O Salário da Morte

1971

O Salário da Morte

Média geral 2.5
baseado em 3 votos
Sua avaliação:
salvando
70 minutos

"Em uma cidade do sertão nordestino, o chefe político é assassinado por um pistoleiro profissional. A partir daí, a cidade passa a viver o clima do acontecimento. O assassino, acobertado por gente importante, é escondido na casa de uma família humilde. O tempo passa e o pistoleiro deixa o seu esconderijo, sendo morto logo depois. Também a família que escondeu o criminoso é toda ela dizimada, assim como o juiz que vinha realizando o inquérito do assassinato do chefe político.
"O pistoleiro assalariado descende diretamente do capanga e hoje, isoladamente ou filiado ao Sindicato do Crime, continua servilmente a trabalhar para os remanescentes dos coronéis da roça, executando friamente as vítimas indicadas, num atestado evidente de que, se o Nordeste de hoje enfrenta uma radical mudança de costumes, determinada pelo asfalto e pelos mais modernos meios de comunicação, conserva ainda ranços do pior subdesenvolvimento.
O Salário da Morte é o filme que, numa linguagem enxuta e realista, enfoca o drama de uma família pobre que se torna vítima de elementos ligados ao Sindicato do Crime. Joaquim Pedro, seu chefe, é o primeiro a sofrer a pressão exercida por Vicente Pitanga - mandão do Sindicato da cidade - no momento em que se vê forçado a acoitar em sua própria casa um pistoleiro que assassinara em plena rua o Sr. Chico Gregório, chefe da facção política contrária à de Vicente Pitanga.
Gedeão, o filho mais novo de Joaquim Pedro, esboça uma reação que fica mais na vontade de agir do que na ação desenvolvida.
Dona Severina, pressente - sob todos os ângulos - o perigo que paira sobre sua família. Primeiro sente o risco de acoitar o pistoleiro, no momento em que, não só a polícia local o procura como também um juiz, vindo da capital para instaurar inquérito em torno do crime, exerce constante pesquisa na tentativa de elucidação do homicídio. Depois, porque, tendo uma filha de exuberante vivacidade e beleza (Joaninha), com apenas 17 anos, imagina o que representa a presença do estranho, cujos atributos morais são os piores possíveis.
O drama evolui, o juiz visitante é também assassinado.
Joaninha, numa mais densa opressão do poder econômico, deixa-se levar pela sedução de Gentil, filho de Vicente Pitanga.
O pistoleiro dá mostras de inquietação e, pouco a pouco, envolve-se num processo de lento desespero em face do prolongado recolhimento.
Vicente Pitanga preocupa-se com o estado de espírito do pistoleiro e, temendo que ele venha a 'falar demais', procede à chamada 'limpeza de arquivo', que nada mais é que a eliminação de elementos que, por qualquer motivo, possam vir a denunciar os autores intelectuais dos crimes que executa.
Joaquim Pedro e Gedeão são presos para prestação de esclarecimentos sobre o pistoleiro, que é encontrado morto nas imediações de sua casa.
O Sindicato volta a agir e assassina-os na cadeia.
Dona Severina via na chegada de Joel, seu filho mais velho que, na profissão de motorista, andava pelo mundo, a redenção para todos aqueles males. Mas este chega e, na qualidade de herói individual, nada pode fazer contra a hospitalidade do mundo que o cerca.
Durante todo o desenrolar da tragédia sente-se a presença do Sindicato do Crime, como uma entidade invisível, a distribuir pavor entre a população. Ele é, na verdade, o principal ator do filme". (extraída de WL/DCP, conforme escrita por seus realizadores)"
Extraído do site da cinemateca brasileira.

Estreia Brasil:
1971
Outras datas

Elenco de O Salário da Morte

Denunciar algo errado
Trailers
  • Nenhum trailer cadastrado.
Fotos
  • Nenhuma foto cadastrada.

Comentar: