Breaking Point

1975

Breaking Point

Dirigido por:
Média geral 3.7
baseado em 24 votos
Sua avaliação:
salvando
95 minutos

Nos primeiros 5 minutos o que vem a mente mente é: por que este filme não é tão cultuado quanto o filme anterior de Bo Arne Vibenius, Thriller – A Cruel Picture? Nem é pela bizarrice dos créditos iniciais ao som da música de Harry Lime, mas pelo que se segue, uma violenta e ao mesmo tempo discreta cena de estupro a partir de uma raivosa sombra misógina, que nos remete imediatamente a Argento e De Palma. Mas só nesses primeiros minutos, depois o pupilo do Bergman volta ao bom e velho hardcore que fez a sua fama. Digo pupilo do Bergman porque Vibenius trabalhou como assistente de direção em obras primas do tio Ingmar, tais como Persona e A Hora do Lobo, não que estética e filosoficamente a influência seja clara, mas ao menos Bo Arne vislumbrou grande perícia narrativa e fotográfica nas andanças com Bergman.
Voltando à comparação com Thriller, este acaba por evidenciar sua inferioridade comparado à Breaking Point, os intercursos sexuais que se resumem basicamente a felatios fazem todo o sentido aqui, ao contrário do que acontecera com certas cenas forçadas de Thriller, aqui o sexo é necessário para o andamento narrativo que nos ludibria em relação à natureza da personagem masculina principal: seria ele um esquizofrênico ou um maníaco? Aquilo que vemos na tela segue o ponto de vista em terceira ou em primeira pessoa? Quanto mais o filme vai avançando, mais dúvidas, ramificações e críticas da sociedade da época vão sendo inseridas, chegando a lembrar muito o posterior cinema de David Cronenberg, culminando na cena final que dá um tapa na cara de quem o está assistindo, não um tapa na cara usual do cinema exploitation e sim da nossa própria mediocridade.

Estreia Mundial:
13 de Outubro de 1975
Outras datas
Denunciar algo errado
Em DVD
Trailers
Fotos
  • Nenhuma foto cadastrada.

Comentar: