Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Anthony Hopkins

Anthony Hopkins

Nomes Alternativos: Philip Anthony Hopkins

11814Número de Fãs

Nascimento: 31 de Dezembro de 1937 (78 years)

Margam, Port Talbot, West Glamorgan - Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte

É um premiado ator britânico.

Considerado como um dos maiores atores em atividade, Hopkins é mais conhecido por interpretar o serial killer canibal, Hannibal Lecter, em The Silence of the Lambs (vencendo um Oscar de Melhor Ator), sua sequência Hannibal e sua prequência Red Dragon. Outros filmes proeminentes incluem The Lion in Winter, The Elephant Man, 84 Charing Cross Road, Dracula, Legends of the Fall, The Remains of the Day, Amistad e Nixon. Nascido e criado no País de Gales, manteve a sua cidadania britânica, adquirindo também a cidadania americana em 12 de abril de 2000. Os filmes de Hopkins se espalharam por uma variedade de gêneros, de filmes para a família até terror. Além do Oscar, também foi premiado com três BAFTA, dois Emmy do Primetime e um Prêmio Honorário Cecil B. DeMille.

Hopkins foi feito cavaleiro pela Rainha Elizabeth II em 1993 por seus serviços pela arte. Ele recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood em 2003.

Infância

Hopkins nasceu em Port Talbot, País de Gales, filho de Muriel Yeats Annee e Richard Arthur Hopkins. Seus dias na escola foram improdutivos; ele preferia imergir-se em artes, como pintura e desenho, ou aprender a tocar piano, a ir as aulas. Em 1949, para instilar disciplina, seus pais insistiram que ele fosse para a West Monmouth School, em Pontypool. Ele ficou lá por cinco anos e foi então educado na Cowbridge Grammar School, no Vale de Glamorgan. Ele foi influenciado e encorajado a se tornar um ator pelo compatriota Richard Burton (que também havia nascido em Neath Port Talbot, e que Hopkins conheceu rapidamente aos 15 anos. Com esse objetivo, ele se matriculou no Royal Welsh College of Music & Drama, em Cardiff, se formando em 1957. Depois de dois anos servindo no Exército Britânico, ele se mudou para Londres e começou a treinar na Royal Academy of Dramatic Art.

Carreira

Hopkins fez sua primeira aparição profissional no teatro no Palace Theatre, em Swansea, no ano de 1960 com a produção da peça Have a Cigarette.

Em 1965, depois de alguns anos, ele foi assistido por Laurence Olivier, que o convidou para se juntar a ele na Royal National Theatre. Hopkins se tornou o reserva de Olivier, e o substituíu quando Olivier teve apendicite durante a produção de The Dance of Death, de August Strindberg. Olivier, mais tarde em sua memórias Confessions of an Actor, escreveu que, "Um jovem novo ator na companhia de promessa excepcional chamado Anthony Hopkins estava na minha reserva e pegou o papel de Edgar como um gato com um rato no seus dentes".

Apesar de seu sucesso na Royal National Theatre, Hopkins ficou cansado de repetir os mesmos papéis noite após noite, ansiando por trabalhar em filmes. Ele estreou na televisão em 1967, no filme para a televisão A Flea in Her Tea, da BBC. Em 1968, ele estreou no cinema no filme The Lion in Winter interpretando Ricardo I da Inglaterra, junto com Peter O'Toole, Katherine Hepburn e o futuro James Bond, Timothy Dalton.

Mesmo continuando no teatro, Hopkins pouco a pouco foi se afastando dos palcos, estabelecendo-se como um ator de filmes e televisão. A sua interpretação de Pierre Bezukhov no drama da BBC, War and Peace de 1972, foi particularmente memorável, com Hopkins vencendo um BAFTA Television Award de Melhor Ator. Desde então, ele foi desfrutar uma londa carreira de muitos aplausos e prêmios por suas interpretações. Hopkins se tornou Comandante do Império Britânico (CBE) em 1987, e um Knight Bachelor em 1993. Ele recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood em 2003.

Hopkins afirmou que seu papel de Burt Munro, que ele interpretou no filme The World's Fastest Indian (2005), foi um de seus favoritos. Ele também disse que Munro foi o papel mais fácil que ele já teve, porque ambos possuem perspectivas semelhantes na vida. Em 2006, Hopkins foi o recipiente do Prêmio Cecil B. DeMille dos Globos de Ouro por sua carreira.

Estilo de atuação

Hopkins é famoso por sua preparação para seus papéis. Ele indicou em várias entrevistas que, uma vez comprometido com um projeto, ele passará por suas falas quantas vezes for necessário (algumas vezes passando de 300) até que elas soem naturais para ele, podendo assim dizê-las "sem pensar". Isso leva para um estilo quase casual de dizer as falas que camufla a quantidade de trabalho prévio. Apesar de permitir improvisações cuidadosas, esse estilo já causou conflitos entre ele e um diretor ocasional que diverge do roteiro original, ou que pede para o ator passe por um número excessivo de tomadas. Hopkins já disse que após terminar uma cena, ele simplesmente descarta as falas, não mais se recordando delas. Isso é diferente de outros que lembram de suas falas décadas após as filmagens. Richard Attenborough, que já dirigiu Hopkins em cinco ocasiões, viu-se em dificuldades durante as filmagens de Shadowlands (1993) para acomodar os diferentes estilos de suas duas estrelas (Hopkins e Debra Winger), que dividiam muitas cenas. Enquanto que Hopkins, preferindo a espontaneidade de uma nova tomada, gostava de manter os ensaios no mínimo, Winger ensaiava continuamente. Para permitir isso, Attenborough se passou pelo personagem de Hopkins durante os ensaios de Winger, chamando o ator para apenas para o último ensaio antes da gravação. O diretor elogiou Hopkins por "essa extraordinária habilidade de fazer acreditar que, quando você o ouve, é a primeira vez que ele já disse aquela fala. É um dom incrível". Conhecido por sua habilidade em memorizar falas, Hopkins trabalha sua memória lendo poesias e Shakespeare. No filme Amistad, de Steven Spielberg, Hopkins supreendeu a equipe e o elenco ao memorizar um discurso de sete páginas, falando tudo de uma vez só. Um admirado e intimidado Spielberg não conseguia chamá-lo de Tony, insistindo em chamá-lo de Sir Anthony por toda a produção.

Além disso, Hopkins é um mímico de talento, alterando seu sotaque galês em qualquer sotaque que o personagem necessite. Ele duplicou a voz de seu falecido mentor, Sir Laurence Olivier, para cenas adicionais de Spartacus para sua restauração em 1991. Hopkins disse que atuar "como um submarino" o ajudou a entregar interpretações credíveis em filmes de thriller. Ele disse. "É bem difícil para um ator evitar, você quer mostrar um pouco. Porém eu acredito que o quanto menos alguém mostra, melhor".