Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > retrofit
27 years (BRA)
Usuário desde Outubro de 2011
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

" People ask the question... what's a RocknRolla? And I tell 'em - it's not about drums, drugs, and hospital drips, oh no. There's more there than that, my friend. We all like a bit of the good life - some the money, some the drugs, other the sex game, the glamour, or the fame. But a RocknRolla, oh, he's different. Why? Because a real RocknRolla wants the fucking lot. " - Archie (RocknRolla)

Últimas opiniões enviadas

  • João Flávio

    Pantera Negra é um dos filmes mais diferentes da Marvel, porém suas diferenças estão basicamente no visual e na trilha sonora, que exploram muito bem a mesclagem da estética tribal africana com a de uma cidade futurista altamente tecnológica.

    Se o visual é um ponto positivo, esse também é um ponto negativo. Os efeitos especiais, em algumas horas, parecem inacabados, principalmente quando T'challa está vestindo seu traje. Wakanda oscila entre algo belo de se ver e algo bastante poluído por tanto efeito. Essa plasticidade desassocia a nossa conexão com aquele mundo. As cenas de ação, infelizmente, abusam dos cortes rápidos, ou dos ambientes escuros. Facilmente conseguimos nos perder do que está ocorrendo em tela.

    Michael B. Jordan interpreta o vilão mais interessante do universo Marvel até agora. Consegue dar muita profundidade para seu personagem e para as suas motivações. É incrível o carisma que esse ator tem. Eu creio que ele deveria estar no papel do Pantera Negra. Chadwick Boseman entrega um protagonista bom, mas é ofuscado pelo Jordan e pela Danai Gurira cuja personagem tem uma presença de tela marcante.

    O enredo, claro, é a estrutura saturada que já vimos várias e várias vezes - e vamos continuar vendo - e tem algumas conveniências forçadas, mas o roteiro é bem amarrado e moderado nas piadas.

    Resumidamente, Pantera Negra é um bom filme.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • João Flávio

    Excelentes efeitos visuais, direção de arte de ponta, belíssima fotografia e muita nudez não são o bastante para tornar Altered Carbon algo memorável.

    A narrativa é um conjunto de diversos clichês das mais variadas obras do gênero ficção-científica. Todas as suas premissas já foram abordadas antes: clonagem, imortalidade, tecnologia avançada dentro de uma sociedade decadente, inteligência artificial e etc.

    Os personagens têm dificuldade para criar carisma em nós, salvo o protagonista, Takeshi Kovacs, porque obviamente temos mais tempo para conhecê-lo, mas o seu carisma é fruto da atuação de Will Yun Lee cujo Kovacs é mais humano e simpático. A inteligência artificial Poe também merece elogios nesse requisito de simpatia. Já os outros são mais do mesmo.
    Os vilões são muito caricatos, são aqueles que, quando capturam o protagonista, falam e falam que vão matá-lo só para este ter tempo de achar uma forma banal de se safar da situação.

    O enredo oscila entre intrigas que aparentemente são interessantes, mas as resoluções acabam sendo bem duvidosas. O romance é patético e muito sem química.

    Altered Carbon é a típica obra para assistir num fim de semana tedioso. Uma pena.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • João Flávio

    "I did not hit her. It's not true, It's bullshit! I did not hit her, I did not... ... Oh, hi, Mark!"

    The Room, o filme com a visão mais inverossímel sobre as relações humanas. É justamente essa inverossimilhança que dá brilho para a obra. Planejado para ser um drama arrebatador, mas o resultado foi uma ótima comédia. Uma comédia que jamais poderá ser criada a partir do planejamento. The Room é uma criação bem sucedida do caos.

    "I'm tired, I'm wasted. I love you, darling."

    Temos vários filmes que são ruins, mas não nos cativam, e temos várias comédias bem sucedidas cujas piadas se desgastam com o tempo. The Room consegue nos cativar e suas piadas acidentais possuem efeito meme: duram e duram.

    "Hi, doggie!"

    The Room é um paradoxo presente em diversas esferas que moldam um filme, é um conjunto de contradições que convergiram para torná-lo um ícone do cinema, um exemplo que o acidente pode ser algo bom.

    "Ha, ha!"

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Nenhum recado para João Flávio.