Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Zbigniew Cybulski
23Número de Fãs

Nascimento: 3 de Novembro de 1927 (39 years)

Falecimento: 8 de Janeiro de 1967

Kniaze, Polônia (atual Ucrânia)

Hubert Zbigniew Cybulsk, foi um ator polonês de teatro e cinema, considerado um dos maiores e mais populares atores do pós-guerra polonês. Sua maior conquista foi no papel de Maciek Chełmicki no clássico ''Cinzas E Diamantes/Popiól i diament'' (1958), do diretor Andrzej Wajda. Em 08 de janeiro de 1967 caiu sob as rodas de um trem na estação ferroviária em Wrocław e sofreu ferimentos graves. Ele morreu no hospital, no mesmo dia.

Ele era um graduado da Academia. Sniadecki (agora High School. Sniadecki) em Dzierzoniow (1947) e no Teatro Academia em Cracóvia (1953). No mesmo ano, ele fez sua estréia no Teatro Costeira em Gdansk na peça ''Intriga e Amor'' de Friedrich Schiller. Um ano mais tarde ele apresentou em seus dois primeiros papéis no cinema em produções que começaram a projetar sua carreira. Então, também, com Bogumil Kobiela, fundou um teatro de estudante artística Bim-Bom, em Gdansk , onde foi diretor. Ele desempenhou pequenos papéis em filmes, como ''Geração /Pokolenie'', já do mestre Andrzej Wajda. ''O Oitavo dia da Semana/Ósmy dzien tygodnia (1958), de Aleksandra Ford e ''Krzyz Walecznych'' (1959), de Kazimierz Kutz (a primeira foi realizada pelos censores na Polônia há mais de 20 anos).

O que trouxe maior popularidade foi mesmo o filme ''Cinzas e Diamantes'', classificado como um das melhores produções na história do cinema polonês. O filme foi nomeado para Melhor British Academy of Film and Television Arts e ganhou um premio no Venice Film Festival e uma indicação de melhor ator no BAFTA Awards, de 1960. No início dos anos 60, mudou-se para Varsóvia, onde ele atuou em várias peças de sucesso.

Graças ao reconhecimento de ''Cinzas e Diamantes'', vieram papéis em produções estrangeiras: filmes franceses como ''La poupée'' (1962); ''O Amor aos 20 Anos/L'amour à vingt ans'' (1962), entre outras produções...

Em 1964 ele jogou no filme sueco ''Att älska'' e no ano seguinte ''O Manuscrito de Saragoça/Rekopis znaleziony w Saragossie'' filme baseado em um romance de Jan Potocki. O último papel é considerado um dos melhores da sua carreira.

Ele estrelou nos filmes altamente cotados ''Salto'', ''Mistrz'' e ''Jowita''. Ele tinha experiência na versão televisiva da peça Um Bonde Chamado Desejo, nos Estados Unidos, bem como para fazer um filme com Marlene Dietrich, sua amiga. Ambos os projetos não foram concluídos devido à morte do ator.

A imagem:

Sua imagem foi criada pela sua personagem, de roupas distintas, cabelos ao vento, e óculos escuros, bem como a morte contribuiu para a criação em torno da pessoa de Cybulsk, uma lenda, um mito, dando-lhe o status de uma figura cult no cinema polaco depois da guerra. O ator usava tipicamente roupas de couro, apertadas e óculos escuros característicos, sem a qual não se mostram em público. Sua maneira de vestir era admirado pela juventude contemporânea, e foi imitado por ela.

Ele parecia constantemente em algum lugar apressado e não prestava atenção ao que não estava interessado. Essa atitude despertou comparações com o ator americano James Dean , considerada a imagem de mágico de "rebelde sem uma razão", "viver no limite, parecia seu lema''.

Em 30 de agosto de 1960, concluiu seu casamento com Elizabeth Chwalibóg, com o casamento veio seu filho, Maciej Cybulski.

