Quartier Mozart

1992

Quartier Mozart

Média geral 0.0
baseado em 0 votos
Sua avaliação:
salvando
80 minutos

Feito com o baixo orçamento de U$30,000 em Iaundé, Camarões, Quartier Mozart traz uma exuberância estilística nunca antes vista no cinema africano.

Montagens, telas vazias, efeitos sonoros intrigantes e música popular.

Este filme é um típico filme "Hip-Hop", criado com um pastiche de imagens e história amarradas para máximo efeito nos jovens urbanos que constituem a maior parte das audiências por toda a África do Oeste.

Se o gosto de tais audiências é tão cosmopolita a ponto de desejar subserviência cultural, o filme oferece uma denúncia inteligente de tais processos, com humor e impudência crítica.

Ele articula questões do pós-colonialismo e contradições culturais que desarmam possibilidades de subjetividade por aqueles duplamente marginalizados, tanto por seus governos neocoloniais como pelo capitalismo global.

O filme narra a história de como o espaço geográfico e cultural definido pela pobreza econômica produz violência cultural na forma de chauvinismo.

Duas mulheres nos apresentam esta narrativa insistindo que a única maneira de atingir a subjetividade é magicamente transformarem-se em homens.

Mama Thekla, descrita como feiticeira, transforma uma jovem conhecida por todos como "Queen of the Hood" ("Rainha do Bairro") em um garanhão chamado "My Guy" ("Meu Homem") e ela própria em um homem chamado "Panka".

As façanhas sexuais de "My Guy" assumem dimensões folclóricas, assim como a capacidade de "Panka" de apagar a masculinidade.

As aventuras da Rainha do Bairro e seus encontros com os machões fazem-na concluir que tais subculturas precisam não apenas ser domadas como transcendidas para que se tenha qualquer progresso significativo.

Como um comentário cultural, o filme descreve o processo de socialização disponível para aqueles condenados à pobreza e à intensa vigilância da autoridade neocolonial.

O estado de pobreza do cenário do filme gera um "processo de desejo", marcado por fantasias a respeito da França e dos Estados Unidos, ao mesmo tempo que essas pessoas praticam intensa violência uns contra os outros.

Deve-se prestar atenção à linguagem crítica de autodefinição empregada pelo filme.

Se o que resta nos guetos da África são comunidades como a de Quartier Mozart, como podem elas transformar-se efetivamente quando violam e exploram a si próprias sexual e economicamente?

Como são articuladas as questões da identidade em seus contextos locais, nacionais e globais?

Fundamentalmente, o que determina os processos e contradições do ser, do vir a ser e do pertencer àquele país e ao mundo como um todo?

Deve-se atentar para a caracterização e a cadência narrativa do filme.

Seu estilo desafia a intolerância estilística.

Também oferece ao espectador uma representação de identidades consignadas às condições do não-ser ou de aproximações de alteridade à "subjetividade euro-americana" apresentadas pelos filmes de Hollywood.

Estreia Mundial:
1992
Outras datas

Elenco de Quartier Mozart

Nenhum.
Denunciar algo errado
Trailers
  • Nenhum trailer cadastrado.
Fotos
  • Nenhuma foto cadastrada.

Comentar: