Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/eliasfdourado/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > eliasfdourado
22 years (BRA)
Usuário desde Dezembro de 2010
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Um de meus sonetos:

Outono

No outono dos corpos:
As sensações declinam
Os amores já findam
E florescem os temores!

Os casais serão sábios
Quando forem como as árvores:
Que convivem lado a lado
Em silêncio profundo!

A união é um acaso:
Uma linha tênue que separa
A identidade do ocaso!

O amor só é real
Quando a dor irreal
Já não ama o coração!

(Elias Dourado)
----

Adoro música clássica, também pelo fato de que toco e estudo violino(Eugene Ysaye que o diga). Adoro pérolas do cinema mundial e uma boa literatura como James Joyce, Dino Buzzati, Jorge Luis Borges, Erich Maria Remarque, Thomas Mann, Stendhal, Velimir Khlebnikov e etc.

---

Filmes que cadastrei:
Nosso Barco, Nossa Alma - http://filmow.com/nosso-barco-nossa-alma-t74871/
Duel to the death - http://filmow.com/duel-to-the-death-t74923/
Atentát - http://filmow.com/atentat-t121220/
Klabautermannen - http://filmow.com/klabautermannen-t121222/
Hør, var der ikke en som lo? - http://filmow.com/hor-var-der-ikke-en-som-lo-t121223/
Arsena Jorjiashvili - http://filmow.com/arsena-jorjiashvili-t121224/
Hipoteza - http://filmow.com/hipoteza-t121225/
Zaliczenie - http://filmow.com/zaliczenie-t121226/
Zaveshchaniye professora Douelya - http://filmow.com/zaveshchaniye-professora-douelya-t121230/
Otroki vo vselennoy - http://filmow.com/otroki-vo-vselennoy-t121228/
Moskva-Kassiopeya - http://filmow.com/moskva-kassiopeya-t121227/
Palac - http://filmow.com/palac-t121229/
Siekierezada - http://filmow.com/siekierezada-t121256/

--

Diretores que cadastrei:
Leonid Menaker - http://filmow.com/leonid-menaker-a387102/
Tadeusz Junak - http://filmow.com/tadeusz-junak-a387101/
Jirí Sequens - http://filmow.com/jiri-sequens-a387094/

--

Para quem tem MakingOff, minhas 59 traduções:
http://makingoff.org/forum/index.php?showuser=68437

Últimas opiniões enviadas

  • Elias Dourado

    Gábor Bódy é um dos principais nomes do cinema húngaro. Traduzir seus três principais filmes não foi uma tarefa fácil. Foram quase exatas 4000 entradas, e não quaisquer, algumas bem complicadas de se traduzir. É com muito prazer que trago a síntese de sua obra pela primeira vez no Brasil, ao menos no mundo virtual. Bódy morreu com apenas 39 anos e erigiu películas colossais.

    Comecei seu trabalho pelo monumental Narciso e Psique, que filme espetacular! Mais de 4 horas, legendas difíceis... sensacional. Tendo em visto o seu teor mítico, Narciso nos evoca tudo aquilo que é corpóreo, uma estética do corpo. Psique, como no mito de Eros, representa a alma, suas paixões e conflitos. Os dois tentam se enlaçar cada vez mais, a independência dos dois, porém, se sobressai, de modo que o toque e a relação são falhas, mas não o espelhamento. Os dois invertem os papéis, o corpo quer conhecer a alma e vice-versa, isso sem a necessidade de uma união.

    Os sofrimentos de Psique envolvem a carne, o sexo, a violação – o sangue não aprisiona a alma, mas a liberta, mostra ao impalpável o vociferar de um prazer oculto, a sensação de estar aí, no mundo. Narciso, ao contrário, busca o transcendental, um horizonte capaz de fixar seus escritos, um mundo onde as nuvens sejam seus quadros, contemplados por todos os mortais.

    Narciso é essencialmente espelho, como no mito. Para Lacan, em sua teoria do imaginário, é precisamente o narcisismo o movimento primeiro para a constituição de um “eu”, aquele contemplar de si mesmo dentro da mente e diante do espelho. Aquela imagem refletida mostra a si a presença ontológica, uma estrutura vivente, espécie de “eu ideal”. Seu corpo se dissolve pelo mundo, em imagens, fragmentos aos olhos dos outros. A alteridade revela o “eu real”, aquele que é presentificado. Psique é aquela que tudo aguenta, a alma. Vaga por entre o silêncio e a balbúrdia à procura de repouso. Sozinha, a alma não tem protagonismo, é mera luz obliterada pelos temerosos cantos escuros. Frente aos outros, porém, consegue acumular os vislumbres da existência, os desejos do corpo.

