Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/willker/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > willker
20 years Ceres - (BRA)
Usuário desde Dezembro de 2016
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Procurando diferentes perspectivas nos programas preferidos de sempre ou em novas jornadas cinematográficas!

www.facebook.com/Willker.Fernando98
https://letterboxd.com/Willker/

Últimas opiniões enviadas

  • Willker

    Eu me sinto infinito! Como podemos ser apenas por um dia. Nós poderíamos ser infinitos, para todo o sempre. We can be heroes just for one day. Sentir-se infinito foi o sentimento inerente a minha experiência nessa última vez em que assisti "As vantagens de ser invisível". Antes disso já era um dos meus filmes preferidos, mas foi a experiência recente foi ainda mais forte e reconfortante. Ao assistir novamente com uma nova perspectiva o resultado foi vivenciar uma obra que me fez silenciar, transbordar!

    Existem filmes que se tornam clássicos logo que surgem, “The Perks of Being a Wallflower” já se tornou um. Elenco, trilha sonora - Ah, a trilha sonora, - produção, direção e principalmente o roteiro, tudo muito bem organizado. E só esses elogios estão longe de ser o resumo merecido. Na verdade eu não consigo resumir objetivamente, mas sim compartilhar a magia que o cinema em si e o poder na a música me proporcionaram hoje. Com isso me mente, nunca antes encontrei em uma obra do cinema tamanha identificação. Mas, por que de tanta identificação? Nesse caso, veio no personagem Charlie. Pois, a obra narra as descobertas e pequenas batalhas diárias do garoto, o qual se sente invisível e anseia por mais inclusão sem mascarar todos os problemas. É sobre um garoto na busca por mais empatia em sua volta. (Ah!! Como a falta de empatia e a romantização dos sentimentos frios me incomodam.) E a mensagem mais importante, sendo a qual: é preciso perder-se para poder pertencer. E também alguns casos mais pessoais que elevam o quanto o protagonista me fez sentir representado, porém isso fica para outro desabafo.

    E o filme caiu na graça dos fans de cinema e dos jovens espalhados pelo mundo. Assim como a mim, a galera se sentiu representada pelos personagens. Até mesmo aqueles que não são adolescentes. O longa meche muito com o nosso interior de uma forma extremamente honesta. Ele esbarra em tantos assuntos pertinentes a nossa adolescência e sem os clichês ou esteriótipos de gênero. É a narrativa de uma idade em que está todo mundo muito deslocado. Aqueles que sentem na pele o sentimento de confusão e não pertencimento como Charlie e eu, ou aqueles que fingem não sentir como Brad tentando fingir ser heterossexual assim como algumas pessoas fissuradas pela imagem do seu personagem nas redes sociais.

    "Alguém com ansiedade está inclinado a achar que todos vão embora. A verdade é que eles precisam combater algo que não conseguem controlar, e há um sentimento de insegurança dentro de si mesmo quando se diz a respeito de relações.
    Eles sabem que é difícil e não querem te sobrecarregar com seus pensamentos e preocupações." Este trechinho de um texto que li me lembra muito a frase "Aceitamos o amor que achamos merecer". Por que aceitamos? Por que tanto medo de ir enfrenta e dizer o que sentimos para a pessoa certa? São tantos muros, Por quê?

    Heroes... Canção composta por David Bowie e Brian Eno em 1977 (E que se tornará uma tatuagem na minha pele em breve haha). A música traz consigo a historia do seu produtor Tony Visconti e cantora de backup Antonia Maass e seu caso amoroso dividido pelo muro de Berlim. Isso mesmo! A necessidade da união esbarrando em um muro como barreira. Neil Gaiman completou uma frase que aqui se faz necessária: "Existe algo que não aprecia o muro... e o nome disso é humanidade."

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Willker

    Que fabula maravilhosa! Este filme é um convite poético para sairmos fora do raso. Consegui entender o que tinha de tão especial nesse filme ao lembrar da citação do rapper Nego - E para o seu álbum "Oceano". Citando o rapper: "Sair do raso incomoda. Igual falar de racismo; incomoda. Você é um corpo fluido, saca? A gente precisa de 2 litros de aguá por dia. A gente precisa de 2 litros de carinho por dia, de 2 litros de compreensão, 2 litros de afeto."

    "The Shape of Water" cativa e emociona, mas apenas quem está disposto a olhar além do raso e do romance pouco convencional. O filme aprofunda em tantos temas, mas seguindo um forma delicada e leve da narrativa. Traz temas como solidão, compreensão, lealdade e amor ao mesmo tempo em que consegue trazer critica social forte.

