Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Germano Haiut
2Número de Fãs

Nascimento: (80)

Recife, Pernambuco - Brasil

Um dos mais destacados intérpretes do teatro pernambucano, inicia sua trajetória no Teatro do Estudante Israelita de Pernambuco. Atua em peças de importantes autores do teatro mundial, entre eles William Shakespeare, Bertolt Brecht, Fernando Arrabal, Luigi Pirandello, John Steinbeck, Nikolai Gogol, Jean-Paul Sartre, Ariano Suassuna e muitos outros.

Filho de imigrantes judeus originários da Bessarábia, atual Moldávia, ainda adolescente Germano Haiut participa de movimentos culturais dentro da comunidade judaica do Recife, como o Hashomer Hatzair - movimento juvenil sionista ligado ao Mapam, partido de esquerda em Israel. Exerce atividades empresariais, paralelamente à carreira de ator, o que o afasta dos palcos por vários períodos.

A realização do 1º Festival Nacional de Teatro de Estudantes, em 1958, no Teatro de Santa Isabel, no Recife, idealizado e coordenado por Paschoal Carlos Magno, desperta nos jovens da comunidade judaica o desejo de criar eles mesmos um grupo de teatro. Assim, nesse ano, surge o Teatro do Estudante Israelita de Pernambuco - TEIP, que tem entre a meia centena de seus fundadores Ismar Bancovsky, Benedito Cohen, Samuel Hulak e Eva Cohen. Para conduzir os destinos do novo grupo, é convidado o diretor Graça Mello, então professor do recém-criado curso de teatro - posteriormente Curso Superior de Formação de Ator da Escola de Belas Artes, da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE.

Como uma forma de "aquecimento", enquanto procura conhecer o grupo de atores que tem nas mãos, Graça Mello ensaia uma peça de sua autoria, O Condenado, com Haiut no elenco. Esse espetáculo inaugura o teleteatro da TV Jornal do Commercio, do Recife. Em seguida, o TEIP monta a peça Ratos e Homens, de Steinbeck, cuja estreia ocorre em novembro de 1958, no Teatro de Santa Isabel. Referindo-se particularmente ao desempenho de Germano Haiut, em sua primeira atuação, o crítico do Jornal do Commercio Valdemar de Oliveira escreve: "Creio firmemente que há, entre eles, valores positivos, como esse admirável Germano Haiut". Por esse trabalho, vivendo a personagem Lennie, recebe o prêmio de revelação de intérprete masculino, atribuído pela Associação dos Cronistas Teatrais de Pernambuco - ACTP.

Em julho de 1959, o TEIP, com Ratos e Homens, é convidado por Paschoal Carlos Magno a participar do 2º Festival Nacional de Teatro de Estudantes, realizado em Santos, São Paulo. Com um corpo de jurados em que se destacam nomes como os de Sábato Magaldi, Patrícia Galvão - Pagu, e Henriette Morineau, o festival atribui ao TEIP os prêmios de melhor espetáculo, melhor direção, melhor cenário, criado por Bernardo Dimenstein, e entre os melhores atores premia Germano Haiut e Samuel Hulak.

Em relação a esse espetáculo, Sábato Magaldi afirma: "Graça Mello obteve o prêmio de melhor diretor profissional do certame e a láurea sem dúvida se justifica. Encenou ele Ratos e Homens, de Steinbeck, com o Teatro do Estudante Israelita de Pernambuco. Julgado o melhor espetáculo do festival [...]. No texto norte-americano, louvamos o rendimento que soube tirar de um elenco novo, no qual se assinalaram Germano Haiut e Samuel Hulak, e o vigor que imprimiu à montagem".

Sempre pelo TEIP, com direção de Graça Mello, em 1960, Haiut atua na peça Meu Amigo Harvey, de Mary Chase. Com essa montagem, o grupo faz a abertura do 3º Festival Nacional de Teatro de Estudantes, realizado em Brasília, em janeiro de 1961. Na ocasião, o TEIP é convidado a apresentar seu espetáculo no primeiro teleteatro da TV Brasília.

Ainda em 1961, Germano Haiut tem sua primeira experiência de profissionalização, ao aceitar o convite de Hermilo Borba Filho para integrar o elenco do Teatro de Arena do Recife, em Farsa da Boa Preguiça, de Ariano Suassuna, com direção do próprio Hermilo Borba Filho, cenários e figurinos do artista plástico Francisco Brennand, e trilha musical do compositor Lourenço da Fonseca Barbosa - Capiba. No 4º Festival Nacional de Teatro de Estudantes, em 1962, em Porto Alegre, mais uma vez dirigido por Graça Mello, a atuação de Germano Haiut na peça Volta à Mocidade, de William Inge, ajuda o grupo a ganhar novamente os principais prêmios do festival.

