Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

    Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Vera-Ellen
10Número de Fãs

Nascimento: 16 de Fevereiro de 1921 (60 years)

Falecimento: 30 de Agosto de 1981

Norwood, Ohio - Estados Unidos da América

Vera Ellen (nascida Vera Ellen Westmeyer Rohe) (16 de fevereiro de 1921 - 30 de agosto de 1981) foi atriz americana e bailarina/dançarina de peças na Broadway e de filmes em Hollywood, tendo contracenado com Ray Bolger, Fred Astaire, Gene Kelly, Donald O'Connor e John Brascia.

Vera Ellen hifenizou o nome durante um espetáculo na Broadway e assim é que foi para Hollywood, como Vera-Ellen. Trabalhou muito, trabalhou duro. Um pouco do que fez e do que podia fazer temos registrado em fotos e nos poucos filmes (quatorze) de que participou. Foi uma “sereia da tela”, mas nunca viveu a carne e sim o corpo.

Casada e divorciada duas vezes, teve uma filha do segundo casamento, Victoria Ellen, que faleceu, aos três meses de vida, vítima da Síndrome da Morte Súbita Infantil. Foi o choque de sua vida.

Em meados dos anos 1970, após escorregar e fraturar o quadril, o exame de raio X revelou que tinha artrite. Padeceu dores horríveis. Mas sempre foi muito positiva quanto a isso: “Você não pode esperar fazer coisas árduas com o corpo, como eu fiz, ano após ano, sem ter qualquer desgaste ou [derramar] lágrimas. Até uma máquina se acaba”.

Até bem pouco antes de morrer, vítima de um câncer, fez “aulas” com Michael Panaieff. “Venho aqui [ao estúdio de Panaieff] diariamente, dançar é parte da minha vida. É bom para mim física e mentalmente e tudo mais.”

Foi e é considerada ainda por muitos a melhor e mais técnica bailarina/dançarina da época de ouro do cinema americano.

Sua vida foi um ar de dança, sempre:

"Quando você estuda dança, você descobre que tem músculos e tendões de que você nunca teve consciência. Você se dá conta imediatamente de seu corpo e de que coisa bonita ele pode ser se você lhe der a devida atenção. Por exemplo: caminhar parece ser uma arte extremamente simples, de que qualquer um pode ser mestre com extrema facilidade. Isto é verdade até certo ponto. Nem todo caminhar é igual. Você pode passear rua abaixo como um preguiçoso, com um pé se arrastando logo após o outro, ou você pode fazer disso uma grande aventura, movimentando sua perna e balançando o seu corpo como se estivesse executando um tipo de passo de dança só seu, indicador da natureza da pessoa. A dança traz para fora o melhor numa pessoa porque ajuda a desenvolver um corpo sadio."