    Tudo aqui é lindo e para falar desse filme: ou você amou ou é um poeta, pois o filme é uma poesia. Toda sua tilha sonora, seu metalinguagem para a magia do cinema, sua paleta de cores maravilhosa e inteligente, seu enredo e tudo mais são poesias.

    "Incapaz de definir sua forma
    Eu o vejo ao meu redor
    Tua presença preenchem meus olhos com seu amor
    Acalanteia meu coração
    Pois você esta em todos os lugares"

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Willker

    Primeiro, acredito que todos deveriam parar por um instante a fim de aproveitar e refletir sobre esse curta metragem intocável. Após vê-lo, vamos chorar abraçados ao travesseiro ao analisar as entrelinhas do vídeo. Um quê de poesia para arte e a seu respeito: sua beleza está na simplicidade, pureza e sensibilidade. São diversos simbolismos a respeito do tempo e memória. É falar da sua nostalgia e olhar o enredo da sua vida, analisando-o; Neste caso, de forma atemporal, "A casa dos pequenos cubinhos" nós da um beliscão. Mais específico no filme é fazê-lo no final da vida. É sobre olhar os acontecimentos "em minha vida" antes do epitáfio e entender, no fim, o quão raro e belo é viver.

    Na arte cinematográfica há trabalhos com o poder de provocar profundos questionamentos e eles são pontes para inicio de um desenvolvimento pessoal. “A casa dos pequenos cubinhos” é um dos melhores exemplos. Desse modo, o referencial da narrativa é o reflexo da passagem do ciclo da vida e persistência da memória. A alegoria da destruição que o tempo causa é, aqui no filme, muito criativa. A água vai consumindo tudo, como o tempo faz. E ela não para, pois o tempo não espera ninguém. Mas e o mergulho, o que ele representa? O mesmo que a música "In my Life", da maior banda de todos os tempos, representa. É o velho homem procurando, no final, suas lembranças mais preciosas: "Todos esses lugares tiveram seus momentos. Com amores e amigos que eu ainda me lembro". E mesmo já afundadas no tempo, a memória ainda está intacta. Pois, como já diz Mario Quintana: “A saudade é que faz as coisas pararem no tempo”. Continuando a citação da música: "Algumas para sempre, não para melhor. Algumas se foram e algumas permanecem."

    No mais, de forma intencional, a obra ataca a particularidade de cada um. Assim, pode haver, também, uma interpretação levando em consideração um pessimismo. Para este ponto, a "Hurt", imortalizada na voz do J.Cash,é uma ótima tradução: "Sob as manchas do tempo os sentimentos desaparecem. Você é outra pessoa e eu ainda estou bem aqui". Talvez nenhum de nós entenda realmente o que viveu ou pense que não teve bastante tempo. Acredito que é nesse ponto que a obra é gritante. Sobre a importância do agora. Falando de aproveitarmos ao máximo os bons ou momentos ruins. Isto antes que se tornem apenas lembranças. Pois, o avançar do relógio tudo consome, exceto o pensamento de "devia ter"... "Devia ter amado mais; ter chorado mais; ter visto o sol nascer. Devia ter arriscado mais e até errado mais; Ter feito o que eu queria fazer”

    Em suma, poucos minutos de audiovisual, sobre um velhinho que vive solitário em uma cidade inundada, conseguiu ser, por completo, um emaranhado de interpretações. Estas podendo ter um viés otimista ou pessimista. Particularmente, após assistir, me lembrei de um poema: “Terra lhe conheci estranha, despeço-me amigo”. Não o compreendia, mas, levando em consideração a teoria da "morte do autor" e fazendo minha interpretação em paralelo com o curta metragem; a palavra terra passou a significar vida. Espero, então, me sentir assim ao "mergulhar" em lembranças. Grato com a vida; ter sido seu amigo. E me despedir, portanto, com ótimas memórias, por último.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Ian
    Ian

    Obg por aceitar! Ótimos favoritos, tô dando uma garimpada pra ver quais eu ainda não assisti pra colocar aqui no meu HD. "Sonhos" e "Morangos Silvestres" eu já tô a um tempão querendo ver. Curti também essa dos 150 essenciais, faltam 68 pra eu completar, ainda. Como eu sou o louco que quer ver todos os essenciais da vida, vou tomar como referência também hahahaha

  • Lucas Afonsus
    Lucas Afonsus

    Olá, Wilker! Obrigado por add, o que manda de novo para alguém que queira recomendações?

  • Gabriela
    Gabriela

    Olá, a minha capa é de uma série, The Leftovers da HBO.