filmow.com/usuario/irisjovem/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > irisjovem
20 years (BRA)
Usuária desde Janeiro de 2014
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

【 • Iris Santos •20 • Brazil • Cosplayer】
【 • Movies • Books • Series • Animes 】
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
【Instagram:】http://instagram.com/irisjovem/
【Facebook Page:】 https://www.facebook.com/IrisJovem
【Youtube:】https://www.youtube.com/c/WhyIrisJovem
【WorldCosplay:】http://worldcosplay.net/member/283993
【Deviantart】http://irisjovem.deviantart.com/
【Flickr】http:[email protected]/

Últimas opiniões enviadas

  • Iris

    Com a oportunidade que o Site Omelete me deu, consegui comparecer a pré-estreia no Cinemark(Iguatemi), e ainda tive o prazer de poder ver pessoalmente o casal de atores principal (Rafael Cardoso e Leandra Leal). Antes de assistir o filme, eu já tinha certa curiosidade sobre ele, já que se tratava de um terror nacional - algo que é novidade para mim e para muitos outros-, e ao poder assisti-lo tive que admitir que o havia subestima-lo.

    O suspense do filme é trabalhado com sons. Logo de inicio você perceberá isso. Um trabalho simples e detalhado, usando os sons "naturais" das cenas (suspiros, conversas ao longe, pássaros, estalados de moveis, pés ao andar, etc.), e isso que manteve o ar de "terror" quando o filme começou a chegar ao ápice da revelação da historia.

    A primícia da trama é praticamente carregada por João (Rafael Cardoso). Um médico dedicado ao tentar ajudar os pacientes de um hospital que está sendo desativado, e tais pacientes, precisam ser realocados para outras unidades. De ultima hora, uma garotinha é internada em um dos leitos, e João promete que iria ajuda-la. E durante a retirada dos pacientes, o médico percebe que a garota havia sumido, sem ninguém notar. Ao achar a mochila da garota - que aparentemente ela nunca deixaria a mochila fora de vista-, João começa a tentar achar rastros de onde a menina pode ter ido parar. O desespero por achar a criança o começa a deixar obsessivo por isso, que se segue por todo o termino do primeiro ato, e todo o segundo.

    O filme ao mesmo tempo que lhe chama atenção, já que quem o assiste também tenta descobrir o que se passa na trama, se passa meio arrastado. A Garotinha que havia desaparecido, que começa a tomar pensamentos obsessivos e desesperados na mente de João, começa aparecer com aquele velho toque de "fantasma"; silêncio, seguido por gritos que chegam a ser exagerados; que são os furos do roteiro. Você já prevê de onde vem o susto, e o que te "assusta" é justamente o trabalho com os sons. A atriz Leandra Leal (que faz o papel de Leila, a esposa de João, que está gravida) fica sobressalente, um toque de tentativa de colocar um pouco mais de drama, um ato de nos identificar com os sentimentos de proteção do protagonista. Tal personagem (Leila), que no terceiro ato toma mais destaque, de uma hora pra outra, o que infelizmente fica um pouco apelativo. Mas finalmente depois, a personagem tem seu destaque merecido.

    Alguns pontos sem nó da historia começam a fazer sentido no inicio do terceiro ato, ainda sim, meio confusos, que só ligamos finalmente todos os pontos ao final do filme. Com ao mesmo tempo que há um toque de surpresa - ao depararmos que não esperávamos totalmente por aquilo-, há a mistura de um toque de decepção, pois apesar de tudo, você fica com um gostinho de : "podia ter sido ainda melhor". Porém, é um filme sem o famoso "final feliz", que é justamente o que faz o final valer a pena.

    E toda minha critica vai buraco a baixo quando tive a oportunidade de ver pessoalmente o Diretor do filme (Joao Caetano Feyer), que era praticamente a felicidade em pessoal com a animação que estava com a pré-estreia desse trabalho nos cinemas. Tanto antes quanto depois da apresentação do filme, ele continuava com um sorriso maravilhosos de empolgação, que me fez ver o quanto estava orgulhoso do esforço que houve na produção!

    Ao decorrer do filme, tentei ao máximo não ficar tentando compara-lo a outros filmes - como os clássicos americanos-, mas infelizmente sempre vem aquela velha comparação na cabeça, mas mesmo assim, o filme ainda é algo que realmente valha a pena assistir, por uma experiencia a mais no "currículo", e na admiração do trabalho cinematográfico dos cinemas brasileiros, tentando superar a visão simplória e subestimada que tanto tem em relação a filmes nacionais.