Em 1963, o TEIP começa a enfrentar problemas comuns a muitos grupos de teatro amador: alguns dos atores são obrigados a trabalhar em outras atividades, outros entram na faculdade e têm horários incompatíveis com os ensaios. Nesse ano, Germano Haiut participa do último espetáculo do TEIP, Os Fuzis da Senhora Carrar, primeira montagem de Bertolt Brecht em Pernambuco, desta vez com direção de Samuel Hulak. Germano Haiut é convidado pelo diretor Milton Baccarelli para atuar na montagem de Macbeth, de Shakespeare, pelo Teatro de Amadores de Pernambuco - TAP, desempenhando o papel de Macduff, em 1964.

O Teatro Popular do Nordeste - TPN, fundado por Hermilo Borba Filho, convida Germano Haiut a integrar o elenco fixo do grupo, segunda experiência profissional do ator, que além de atuar assume a função de gestor econômico do TPN. Num casarão alugado na avenida Conde de Boa Vista, 1242, no Recife, em julho de 1966, Germano Haiut estreia pelo TPN na comédia de Gogol, O Inspetor, adaptação e direção de Hermilo Borba Filho. Em outubro, ele atua em O Cabo Fanfarrão, nordestinização do Milles Gloriosus, de Plauto, escrita por Hermilo Borba Filho, com direção de Rubens Teixeira.

Depois desses dois espetáculos, que o familiarizam com o gênero de atuação estética que caracteriza essa fase do TPN, isto é, uma interpretação inspirada nos brincantes nordestinos, Germano Haiut só volta a atuar em setembro de 1968, vivendo o Sancho Pança da peça Dom Quixote, de Antonio José da Silva, o Judeu, espetáculo dirigido por Hermilo Borba Filho.

Somente em 1975, no último espetáculo encenado pelo diretor Hermilo Borba Filho, Germano Haiut atua novamente pelo TPN, desta vez vivendo o Frei Roque em A Caseira e a Catarina, de Suassuna. É o protagonista da montagem de Galileu Galilei, de Brecht, com direção de Baccarelli, produzida pela Companhia Praxis Dramática - CPD em maio de 1978. No ano seguinte, volta a integrar o elenco do TAP, para fazer Jogos da Hora da Sesta, dirigido por Geninha Sá da Rosa Borges. Com direção de Rubem Rocha Filho, Germano Haiut participa, em 1981, do elenco de O Inspetor Vem Aí, adaptação da peça de Nikolai Gogol feita pelo próprio diretor do espetáculo. Em 1983, Germano Haiut volta aos palcos do Recife, na peça Patética, de João Ribeiro Chaves Neto, montada pela Remo Produções Artísticas, com direção de José Francisco Filho.

Germano Haiut atua ao lado de Geninha da Rosa Borges, em O Marido Domado, de Ariano Suassuna, espetáculo dirigido pela própria atriz, que participa do Festival de Teatro de Ruth Escobar em São Paulo, em 1984. No mesmo ano, Germano desempenha o papel do príncipe Maurício de Nassau em Batalha de Guararapes, texto e direção de José Pimentel, apresentado ao ar livre nos cenários históricos dos montes Guararapes. Entre 1984 e 1986, a montagem é produzida pela Sociedade Teatral de Fazenda Nova - STFN e, a partir de 2000, por outras entidades, sempre encenada no mesmo espaço, com Germano Haiut no papel do príncipe de Nassau.

Em outubro de 1985, Haiut faz o papel do Sr. Ponza em Assim É... (Se Lhe Parece), de Luigi Pirandello, com direção de Milton Baccarelli, produzida pela Remo Produções Artísticas e a Aquarius Produções Artísticas. Integra o elenco da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, interpretando o papel de Herodes, com direção de Carlos Reis e Lúcio Lombardi, em 2003 e 2005.

No cinema, Germano Haiut faz o papel do general Artichofsky, em Batalha dos Guararapes, do diretor Paulo Tiago, em 1978; participa do filme Parahyba Mulher Macho, da diretora Tizuka Yamazaki, em 1983; vive o papel de Ademar Albuquerque no premiado filme de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, O Baile Perfumado, em 1997; e em 2006, ganha destaque na imprensa nacional por sua interpretação de Sholomo, o zelador da sinagoga do bairro do Bom Retiro, no premiado filme O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, do diretor Cao Hamburger. O blog Espaço Lumière, especializado em cinema, na edição de outubro de 2007, referindo-se ao elenco de apoio do filme de Cao Hamburger, comenta: "O elenco detém modestas, porém notáveis interpretações de Simone Spoladore (uma das atrizes brasileiras mais subestimadas), Caio Blat e Germano Haiut".

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.