    Tomemos como exemplo Descartes e Hobbes. O primeiro assume um dualismo entre corpo e alma, o segundo um monismo corpóreo. É mister lembrarmos que, a partir de Descartes, a noção de uma pessoa “psicológica” recebe estatuto ontológico, posto que o “eu” indaga a sua própria existência e a conclui como dado claro e distinto. Em Hobbes, tudo é corpo, mesmo a imagem do “corpo” de Deus, as paixões se explicam através do movimento, assim como o próprio pensar. A constituição de seu pensamento se dá na física.

    Narciso e Psique vivem nessa realidade hobbesiana, indo até os limites do corpo com o objetivo de encontrar um ideal estético. Para Psique, a beleza de seus poemas está no concreto, no erótico, na capacidade de fazer o leitor sentir que se deita com ela. Para Narciso, o belo é abstrato, o etéreo, a metáfora. Um tem ao outro dentro de si, e por isso mesmo não se misturam, a alma está em Narciso e o corpo em Psique, há uma certa completude egoísta, em especial na monomania de Narciso, preocupado somente com os seus escritos. Quanto mais Psique se aproxima, tanto mais o espelho torna distante, o oposto ocorre. É preciso pô-lo em esquecimento para que este reflita outra imagem, pois esquecer é fadar o imaginário à morte.

    Para o antropólogo Gilbert Durand, o imaginário se forma com a consciência da morte. A humanidade cria imagens, símbolos, arquétipos, mitos, tudo isso como tentativa de reverter a morte. Heidegger dizia: “a possibilidade da impossibilidade”. Esse impossível nos chama ao “cuidado”, ao querer cuidar, comunicar. Essa comunicação forma o imaginário, formas de linguagem que dizem o outro, alegoria. Agoreuein é justamente “dizer o outro”, e esse “outro” é comunicado aos outros. Tudo se põe em relação de alteridade.

    Além das situações metafísicas, essa obra-prima de Gábor Bódy também se mostra feminista, pondo Psique em sua plena liberdade intelectual e sexual. O sexo, como a guerra, só funciona com uma previsão de paz. O orgasmo revela essa abertura ao mundo, uma declaração de tempos mais tranquilos. Se não funciona, a guerra surge posteriormente, nas tensões sobre aquilo que é ausente.

    Achei interessante o fato de haver vários narradores. Parece que um não fica contente com o outro e faz questão de reafirmá-lo. Isso me pareceu uma forma de reforçar os diferentes estados do corpo e da alma, eles não são tão simples para um único narrador, não há onisciência por parte de quem narra. Como o filme se divide em três partes, classifiquei cada uma delas da seguinte maneira: alma poética, alma política e alma errante. Tendo em vista que Psique é a personagem principal, e não Narciso, cada capítulo pode ser assim categorizado. Na primeira parte, temos o amor pela poesia, a ânsia da alma em tudo ver, tudo experimentar. Esse desejo acaba desencadeando na política, reino dos outros, e é neles que de tudo se experiencia. Já a terceira parte reflete essa errância, as viagens terminais da alma por aquilo que acha mais necessário.

    Há uma clara destruição do poético pelo político, a peça de Narciso é destruída pelo símbolo do pilar grego em ruína. Narciso e Psique se unem na morte, o corpo e a alma, ambos vão embora, a união se dá na impossibilidade. É interessante sabermos um pouco sobre Sándor Weöres, o autor do livro. Seus poemas receberam adaptações musicais por Zoltán Kodály e Ligeti, o que mostra a sua relevância no cenário. O filme é uma verdadeira obra de arte, visual e filosófica. Está no panteão dos grandes filmes húngaros, ao lado de obras como as de Miklós Jancsó e Béla Tarr. Não deixem de ver esse filmaço!

    Minha tradução disponível em: makingoff.org

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Elias Dourado

    “Não há nada para escrever. Tudo o que você precisa fazer é se sentar em frente de sua máquina de escrever e sangrar” – Ernest Hemingway.

    Quando a protagonista recebe o manuscrito de seu ex-marido, que até então ela acreditava ser um escritor que não iria para frente, ela é fisgada já nas primeiras linhas, e assim vai até o final do livro. Se antes ela achava que o ex-marido era fraco, o livro é como se fosse a confirmação do contrário. É criativo e forte. Em uma das cenas, a personagem principal (Amy Adams), diz que o ex a chamava de “Animal Noturno”, e o livro tem o título “Animais Noturnos”. Possivelmente, os animais noturnos, que são retratados como assassinos e estupradores, são a analogia daquilo que o personagem de Jake Gyllenhaal sentiu ao perder a mulher para um outro homem, dado que ele constata sob a chuva, vendo os dois em um carro. Há uma cena em que Susan (Amy Adams), diz que se arrependeria de abortar o filho de Tony (Gyllenhaal), e é justamente o momento que Tony os flagra juntos. A filha parece não ter sido abortada, vemos o momento em que Susan liga para ela, mas ela não tem conhecimento de que Tony é seu pai, assim como a figura do policial Bobby, que diz não ter esposa, mas tem uma filha que nem sabe de sua existência. Não sabendo desse fato, Tony possivelmente escreveu o livro como uma metáfora, onde sua filha foi morta e também sua mulher – a família morta é a família que Tony perdeu ao se separar da inconstante esposa.

