo preso em forma de espiral, assim como Madeleine (a câmera foca nesses detalhes). Judy ostenta um corte de cabelo com pequenas espirais caídas sem precisão sobre sua testa. A espiral também pode ser vista através da escada da torre onde ocorrem as reviravoltas da história.

    Lendo na internet sobre o significado das espirais, o sentido espiritual delas é: "a ida para o mundo de baixo, o mundo dos sonhos e das alucinações" e tem TUDO a ver com o filme. Repare que o filme desde o início nos remete a um tema espiritual ou de maldição (o detetive segue uma mulher que aparentemente está possuída por alguma entidade) e também trata de temas como destino (falarei disso mais a frente) além de também falar diretamente sobre a queda, seja ela física, moral e psicológica, ou a queda pro mundo de baixo, dos sonhos e alucinações, conforme o simbolismo.

    Scottie sofre com a acrofobia, ele tem medo de altura, medo de subir, e toda vez que ele precisa subir, é doloroso e traumático. Scottie então está destinado ou amaldiçoado a cair

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    e ele começa o filme "caindo" pois ele passa uma boa parte do filme amando uma mulher que não existe, pois a Madeleine que ele ama, não é a verdadeira, é uma ilusão, um fantasma. Ou seja, Scottie está dentro de uma amaldiçoada espiral de loucura junto com Madeleine/Judy, caminhando para o mundo de baixo, o mundo dos sonhos e das alucinações, conforme o simbolismo, porque ele está apaixonado por um "fantasma". E o destino de quem está caminhando pela espiral é a queda.

    No meio do filme temos a suposta queda (aqui física) de Madeleine, e posteriormente vemos a queda psicológica e moral de Scottie, que se torna louco, insano e obcecado, e Scottie tem medo de "subir" - o que simbolicamente sugere que ele tem medo de encarar os traumas da realidade, então ele prefere viver no mundo de baixo, dos sonhos e das alucinações, como podemos ver nos momentos seguintes da história.

    Então ele encontra Judy, e através de sua obsessão, ele faz ela se vestir igual sua amada "Madeleine" se vestia. Ou seja, ele recria a sua ilusão, a falsa Madeleine renasce do mundo dos mortos como um fantasma novamente. E quando os dois se beijam, reparem que a câmera de Hitchcock gira no formato de uma espiral por baixo do casal (é genial!), simbolizando que novamente os dois estão entrando dentro de uma espiral de loucura, caindo para o mundo de baixo, o mundo dos sonhos e das alucinações. E o destino de quem entra na espiral, como eu disse, é a queda.

    Mais a frente, Scottie descobre toda a farsa sobre a falsa Madeleine, então pela primeira vez ele encara a "realidade" que ele tanto exitava encarar, e assim, ele consegue pela primeira vez vencer o sua acrofobia e subir a escada da torre, seguindo Judy. Lembrando que a escada tem o formato de uma espiral, o que simboliza que encarando a realidade, ele conseguiu fugir de dentro do círculo maldito da espiral, ou ao menos temporariamente.

    Depois de uma discussão entre Scottie e Judy, os dois se reconciliam, ele a perdoa, e ai então temos o grande clímax do filme. A assombrosa figura de uma freira surge de um canto escuro e assusta uma traumatizada Judy que acaba caindo do alto da torre, tornando-se Madeleine uma última vez, revivendo a mesma tragédia anterior, mas desta vez real.

    E o que pode significar a presença da freira? Aqui é um significado bem mais ambíguo que eu também não compreendo perfeitamente. Mas quando olhamos para uma freira, pensamos na representação da figura divina. E o filme desde o começo, como eu disse antes, nos remete a temas espirituais (como o caso da possível possessão e o simbolismo escancarado das espirais) e também o destino (o fato da vida de Scottie estar sempre circulando através de uma amaldiçoada espiral de loucura que leva a sua queda e a morte de alguém próximo). O final ao meu ver fica em aberto se a morte de Judy/Madeleine foi uma espécie de libertação da maldição de Scottie, ou se ele continuará caindo em meio a espiral de loucura. Afinal, Scottie pode ter superado a acrofobia, mas tem novas culpas com as quais terá de lidar. E o filme se encerra com Scottie em cima do parapeito como se estivesse entre o céu e o inferno, entre a vida e a morte, entre "subir" ou "cair". Um final ambíguo e perfeito ao meu ver.

