Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Max Ophüls

Max Ophüls

Nomes Alternativos: Maximillian Oppenheimer

80Número de Fãs

Nascimento: 6 de Maio de 1902 (54 years)

Falecimento: 25 de Março de 1957

Saarbrücken, Saarland - Alemanha

Nascido Maximillian Oppenheimer na Alemanha e de origem judia, fugiu para França em 1933 após o incêndio do Reichstag. Se tornou cidadão francês em 1938.

Após uma carreira no teatro, se lançou no cinema. Dividiu a sua carreira entre a Europa e os Estados-Unidos, onde dirigiu alguns grandes filmes como Sans lendemain e De Mayerling à Sarajevo. Mas foi na França que dirigiu as suas mais importantes obras: La Ronde (1950), Le Plaisir (1952), Madame de... (1953), com a sua atriz preferida, Danielle Darrieux, e Lola Montès (1955).

A obra de Max Ophüls pode ser sintetizada como um grande ensaio sobre o amor. Mas é preciso ter ciência, antes de tudo, de que este amor sobre o qual falamos não existe por mera representação romântica/açucarada, típica das love histories do cinema. O sentimento entre um homem e uma mulher, por maior que seja sua beleza no momento em que é vivido em tela, cerca-se por fragilidades, consequências e acontecimentos que podem ser circunstancialmente trágicos para alguém, seja para eles mesmos ou para outras pessoas — afinal nesta inacabável ciranda alguém sempre sai perdendo. Nas histórias de Ophüls, os amantes não vivem em uma redoma de vidro; estão em contato direto com a sociedade que habitam e portanto são suscetíveis às mais diversas interferências, à paixão de outra pessoa, ao desejo de um deles por alguém, a um ocasional desvio moral, etc. Ophüls não fecha seus olhos para nenhum dos lados deste jogo. Seja o mais singelo dos beijos ou um passeio de carruagem ao som de uma doce trilha-sonora; seja a desilusão, o desespero, o desfecho trágico de um romance “proibido” ou a necessidade de se superar o passado: para a representação do amor em seus filmes ser plena, ele nos permite experimentar os dois extremos.