    • 3,5//5
    • Agradecimentos: Site Omelete & Cinemark Cinemas | & Henrique Cavalcante
    • 03/maio/2017 - Cinemark Iguatemi

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Iris

    Primeiramente, devo admitir que NUNCA tinha assistido esse filme na minha vida (nem ele, nem as continuações). Mas já tinha conhecimento desse desenho, e da historia (que no caso, é a Princesa Cisne).
    Hoje estava passando no canal da Disney, e eu não queria aceitar de jeito nenhum que esse filme era da Disney, tipo: "Gente, como assim?! Uma animação da Disney que eu não conheço/assisti?". Eu estava coma certeza absoluta que esse filme era de outra distribuidora. Minha mãe aguentou o filme todo eu falando isso; falando que esses gráficos não eram típicos da Disney para o ano (1994), apesar de parecer os traços do desenho do Corcunda de Notre Dame e da Pequena Sereia, dizendo que a Disney só podia ter comprado os direitos do filme pra passar. (sim, eu tava tendo um colapso com coisas "insignificantes". Realmente indignada.)

    Okay, assisti o filme para ver como era realmente...
    Me perdoem para quem acha esse filme MARAVILHOSO, mas achei ele muito "estereotipado" em alguns pontos que não vou abordar no momento. Tudo muito previsível (e não pelo fato de eu já conhecer a historia antes de assistir), mas, de certo modo a história flui de maneira divertida.
    Um exagero de musical, com as letras só baseadas no que estava acontecendo no momento, sem aquele toque mais "sentimental". (Não estou sabendo explicar sobre essa questão...).
    Tem personagens simpáticos, mas aquele Príncipe Derek não me "descia". Foi o único personagem que achei de fato meio "exagerado. E não achei que teve de fato uma "aventura" boa ao decorrer do filme, principalmente em relação ao final, quando estava no ápice da historia.

    Talvez meu desanimo seja porque esperava mais de um filme que já ouvi tantos falarem, e que fez parte da infância de muitos.

    E não, não é só porque estou acostumada a assistir animações da Disney e Dreamworks que significa que vou me desfazer de uma animação feita em alguma outra distribuidora independente "menos" conhecida. Assim como essa não me agradou ao todo, algumas animações dessas citadas também me dão o mesmo sentimento! Ainda mais eu, que sou uma criançona, que adora assistir um bom desenho de manhã aos fins de semana!

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Iris

    Vejamos, por onde começo... Foi fantástico!

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Admito: Esperava que iria ter uma daquelas batalhas com varias varias pessoas envolvidas de ambos os lados. Uma armada pronta para defender seu reino. Mas não teve. Não exatamente assim.
    O filme me fez ter uma nova perspectiva sobre as vilãs dos contos de fadas e princesas que tanto conhecemos.
    Malévola, que nos desenhos e historias que ouvimos desde crianças sempre nos leva a crer que ELA é a vilã de tudo. Apenas mais uma pessoa que quer o mal das outras. Mas neste filme, mostra COMO uma pessoa se leva a ser a vilã, ou QUEM é o verdadeiro vilão da historia. Malévola, que ao principio era uma simples fada com incríveis poderes, amada pelas outras criaturas magicas, uma pessoa que acreditava no amor verdadeiro, foi traída por quem menos esperava, e pelo trauma, acreditou que tal sentimento nunca existira de verdade.
    Após descobrir por quem, e o motivo de suas asas serem arrancadas o um ódio profundo em si foi liberado, por causa de um homem em busca de um reinado, um homem ganancioso, homem que Malévola amou. Com a irá,e em busca de vingança, ela liberou uma maldição sobre a filha recém-nascida do novo rei. A maldição que já conhecemos: "Quando Aurora chegasse aos 16 anos, iria espetar o dedo em um fuso, e cairia em um sono profundo." E como uma ironia no meio da historia, a maldição só poderia ser quebrada por um "beijo de amor verdadeiro."
    Enquanto Aurora crescia sobe os cuidados das três fadas, Malévola a observava de longe. E de certo modo, cuidava da garota mais que as próprias três que deviam. Com o tempo, mesmo não querendo admitir, aprendeu a apreciar a beleza e a alegria da menina, que por um lado lembrava muito a si mesma.
    Quando percebeu que a maldição que lançara sobre ela na verdade foi um grande erro, já era tarde demais. Queria ajuda-la, mas não sabia como.
    É quando percebemos que um ato de amor verdadeiro não é só aqueles beijos entre o casal principal que sempre vemos e ouvimos nas historias. Afinal, o beijo de amor verdadeiro não vei do príncipe, que todos esperamos que fosse a pessoa escolhida para acordar Aurora; mas sim, veio da própria "vilã", que com tempo que passou com Aurora, descobriu que nem todo o amor que tinha em seu coração havia sumido.
    Só vendo a historia por esse ponto de vida percebemos quem é o verdadeiro vilão. A pessoa que "passou" a maldição, ou a pessoa que "levou essa tal pessoa" a lançar tal desgraça?!
    Como diz uma frase de um outro filme: "Ou você morre herói, ou vive o suficiente para virar o vilão!"; Eu digo: "Ou você é o vilão, ou te transformam nele!".

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Nenhum recado para Iris.