Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/mariliatasso/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > mariliatasso
(BRA)
Usuário desde Novembro de 2011
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

"Eu não vou conhecer todos os lugares que desejo, nem tudo e todos que quero. Não posso viajar no tempo. Não consigo acabar com a saudade, nem conseguirei. Eu vou morrer algum dia. O cinema é só um sonho." (Cinema Paradiso, 1988 de Giuseppe Tornatore)

http://pitadacultdecinema.blogspot.com/
https://www.facebook.com/blog.pitadadecinema

Últimas opiniões enviadas

  • Marília

    A sutileza desse filme encanta, é incrível o como mesmo sendo simples há momentos intensos e comoventes. Magali Biff é uma força, vai aos poucos tomando consciência de si própria após tantos anos se dedicando apenas ao trabalho, o início de sua transformação acontece quando visita as Cataratas, e que cena potente, a câmera faz questão de nos introduzir ao cenário, espetacular! Outra cena bonita é quando Rosália canta "Anahi" com seu irmão.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Marília

    Um filme melancólico que retrata as deficiências que assolam a Albânia, o desemprego, o machismo, as burocracias, a violência, entre tantas outras coisas. A narrativa tem um ritmo lento e poucos são os diálogos, a protagonista exibe pelo olhar toda a sua tristeza, medo e desesperança. Introspectivo e denso, causa aflição observar a vontade de Elsa em tentar ter sua liberdade e sempre encontrar alguma barreira social.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Winston
    Winston

    "Escrever é tão mais simples do que filmar (não mais fácil, vejam bem!) Filmar é uma luta contra a natureza. Ao filmar, você está se esforçando para recriar a realidade e constrangê-la dentro dos limites do enquadramento, coisa que a realidade se obstina, o tempo inteiro, em não fazer. Já no papel, que diferença, no papel, praticamente tudo dá certo!"

    Roteiro de Estômago – Marcos Jorge.