filmow.com/usuario/sem_registro/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > sem_registro
28 years, RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO (BRA)
Usuário desde Maio de 2011
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

"Não é demonstração de saúde ser bem ajustado a uma sociedade profundamente doente." - Zeitgeist Addendum
-
"O Homem só será livre quando o último rei for enforcado nas tripas do último padre." - Denis Diderot
-
“There is a fear about sex in motion pictures, as if sex would undermine morality.” - Paul Verhoeven

Últimas opiniões enviadas

  • Jonathan Silva

    A CANÇÃO DOS POBRES

    Uma das "Cinco Grandes Óperas Revolucionárias" do cinema norte-coreano, aqui adaptada para o cinema sob roteiro assinado por ninguém menos que o próprio Kim Il-Sung, o primeiro 'líder supremo' da Coreia Popular, avô do atual líder Kim Jong-un.

    Até então, da cinematografia daquele país eu só conhecia o folclórico "Pulgasari". Esse "A Florista" (tradução livre minha), de 1972, é bem mais respeitado dentro do cinema norte-coreano que o filme do kaiju comuna de 1985. Cabe lembrar que o país, embora pouco conhecido pelos ocidentais, tem alma bastante cinéfila, (sobretudo por influência de Kim Jong-Il, filho de Il-Sung e a mente por trás da controvertida produção de "Pulgasari"), há até um festival internacional de cinema organizado na capital Pyongyang.

    "A Florista" é melhor do que eu esperava, a atriz que vive a protagonista é dramaticamente boa, o enfoque nos problemas gravíssimos à la Vidas Secas (sempre envolvendo fome, doença e agressão física) de uma família campesina na extrema-pobreza é comovente e - diferente do que se poderia pensar - há pouco de panfletário nos primeiro e segundo atos longa, já que a revolução só aparece bem no finalzinho.

    O aspecto musical - gênero que normalmente detesto - não atrapalha, principalmente tendo em vista que a música incidental é bonita e pouco usada nas cenas sem canções (e nenhuma delas tem dança - que alívio!). Pena que tenha uma queda técnica na segunda metade, quando a fotografia fica escura demais e o drama envolvendo a possibilidade de morte da irmã cega é sub-explorado, além da repetição de lágrimas da protagonista acabar, volta e meia, caindo em alguma pieguice e banalização que acabam detonando parte do impacto que o filme poderia ter.

    De qualquer forma, pra quem quiser encarar de mente aberta e sem cinismo com o sofrimento real dos economicamente oprimidos ali retratado, o saldo final é positivo - e uma boa pedida pra quem quiser conhecer a arte (e a alma) do país mais fechado do mundo, que resiste há décadas ao avanço imperialista dos EUA e do Japão, além dos vizinhos capitalistas do sul.

    Completo e legendado em inglês no Youtube: www.youtube.
    com/watch?v=Ey2fvPtBsiA

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Jonathan Silva

    Tenho paciência bem curta com draminha adolescente por aprovação social e/ou emocional - nesse sentido, a primeira metade de "Amigas de Colégio" é uma mistura mal sucedida de "Azul é a Cor Mais Quente" com "Bem-Vindo à Casa de Bonecas".

    Dá uma significativa melhorada conforme a projeção passa, a figura da mãe de Agnes (infelizmente pouco desenvolvida) é interessante e a metáfora da situação no banheiro com 'sair do armário' foi muito bem pescada.

    Colocando tudo na balança, é um filme razoável.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Leonardo Vasconcelos
    Leonardo Vasconcelos

    Oi, vi seu comentario na página do Verhoeven e queria te pedir uma indicação de filmes dele. Eu já vi Robocop, The 4th man e o homem sem sombra, alguma dica de qualquer ver agora? o que eu mais curti foi o the 4th man

  • Guilherme Oliveira
    Guilherme Oliveira

    Primeiramente, obrigado por aceitar Jonathan. Em segundo, parabéns pela lista elaborada, acerca dos filmes pertencentes ao fascinante movimento noir.
    E por fim, uma curiosidade: você conseguiu assistir à todos eles?

  • Alex Gonçalves
    Alex Gonçalves

    :-(