Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/skailamila/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > skailamila
28 years, Santo André, Brazil (BRA)
Usuária desde Agosto de 2012
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Camila

    2016 e a juventude tem os mesmos questionamentos a respeito da vida e do trabalho que o personagem do Cary Grant tinha em 1938. Impressionante como apesar dos 78 anos, é um filme atual.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Camila

    Que fotografia maravilhosa!
    Fiquei apaixonada pelo filme e pela história do Rocco, mas o que mais me prendeu foi a fotografia e a maneira como ela era importante para a história em si.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Você compreende perfeitamente a recusa das crianças a permanecer naquele lugar monocromático em Bruxelas quando conhece toda aquela paisagem Italiana.... e é perceptível como Bruxelas parece mais bonita a partir do momento que Rocco se adapta a ela.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Camila

    Tirando a parte em que a Norma Shearer é uma idiota completa quando se trata do marido, The Women é um dos filmes mais legais que eu já vi.

    O elenco é lindo: Norma, Joan Crawford, Paulette Goddard, Rosalind Russel, Joan Fontaine e até a Hedda Hopper (!). Apesar de tratar principalmente dos casamentos dessas mulheres, não tem nenhum homem no elenco. Segundo o imdb, até os animais que aparecem em cena eram fêmeas por demanda do Cukor.

    O mais bacana do filme não é o que parece ser a linha central: o casamento/divórcio/caso com o mesmo homem das personagens da Norma e da Joan Crawford, mas a maneira como uma fica sabendo do que acontece com a outra e, principalmente, como as que acham que nunca vão ser atingidas acabam indo parar quase no mesmo lugar.

    Eu achava a Rosalind Russel "legal". Depois desse filme eu acho ela o máximo. A personagem dela é uma das principais responsáveis por levar as informações de tudo o que acontece para as demais (e eu fico pensando como seria divertido se essa personagem fosse da Hedda, muito mindblowing pensar que depois ela seria uma das principais colunistas de fofocas de Hollywood) e o Adrian conseguiu traduzir isso até no figurino - que merece um comentário a parte, é uma roupa mais linda que a outra. Acho que foi a primeira vez que eu prestei tanta atenção em figurinos não desenhados pela Edith Head.

    Sério... o filme parece um apanhado de fofoquinhas e trivialidades jogadas por crueldade ou mesmo sem querer em conversas em salões de beleza, festas, jantares, conversas ao telefone... mas o jeito que isso amarra a trama e mostra a hipocrisia das personagens - até da que seria a "mocinha"/"vítima" - é simplesmente genial.

    O imdb as vezes é meio louco, mas eu até acredito no que diz sobre o F. Scott Fitzgerald ter feito parte do time de roteiristas. A linha de texto (e alguns diálogos) fazem bem o estilo dele mesmo.

    "Oh, she can't help it. It's just her tough luck that she wasn't born deaf and dumb."

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.