filmow.com/usuario/flaviamfs/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > flaviamfs
24 years (BRA)
Usuária desde Setembro de 2012
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

“Reconhecer que cada molécula que constrói nosso corpo, e os átomos que constroem as moléculas, podem ser rastreados até os núcleos incandescentes de estrelas de alta massa que explodiram e lançaram seus interiores quimicamente ricos na Galáxia, enriquecendo quimicamente nuvens de gás primordiais com a química da vida. Desta forma, estamos todos conectados: biologicamente uns com os outros; quimicamente com a Terra e atomicamente com o resto do universo. Isto é maravilhoso. Isto me faz sorrir e, na verdade, isto me traz uma sensação de grandeza. Não que sejamos melhores que o universo, nós somos parte dele. Estamos no universo e o universo está em nós.”

Bio: 24 Anos terráqueo – Pastafarianista (Ateia) – Libertária (AnCap) – Adepta à filosofia Epicurista e Objetivista – Futura Física – Apreciadora do humor negro, do racionalismo, de games, livros e de bons vinhos.

Últimas opiniões enviadas

  • Flávia

    Simplesmente fantástico! Confesso que a história de James Randi me surpreendeu! Eu já havia visto alguns de seus vídeos no youtube, porém, somente quando assisti á esse documentário é que passei a admirá-lo ainda MAIS. Um homem apaixonado pelo o que fazia, mas fazia de forma honesta, ou seja, era realmente um mentiroso honesto, mas que deixava as pessoas cientes de que tudo aquilo não passa de truques e de sobrenatural não tinha absolutamente nada.

    Posteriormente, é lamentável ver que desde outrora até os dias de hoje, muitas pessoas ainda estão doutrinadas para acreditarem em farsas, romantizaram as mentiras confortáveis e muitas as preferem, porque acham a realidade em si desagradável ou desinteressante, mas é como diz a frase de Albert Einstein "Tudo aquilo que o homem ignora, não existe para ele. Por isso o universo de cada um, se resume no tamanho de seu saber." Talvez esses homens que não vejam graça na realidade, é porque talvez só conheçam ela sob os filtros daquilo o que as religiões, misticismos e afins pregam e dizem ser a realidade sem um deus, sem seres místicos e tal... Criam uma realidade sem graça, para fazer com que pessoas só vejam graça em tudo o que existe, se houver alguma fantasia, alguma "fada" para enfeitar esse jardim que por si só é tão belo (quem leu Douglas Adams, sabe do que eu estou falando). Em suma, a realidade é incrível, não há necessidades de adornos imaginários, nem mesmo uma mentira que nos conforte. Pois, entender como o universo evoluiu, o espaço-tempo passou a existir, são coisas incríveis por si só.

    E por fim, não sabia que

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    ele era homossexual, e que só foi se assumir depois de muito tempo provavelmente "dentro do armário".

    Haja coragem para ser como James Randi, para enfrentar uma quantidade enorme de parasitas, charlatões e ignorantes. Mas, ele fez um ótimo trabalho e acho que é dever de toda pessoa racional, ao menos uma vez ler ou assistir algo sobre ele e os seus feitos. Ele nos ensinou a aprender, a ter senso crítico, a questionar e a duvidar, mas acima de tudo, a sempre buscar a verdade.

    Nota 10!

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Flávia

    Sinceramente? Gostei do filme. Foi mais do que eu esperava, talvez ele não tenha se aprofundado tanto em algumas questões, mas sim, foi interessante e claro que só percebe isso quem entende as metáforas e alusões, bom, então vamos falar sobre alguns pontos:

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    - Eu já gostei do fato de apesar ser um filme de ficção científica, falar sobre seleção natural/evolução. Ponto número um.
    - Depois a questão da capacidade cerebral sendo utilizada quase que por completo,
    e achei interessante quando ela diz que pode sentir o espaço-tempo, que podia sentir o tempo, seus batimentos cardíacos, o sangue em suas veias correndo, o ar, a gravidade,
    os milhares de beijos de sua mãe, até regressar à gestação de sua mãe. Fiquei pensando, imagina se pudéssemos sentir isso tudo? O quão bizarro e assustador seria.
    - E por fim, eu achei bem interessante quando a capacidade dela de usar o cérebro vai aumentando e o tempo começa a regredir, a tal ponto em que ela se encontra com a Australopithecus Lucy (o que foi EXTREMAMENTE emocionante pra mim (podem rir, sei lá), mas isso foi foda, já imaginou se pudéssemos fazer o mesmo e ficar de cara a cara com um antepassado nosso? Uma* no caso. Mas enfim, apesar de ser impossível, acho que seria incrível só de imaginar.
    - Achei bem complexo quando ela conseguiu parar o tempo e acelerá-lo, e novamente, apesar de ser ficção científica, achei que o filme foi bem fiel á esse tipo de coisa, pois criou algo bem diferente e interessante de se imaginar, e sem parecer bobinho, embora o terceiro ato poderia de fato ter sido melhor.

    Gostei e se tornou um dos meus filmes favoritos de ficção científica. :)

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Flávia

    Comecei a assistir o desenho quando já estava na metade e confesso que até parei de ler o livro que eu estava lendo no momento (e olha que era livro bom) "O mundo de Sofia", para curiosos. Mas enfim, pois o desenho começou a me chamar a atenção e logo pude perceber que ele fazia algumas críticas construtivas em relação à globalização, o uso irracional e desenfreado das tecnologias, assim como os alertas sobre a obesidade, onde os mesmos tipos de coisas que traziam sensação de satisfação, eram os mesmos que traziam doenças e catástrofes ambientais ou físicas no que diz respeito ao corpo de quem ingeria aqueles alimentos calóricos e tal. Também demonstra um reflexo da realidade que vivemos ao mostrar uma mídia que tenta esconder a realidade e deixar as pessoas acreditando que tudo está sob controle, principalmente o líder que comanda aquela cidade, ou seja, ele está praticamente alheio ao que está de fato ocorrendo de tragédia e por fim, uma demonstração clara de o quanto a tecnologia se usada da forma correta, pode ser e é incrível, boa e eficaz. Afinal a culpa por bombas atômicas e coisas do tipo, não é da ciência ou das tecnologias em si e sim do próprio ser humano, e achei bem bonitinho no final quando

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    o pai do Flint utiliza aquela ferramenta para expressar todos os sentimentos dele para com o filho e ao final da frase, ele diz com a própria voz que o ama.

    . Ta aí um ótimo filme tanto para crianças quanto para adultos. Enfim, nota 10!

    :)

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.