Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > vanvis
JOÃO PESSOA - PARAÍBA (BRA)
Usuária desde Outubro de 2012
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Vanessa Dantas

    "Eu não tenho medo de você. Tenho medo do que pode se tornar."

    “A única coisa que separa aqueles dois é uma moeda atirada ao ar.”

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Mock guard:
    “É fácil afirmar que não teriam feito daquela forma. Mas não dá pra saber. É verdade, não dá! Agora sei do que sou capaz e isso fere. Não sei dizer de outra forma, mas fere-me sabê-lo.”

    Prisoner 416:
    “Vi logo que algo estava errado. Aliás, fui o único. Só eles é que não percebiam. Dão a eles um uniforme com os óculos e um porrete e deixam de ser quem seriam com roupas normais. Eu era só um número num vestido. Não era um detento numa experiência, mas sim prisioneiro deles.”

    Prisoner 2093: “Senti que estava perdendo a minha identidade. Que a pessoa a quem chamo Tom estava desaparecendo. Para mim, era uma prisão. Continua a ser, ainda hoje. Não a vejo como uma experiência ou simulação. Era uma prisão gerida por psicólogos e não pelo Estado.”

    Prisoner 8612 e Guard Christopher:

    “ -Toda essa experiência me magoa. Continua me magoando até hoje. Me magoa.
    - Como assim? O que o magoa? Que os outros possam ser assim?
    - Sim. E eu sei que é um cara simpático.
    - Você não sabe isso.
    - Sei, sei. Sei que é um cara legal.
    - Então, por que me odeia?
    - Porque sei no que pode se tornar.
    - No meu lugar, o que teria feito?
    - Não sei responder. Não estava no seu lugar. Penso que não teria sido tão... Creio que não seria tão criativo como você. Não teria sido tão imaginativo nas minhas ações. Entende?
    - Sim, entendo.
    - Teria sido um guarda, não uma espécie de obra-prima.
    - Pessoalmente, não percebo o que o magoou tanto. Foi degradante, mas fez parte de uma experiência muito pessoal...
    - Uma experiência muito pessoal? Quer falar sobre isso?
    - Sim. Sim, também quis fazer experiências.
    - Fale-me dessas experiências. Estou curioso.
    - Queria ver que tipo de abusos verbais as pessoas aguentam até começarem a reclamar e a reagir. E surpreende-me que ninguém tenha dito nada pra me fazer parar. Ninguém disse: “Não pode me dizer isso. É doentio.” Ninguém disse isso nem questionou minha autoridade. E fiquei muito chocado. Comecei a ficar... Comecei a tratar tão mal as pessoas, perdi todo o respeito. E mesmo assim, ninguém disse nada.”

    "Lá dentro, tornei-me aquilo que sempre odiei. E deixei acontecer. E gostei. Não sabe como isso me faz sentir."

    "Sou um ser humano, Phil. Sinto empatia pelas outras pessoas."

    "You have no right to fuck with my head!"

    ''A única coisa que os distinguiu foi um cara ou coroa..''

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Vanessa Dantas

    As únicas cenas que fizeram valer a temporada:

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    “- Por que os outros querem foder comigo?
    - Posso ser sincera?
    - Por favor!
    - É o que veem ao olhar pra você. Não enxergam você. Veem as merdas que não tiveram. Dinheiro, educação, oportunidade. É por isso que nunca vão parar, pelo que representa. Mas, pelo menos, é só aqui. Lá fora, fodem comigo a vida inteira. Enxergam a negra pobre e perigosa que devia ficar presa aqui para sempre. Se quiser trocar de lugar, eu topo.
    - Como lida com isso?
    - Tento sobreviver.”

    “- Não se esqueça, a verdade está do seu lado. Conte sua história no tribunal como me contou.
    - Mas é mentira!
    - O quê?
    - Tudo!
    - Sei que pode estar frustrada...
    - Não! Você não compreende. Estávamos lá embaixo com o Piscatella vivo. Taystee apontou a arma para a cabeça dele, mas não atirou. Ela me entregou a arma e nós o soltamos. Quando o CERT invadiu, nós nos escondemos...
    - Está emocionada e dizendo muita coisa. A maioria eu não escutei.
    - Porque não está me ouvindo! Ela é inocente, Sr. Siegel, por favor, estou implorando! A Taystee não pode ser condenada assim! Deve haver uma saída! Deve ter um jeito de acertar as coisas!
    - Cindy, tirando o fato de que não consigo entender o que pode ter dito ou não, vai testemunhar em questão de horas. Caso se afaste do depoimento escrito, perderá o acordo e será vista como testemunha não confiável.
    - Eu devia ter contado antes, mas estava com medo. Cara... sabe como é? Sempre convivi com policiais safados. Sei como tratam gente como eu quando falamos.
    - Mudar o testemunho em cima da hora não vai ajudar Jefferson. Escute, não vai ajudá-la e terminará se prejudicando.
    - Mas não foi ela!
    - Vamos torcer para o júri entender assim... Mas em termos de ajudá-la, é tarde demais. Como seu advogado, peço, encarecidamente, que confirme o que disse aos federais. De que adianta acrescentar anos à pena nessa situação já tão dolorosa? Srta. Hayers?”

    “- Taystee, sei que a barra está pesada, mas mesmo triste, mostre seu outro lado. As pessoas precisam conhecer a Taystee cheia de vida, divertida, esperta, carinhosa. A Taystee que merece estar livre. A Taystee que improvisa músicas sobre Badmínton.
    - Era croqué porque tem uma rima com Kanye.
    - É assim que se fala!
    - Como farei estranhos gostarem de mim se minha própria amiga não está nem aí? Ninguém está nem aí pra mim!
    - Jesus! Eu me demiti por sua causa! O público do tribunal se importa com seu destino. Até a Cindy se importa! Vai saber o que rolou com ela nos bastidores?! Acha que a Poussey ia querer isso?? Isso mesmo. Falei o nome dela. Eu devia ter dito o nome dela! Taystee, você ainda tem chances. O que falar amanhã tem muita importância. Precisa entrar lá e dar sangue por si mesma, como fez na rebelião. Vai saber! Talvez o júri a surpreenda. Só que isso não acontecerá se você já desistiu. Diga que não desistiu!”

    “Nunca quis que alguém mais morresse. Só queria que a pessoa que matou minha amiga estivesse aqui onde estou agora, explicando porque ele assassinou... porque ele assassinou uma inocente, em vez de mim, explicando porque não matei um culpado.”

    A cena do veredito sem som... Que dor! Que atuação!

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.