    Claro que tudo isso é só teoria, mas acredito que compreendi perfeitamente o simbolismo das espirais no filme e a forma em que ela se encaixa como uma maldição na história, só a figura da freira que permanece nebulosa pra mim, mas acredito que seja algo próximo do que teorizei

    Meu comentário ficou um pouco longo, mas nunca vi ninguém comentando sobre esses simbolismos/significados ocultos que existe no filme. E acredito que entendê-los, melhora muito nossa visão de onde reside a real genialidade dessa obra de Hitchcock tão aclamada.

    Acredito que Psicose seja o preferido da maioria dos fãs de Hitchcock, pois é uma história mais explicadinha e mais acessível. Mas Um Corpo que Cai se tornou um filme-referência muito maior com o tempo, especialmente pelas inovações técnicas e narrativas criadas por Hitchcock, e que até hoje são tidas como inspiração para diversos realizadores atuais. O filme é, além disto tudo, uma das jornadas mais assombrosas e alucinantes do mestre do suspense, onde seus personagens são guiados por uma amaldiçoada espiral de loucura, através de uma paixão tão avassaladora quanto fantasmagórica.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Richard.

    Ao lado de A Rede Social, é o filme mais pé no chão e realista do David Fincher que assisti até então. E são dois dos meus favoritos dele.

    Zodíaco é um filme que provavelmente não vai causar fortes emoções em boa parte dos espectadores, pois é um filme longo, quase sem adrenalina, sem cenas de ação, sem grandes dramalhões, sem uma conclusão concreta e muita informação para ser absorvida. E tudo isso torna esse o filme menos acessível de David Fincher, o que reflete na média geral. Mas esses detalhes pra mim não foi nenhum demérito, e sim, tudo isso me causou grandes surpresas, pois tornou o filme menos comercial e mais maduro e real possível. Eu não conhecia o caso Zodíaco e fiquei impressionado com a complexidade do caso e pela forma como mexeu profundamente com a vida e o psicológico dos envolvidos, além do desfecho inconclusivo. Achei um caso bem peculiar e muito interessante.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Chega um momento que já não importa mais a resolução do caso ou quem o Zodíaco assassinou, e sim conhecê-lo e entendê-lo. E por mais doentio que pareça, há um momento que dizem para Graysmith que talvez Zodiaco não teria cometido aqueles assassinatos e o olhar dele é de desolação. Isso mostra até que ponto chegou a obsessão dele pelo caso.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Richard.

    Leon e Mathilda são personagens complexos, e a interação entre eles é similar a de um pai e filha. Ambos são solitários e traumatizados, mas juntos eles encontram um propósito maior em suas vidas. É um filme brutal e triste, mas ao mesmo tempo, é terno e belo.

    Grandes atuações de Jean Reno, Natalie Portman (estreante e roubando a cena) e do surtado e insano Gary Oldman, que faz papel de vilão como poucos.

    É um belo filme. É uma pena que sofreu muitos cortes por causa das acusações sobre "romantizar pedofilia" - o que pra mim não faz sentido - pois tem que ter uma mente muito maliciosa e problemática para enxergar "maldade" na relação entre os dois.

    Gosto mais da versão estendida do que da oficial.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Loonatic
    Loonatic

    Não, nunca sofri, mas também não falo sobre animes pessoalmente com qualquer pessoa.
    Verdade, quando se fala de animes, quem não conhece a fundo, pensa logo em Dragon Ball, Naruto, CDZ e tal.

    Nem me fale, passa mesmo...

    Já eu não, quando faz muito sucesso, eu geralmente passo longe rs, a não ser que tenha algo que me interesse, ou chame a atenção rs.

  • Loonatic
    Loonatic

    Eu sou bem o contrário de você haha, já usei muita camiseta de anime, tenho várias ainda, e alguns outros acessórios também. Uma das paredes do meu quarto tem páginas de mangás coladas como se fossem papel de parede, e na porta também tem kkk. Gosto de escutar as osts também. Sou bem o tipo otaku, mas não gosto de me rotular assim.

    Completei 27 em maio, estou velha também rs.

    Eu gosto de ver os animes da temporada, sempre tem algo novo e legal, mas essa temporada tá sendo de longe a mais fraca que eu já acompanhei...

  • Loonatic
    Loonatic

    Eu sou bem fã de animes, faz anos que eu gosto, então eu curto ir em eventos, acho legal, dá pra comprar coisas e tudo mais... Às vezes vão algumas bandas legais também.
    Ela tem 29 anos, eu sou a mais nova de 4 irmãs.
    Eu não perco interesse, apenas tem momentos em que não acho nada que me interesse pra ver, mas acompanho os animes da temporada, porque sempre tem pelo menos um anime que vale a pena.

    Eu também não tenho amigos que gostam rsrs.

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.