Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > davifl
18 years (BRA)
Usuário desde Abril de 2013
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Cinéfilo e crítico bem amador por enquanto. Fã de Star Wars e de bons filmes. Cinema é um dos melhores lugares que já criaram, com certeza. :-) @davispielberg_lima (instagram de cinema)

1-inaceitável
2-péssimo
3-ruim
4-insatisfatório
5-suportável
6-razoável
7-bom
8-ótimo
9-excelente
10-incrível
Classificação de filmes, é difícil, mas a gente tenta, porque "Elas adoram números." (Pequeno Príncipe) e é um bom resumo apesar de tudo. Às vezes é divertido, além de comentar filmes que vejo no cinema.

Últimas opiniões enviadas

  • Davi Fonteles

    O ambiente frio e o isolamento das montanhas é um ambiente perfeito para unir pessoas em situações adversas. Quando você coloca dois atores, realmente bons nesse tipo de história e usa locações determinantes na qualidade da narrativa, tudo que falta é criar um elo para junto com o argumento convincente formar um filme que seja no mínimo reflexivo. Que pena que o elo não existe.

    Mas falemos primeiro das coisas boas. Os atores são os mais esforçados para seguir um roteiro tão pobre. Apesar de Idris Elba sofrer um pouco, percebe-se a incupabilidade dele. Kate Winslet consegue fugir do aparente incômodo, mas também seu papel é um pouco mais se comparado ao de Elba, quando a história tenta mostrar um racional médico neurocirurgião, que com uma metáfora óbvia, mesmo não ruim, não se preocupa com frivolidades humanas, que a personagem da Kate se preocupa. Como jornalista está mais apegada aos acontecimentos e seus percalços, buscando sempre dramatizar a situação. E não para por aí. O diretor Hany Abu-Assad exercita mais metáforas simples como o fogo representar a união sexual, e o uso da câmera fotográfica para imortalizar o momento. E por último, a filmografia é excelente, dilatando bem o significado, também metafórico, do ambiente para os personagens.

    Além disso, os problemas não faltam. Apesar da edição bem eficiente, pois segundo o editor Lee Percy muitas horas foram gravadas e seu trabalho foi rápido, até mesmo individual por liberdade da direção, não passam despercebidos cortes bruscos que emulam passagem de tempo em uma simples caminhada e não consegue trazer fluidez simples. Os diálogos além de clichês são as vezes sem noção, de forma inesperada. O que na verdade é um grande problema do filme tentar romantizar e tornar realista ao mesmo tempo, sem conexão entre o perigo da montanha tantas vezes mostrada e situações absurdas que poucas vezes soam convicente para maioria do público.

    Então, diante da mistura de gêneros do cinema, de sobrevivência e de romance, a ideia é interessante, ligar tais gêneros usando metáforas naturais para expor sentimentos poucos prováveis de serem demonstrados em situações comuns. Mas sem criar o elo suficiente, nem mesmo uma sacada de roteiro de usar o deconhecido conhecimento entre o casal para formatar a trama de autoconhecimento dos dois adiantará de nada sem um convecimento suficiente que essa história deva ser contada. E antes de mais nada, o final é satisfatório e a trilha mais ainda...por isso é melhor que Passageiros, diante do equilíbrio de erros e acertos durantes 3 atos.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Davi Fonteles

    É a completa falta de peso, a completa falta de senso da história que não se justifica, misturado com Shane Black, que é muito bom, e com o jeito Marvel Studios, além de alguma coisa do Jon Fraveau...que implodiu o filme. Vilão péssimo...mas calma...

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Guy Pearce...não Ben Kingsley, pois este está maravilhoso, e não é o problema dele não ser o Mandarin, e sim Guy Pearce ser o grande vilão da forma que foi.

    (Esse foi um daqueles filmes da Marvel que tiveram problemas de produção, mas eles não desistem, que leva a um final ruim por uma característica de planejamento muito boa.)

    Ainda para mim é o filme que menos gosto da Marvel, e talvez o pior, pau a pau com Thor 1, tem cenas ótimas de ação, talvez as melhores usando a armadura. E claro, tem uma abordagem do Tony interessante, mais humano, mais ágil, e enfim, é Robert sendo o bom Robert. E mais, o double-cop com Don Cheadle alá Maquina Mortífera é bem interessante, só pouco explorado. Os efeitos estão melhores, a diversão com as armaduras é mais divertida ainda, e a trilha sonora do Brian Tyler é no mínimo empolgante, descompromissada, assim como o filme.

    Detalhe, qualquer drama aqui é até inicialmente bem feito, mas em maioria a finalização é apressada e bem estranha. O final do filme mostra uma certa liberdade de Shane Black, mas de nada adianta isso, um final diferentão se autonomia só serve para fazer um encerramento casual. Bem diferente de Thor Ragnarok, que usa autonomia para dá qualidade ao filme, embora traga falhas também, mas são falhas em prol de tentar algo bem melhor, algo que é realmente bom no filme, que é a comédia. E Iron Man 3 vemos uma tentativa de ajuste com um autorismo do diretor, criando um filme desperdiçado que vai ser resgatado mais tarde por Civil War...

    (Se analisarmos bem o filme ainda serve para alguma coisa). "Espero proteger a única coisa sem a qual não posso viver" - Tony Stark

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Pedro Douglas
    Pedro Douglas

    Se continuarem contando a historia em arcos igual a ultima, deve funcionar.
    Inumanos eu vou fingir que nem faz parte do MCU...
    Acha que vai ter alguma ligação com Guerra Infinita? Eu deduzi isso por estarem no espaço e tal, vai ser uma puta sacada

  • Davi Fonteles
    Davi Fonteles

    O Matador, Wind River também ganharão crítica, mas Loucos por Nada só ganhará um comentário.

  • Pedro Douglas
    Pedro Douglas

    Saiu o trailer da quinta temporada de Agents of Shield...