A Morte:

Em 08 de janeiro de 1967 o ator estava na estação de trem de Wroclaw , retornando de uma filmagem. Foi então que ele disse adeus à atriz e amiga particular, Marlene Dietrich, que embarcou em uma viagem a Varsóvia. Tentando pegar um trem que saia de partida na plataforma 3, Cybulski caiu sob as rodas e sofreu ferimentos graves. Ele morreu em um hospital depois de duração de uma luta de uma hora com a vida. Ele foi enterrado no cemitério católico na ul. Henryk Sienkiewicz no centro de Katowice. Entre as autoridades (que não permitem que um funeral católico), a família teve uma disputa sobre a forma como o enterro seria. Hoje, no lugar de sua morte, tem uma placa memorial, que revelou Andrzej Wajda no 30º aniversário da morte do ator.
Vale a pena mencionar é o fato de que Cybulski teve um salto de hábito no trem, no último momento, que é o mapeamento nos filmes, nos quais ele se apresentou. Por exemplo. No filme ''Pociąg'', condutores inúmeras vezes chamam a sua atenção a este hábito, terminando em questão de 77 minutos, em outro filme, alguém diz tenha certeza que você deseja ir para o hospital ", o filme ''Salto'' começa com uma cena em que Cybulski salta do trem, e termina com uma outra cena em que salta no trem, no filme ''Geração''. Cybulski em uma das primeiras cenas salta com os colegas em um trem de carga transportando carvão para fins de roubo.

A diva das divas e sua amiga, Marlene Dietrich assim escreveu sobre ele em sua bela autobiografia, lançada em 1987. Marlene D (autobiografia) é um livro fascinante, muitíssimo bem escrito, pontuado por observações inteligentes, de imensa sensibilidade – mas não é um relato cuidadoso e detalhado, que respeite muito a ordem cronológica. Distraída, pouco metódica, a diva não costuma dar direito as datas dos fatos. Aprofunda-se em alguns temas, passa ao largo de outros. Mas ela não deixa de dar nome aos bois, critica alguns e elogias outros, sobre Cybulski ela diz: durante um certo tempo de minha existência achei que a sorte iria me sorrir: foi quando conheci meu bom amigo Cybulski. Mas morreu acidentalmente, cedo demais. Era suficiente ver seu rosto uma só vez - por exemplo, em ''Cinzas e Diamantes'', seu filme mais famoso - para jamais esquecer a impressão causada por aqueles olhos que dissimulava atrás de óculos escuros. Conheci Cybulski na Polônia, por ocasião de um de meus recitais. Estava filmando em Wroclaw - cidade chamada Breslau antes da guerra - e assistiu a meu espetáculo após cumprir sua jornada de trabalho. Tornamo-nos amigos desde o primeiro encontro.
Eu já o havia visto na tela e ele não conhecia nenhum de meus filmes. Surpreendeu-o e maravilhou-o minha interpretação em cena. Havia-me tomado por uma daquelas artistas inconsistentes de Hollywood, mas após aquela sessão não faltou a nenhum de meus espetáculos. Na noite de encerramento organizou uma festa para os músicos e técnicos. Era o único homem que conheci capaz de abrir uma garrafa de vodca batendo no fundo da garrafa com a palma da mão. Habilidade que mostrou várias vezes, e as garrafas foram passando à volta da mesa, para prazer dos convidados.
O trem que devíamos tomar partia á meia-noite. Cybulski ficou conosco, tratou de que todo o grupo tivesse leitos no trem e nos deixou, com a morte na alma, prometendo-nos que se reuniria, conosco quando tivesse acabado o filme.
Quando terminou a filmagem, Cybulski decidiu pegar o mesmo trem que havíamos pegado, também à meia-noite. Mas como chegou tarde, tentou subir no trem em marcha caiu e morreu atropelado pela rodas dos vagões.
Ainda hoje me entristece a lembrança da morte incompreensível daquele grande homem e artista. Jamais vi um ator capaz de interpretar sem utilizar os olhos, e sei que jamais existirá um outro, Tanto melhor! Quem recordar do ator, não poderá compará-lo aos demais atores.

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.