    O resto no site: https://eliasdourado.com/animais-noturnos-2016-globo-de-o...

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Elias Dourado

    Em uma cidade fria, de paisagens ermas e distantes, as relações sociais seguem rumo semelhante, ríspidas e diretas, atravessam os ouvidos como o mais profundo frio. É curioso perceber como todo contraste é construído no ápice do filme, quando vemos a casa do personagem principal em chamas, momento com tons de laranja e vermelho, opõem-se diretamente ao clima central do filme, que é sumamente de tonalidade branca, gelada. São justamente as chamas de um passado distante que movem o problemático protagonista, desmotivado e provavelmente depressivo. O fogo interno que o desloca é o contraste maior da cidade natal que o consome no grosso gelo de memórias indesejáveis. "Manchester à Beira-Mar" é, substancialmente, um filme sobre a memória e a batalha que travamos contra as lembranças mais desconfortáveis.

    O resto no site: https://eliasdourado.com/manchester-beira-mar-2016-globo-...

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Filmow
    Filmow

    O Oscar 2017 está logo aí e teremos o nosso tradicional BOLÃO DO OSCAR FILMOW!

    Serão 3 vencedores no Bolão com prêmios da loja Chico Rei para os três participantes que mais acertarem nas categorias da premiação. (O 1º lugar vai ganhar um kit da Chico Rei com 01 camiseta + 01 caneca + 01 almofada; o 2º lugar 01 camiseta da Chico Rei; e o 3º lugar 01 almofada da Chico Rei.)

    Vem participar da brincadeira com a gente, acesse https://filmow.com/bolao-do-oscar/ para votar.
    Boa sorte! :)

    * Lembrando que faremos uma transmissão ao vivo via Facebook e Youtube da Casa Filmow na noite da cerimônia, dia 26 de fevereiro. Confirme presença no evento https://www.facebook.com/events/250416102068445/

  • Fernando A.
    Fernando A.

    MURO REMENDADO

    Alguma coisa existe que não aprecia o muro,
    Que enfia bojos de terra gelada por baixo,
    E derrama as pedras superiores ao sol,
    E faz buracos onde até dois podem passar abraçados.
    O trabalho dos caçadores é outra coisa:
    Eu cheguei depois deles e fiz a reparação
    Onde não deixaram pedra sobre pedra,
    Mas conseguiram pôr a lebre fora do esconderijo,
    Para deleitar cães latidores. As brechas, quero dizer,
    Ninguém as viu fazer ou as ouviu fazer,
    Mas na época primaveril dos arranjos encontramo-as lá,
    faço o meu vizinho saber para lá da colina;
    E um dia encontramo-nos para percorrer a linha
    E assentarmos o muro outra vez entre nós.
    Mantemos o muro entre nós enquanto avançamos.
    A cada um as pedras que caíram para cada um.
    E algumas são formas e outras são tão como bolas
    Que temos de usar um feitiço para as equilibrar:
    "Fica onde estás até voltarmos as costas!"
    Ficamos com os dedos ásperos de as manipular.
    Oh, somente outro género de jogo ao ar livre,
    Um de cada lado. Mas vai mais longe:
    Aí onde se encontra, nós não precisamos de muro:
    Ele é todo pinheiros e eu sou um pomar de maçãs.
    As minhas macieiras nunca atravessarão
    Para comer os cones sob os seus pinheiros, digo-lhe eu.
    Ele só me diz, "Boas cercas fazem bons vizinhos."
    A primavera instiga-me e pergunto-me
    Se lhe posso despertar a razão:
    "Porque razão fazem bons vizinhos? Isso não é
    Onde existem vacas? Mas aqui não há vacas.
    Antes de construir um muro eu inquiriria para saber
    O que estaria a incluir ou a excluir,
    E a quem era suposto ofender.
    Alguma coisa existe que não aprecia o muro,
    Que o quer no chão”. Poderia dizer-lhe "duendes",
    Mas não são duendes exactamente, e eu prefiro
    Que ele o diga a si próprio. Vejo-o por ali,
    A agarrar uma pedra com firmeza pelo topo
    Em cada mão, como um antigo selvagem armado de pedras.
    Move-se na escuridão e parece-me,
    Não apenas a das florestas e a da sombra das árvores.
    Ele não irá atrás do dito de seu pai,
    Gosta de ter pensado naquilo tão bem
    E diz novamente, "Boas cercas fazem bons vizinhos."

    +Poema de Robert Frost.

  • Vitor Inácio
    Vitor Inácio

    Adorei Interlúdio, apesar de achar um dos mais fracos do Hitchcock. No silêncio da noite é excelente, e Os corruptos é simplesmente foda.