Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > marcoglnd
25 years, João Pessoa (BRA)
Usuário desde Abril de 2010
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Gosto de filmes chatos.
----
Marion Cotillard em "Piaf: Um Hino ao Amor"
Björk em "Dançando no Escuro"
Isabelle Adjani em "Possessão"
Harriet Andersson em "Gritos e Sussurros"
Isabelle Huppert em "A Professora de Piano
-
Heath Ledger em "Batman: O Cavaleiro das Trevas"
Daniel Day-Lewis em "Sangue Negro"
Malcolm McDowell em "Laranja Mecânica"
Christoph Waltz em "Bastardos Inglórios"
Choi Min-sik em "Oldboy"
----
Twitter: http://twitter.com/#!/marcoglnd
Facebook: http://www.facebook.com/marcoglnd
Last.fm: http://www.lastfm.com.br/user/bubblegunshot
Tumblr: http://keskiyo.tumblr.com/

Últimas opiniões enviadas

  • Marco Antônio

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Não me agrada muito o formato de melodrama, especialmente vindo do Todd Haynes, que eu sei ser capaz de coisas bem mais inventivas. Mas, escolhas à parte, ainda é um filme válido por suas críticas ao moralismo gritante na suposta "terra da liberdade", além de fugir do clichê de filme lésbico com final triste.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Marco Antônio

    Se existe algo de bom nesse filme é fomentar a discussão em torno dos direitos humanos, discussão essa importantíssima nos dias de hoje. É interessante notar como as coisas realmente funcionam no suposto país da liberdade e da justiça e o quanto isso se reflete na nossa própria realidade. Porque a história de Abel não é muito distante da situação de diversas pessoas por aqui que por vezes são condenadas, linchadas e até mortas sem sequer receber o devido julgamento que lhes é de direito.
    No mais é outro filme enlatado e sentimentalóide de propaganda estadunidense, com aquele velho maniqueísmo da guerra fria: bem vs mal, capitalismo vs comunismo e etc.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Marco Antônio

    Confesso que fiquei um pouco decepcionado com "O Peso do Silêncio", mas acho que por ter nutrido muita expectativa graças a "O Ato de Matar". Apesar da escolha por focar em um drama familiar específico, diferentemente do que foi feito no documentário anterior, é possível perceber um certo esgotamento da fórmula do diretor. Na primeira parte, Joshua Oppenheimer lançava mão não só da abordagem crua e sem rodeios, mas também de recursos que borravam a linha já tênue entre ficção e documento, surreal e real. Agora, num trabalho mais enxuto (talvez tendo em vista as críticas à duração de "O Ato..."), restou um esquema que por vezes é repetitivo e exaustivo, o que acaba por diluir parte da força do que é retratado em tela. No entanto ainda impressiona como um crime tão bárbaro quanto o massacre dos comunistas na Indonésia é capaz de permanecer tantos anos impune e principalmente naturalizado entre as pessoas.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Filmow
    Filmow

    O Oscar 2017 está logo aí e teremos o nosso tradicional BOLÃO DO OSCAR FILMOW!

    Serão 3 vencedores no Bolão com prêmios da loja Chico Rei para os três participantes que mais acertarem nas categorias da premiação. (O 1º lugar vai ganhar um kit da Chico Rei com 01 camiseta + 01 caneca + 01 almofada; o 2º lugar 01 camiseta da Chico Rei; e o 3º lugar 01 almofada da Chico Rei.)

    Vem participar da brincadeira com a gente, acesse https://filmow.com/bolao-do-oscar/ para votar.
    Boa sorte! :)

    * Lembrando que faremos uma transmissão ao vivo via Facebook e Youtube da Casa Filmow na noite da cerimônia, dia 26 de fevereiro. Confirme presença no evento https://www.facebook.com/events/250416102068445/

  • Carlos Henrique
    Carlos Henrique

    hahaha vi numa lista por aí e agora no teu perfil, preciso conferir <3

  • Carlos Henrique
    Carlos Henrique

    heey, sweet! :D
    tatuagem é bom?