Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

    Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Alessandra Negrini

Alessandra Negrini

Nomes Alternativos: Alessandra Vidal de Negreiros Negrini

660Número de Fãs

Nascimento: 29 de Agosto de 1970 (48 years)

São Paulo, São Paulo - Brasil

Filha do engenheiro Luiz Eduardo Osório Negrini, e da pedagoga Neusa Vidal de Negreiros, que é descendente de André Vidal de Negreiros. Alessandra passou a infância e a adolescência em Santos. Aos 18 anos se matriculou num curso de teatro, e nessa época, foi chamada para fazer testes na Rede Globo.

Sua estreia na TV foi na telenovela Olho no Olho, de Antônio Calmon, e no ano seguinte, participou do elenco de Cara e Coroa, do mesmo autor, ambas como coadjuvante.

Em 1995, fez grande sucesso ao protagonizar a minissérie Engraçadinha: Seus Amores e Seus Pecados, baseada na obra de Nélson Rodrigues.

Em 1997 viveu sua primeira vilã, no remake de Anjo Mau, adaptação de Maria Adelaide Amaral. Depois, em 1998, interpretou sua primeira protagonista de novelas, em Meu Bem Querer, de Ricardo Linhares.

Em 2000, deu vida a Isabel Olinto da elogiada minissérie A Muralha, uma homenagem aos 500 anos do Brasil. Por conta do apelo sensual de sua personagem na minissérie, estampou a capa da edição brasileira da revista Playboy de abril daquele ano. O fato de ter interpretado uma prostituta nas páginas da revista, piorou a situação da atriz perante a Justiça no processo que respondia por ter levado o filho Antônio, então com três anos, a ver um filme impróprio para a idade, A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, no cinema Leblon, em 3 de fevereiro de 2000.

Em 2002, colheu muitos elogios pela vilã Selma, da novela Desejos de Mulher, de Euclydes Marinho. Em 2003, fez uma participação na telenovela Celebridade, de Gilberto Braga, e na série infantil Sítio do Picapau Amarelo.

Em 2006, participou, como a socialite carioca Yedda Schidmt, da minissérie JK, que conta a trajetória de Juscelino Kubitschek.

Além da televisão, Alessandra, também possui uma carreira sólida tanto no teatro quanto no cinema, já tendo feito nove filmes, como O Que É Isso, Companheiro?, Sexo, Amor e Traição e Os Desafinados. No teatro, participou das peças Os Credores e A Gaivota, na qual viajou para a Europa, Canadá e Japão.

Em 2007, protagonizou a novela Paraíso Tropical, de Gilberto Braga. Na trama, a atriz interpretou as irmãs gêmeas Paula e Taís, tendo obtido muito sucesso. No mesmo ano, estreou o longa Cleópatra, de Julio Bressane, pelo qual ganhou o prêmio de melhor atriz do Festival de Brasília.

Em 2008, atuou em mais dois filmes: A Erva do Rato, de Júlio Bressane e No Retrovisor de Mauro Mendonça Filho. Ainda fez uma participação no humorístico Casseta & Planeta, Urgente! fazendo três papéis, além dela mesma: a vilã de Paraíso Tropical, Taís, sua suposta irmã gêmea cantora de funk, Alessandra Melancini e sua ancestral Alessandra Afrodescendentini.

Negrini, que estava afastada das novelas desde 2007, quando fez as gêmeas Paula e Taís na novela Paraíso Tropical, volta à televisão, em 2010, para participar dos seriados S.O.S. Emergência10 e As Cariocas.

Em 2011, Negrini retorna aos palcos ao lado de Karin Rodrigues, para encenar a peça A Senhora de Dubuque, um texto de Edward Albee. E esteve nos filmes O Abismo Prateado e TokyoShow.

Em 2012, participou da nova versão da peça A Propósito de Senhorita Júlia, a história se passa no Brasil no início do século XXI. No mesmo ano retorna as novelas na segunda fase de Lado a Lado, interpretando a cantora de ópera Catarina Ribeiro.

Filhos: Betina Ferreira, Antônio Benício
Cônjuge: Otto (de 2002 a 2008), Murilo Benício (de 1998 a 1999)
Pais: Luiz Eduardo Osório Negrini, Neusa Vidal de Negreiros