Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/anarquistacritico/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > anarquistacritico
24 years
Usuário desde Dezembro de 2014
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Anarquista Crítico

    Um documentário precioso para a compreensão de um momento ímpar da história da América do Sul: a ascensão de vários governos progressistas e de esquerda no continente e suas relações com a potência hegemônica da região, os EUA.

    A América do Sul – e também a América Latina de uma forma geral – foi, talvez, o principal laboratório de teste das políticas neoliberais, nos anos 80 e 90, com resultados catastróficos: aumento da pobreza e da desigualdade, desindustrialização, desemprego e subordinação aos países centrais e suas políticas do Consenso de Washington. Diante de tal quadro de crise, governos de esquerda são eleitos no Brasil – que quebrou em 1999 –, Argentina – o país mais atingido por políticas neoliberais, e que quebrou duas vezes entre 1990 e 2001 –, Uruguai, Venezuela, Equador e Bolívia. Tais governos reduziram a pobreza na região, aumentaram a integração dos 12 países através da União das Nações Sul-americanas (UNASUL, que está sendo destruída) e construíram políticas externas mais autônomas e soberanas.

    Oliver Stone mostra como um discurso abertamente hostil aos regimes de esquerda da América do Sul foi construído a partir do fracasso da ALCA, mostra a articulação norte-americana do golpe em 2002 na Venezuela e o incômodo de Washington com governos sul-americanos mais altivos e independentes, já que boa parte da história da região é marcada por cooperação e submissão de suas elites políticas aos desígnios da potência hegemônica.

    Olhando a América do Sul hoje, em que houve uma guinada de orientação ideológica dos governos de vários países, com intervenção direta dos Estados Unidos – fatos divulgados por documentos oficiais publicados no Wikileaks e por Edward Snowden –, fica claro o retrocesso em vários níveis sociais e na política externa. Novamente estamos sob a orientação direta de Washington, servindo de exportadores de commodities e adotando o fracassado neoliberalismo, com resultados já desastrosos.

    A América do Sul, com a entrada pesada dos chineses na região e sua parceria com diversos países sul-americanos, será alvo de uma grande disputa geopolítica futuramente. Seremos construtores de nossa própria história ou ficaremos à mercê dos donos do mundo?

    Stone é genial.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Anarquista Crítico

    Gosto da alegoria que a obra faz para criticar a vacuidade existencial do homem contemporâneo, utilizando de um contexto histórico diferente, mas totalmente intimista e inquietante.

    Em realidade, Ingmar Berman, ao abordar a perda de fé e o questionamento existencial do cavaleiro medieval, não está fazendo uma crítica à Idade Média, mas sim à sociedade contemporânea. Em o "Sétimo Selo" é possível captar toda a essência humana e social do período histórico em que "Deus está morto". O incômodo do homem moderno, perdido e tomado por incertezas, sem referências estáveis e vendo o progresso científico e tecnológico como o possível promotor do apocalipse – o ápice da produção – no âmbito do auge da Guerra Fria, em que a humanidade temia sua real destruição.

    Um cavaleiro medieval jamais teria o suporte racional e emocional para questionar Deus, visto que sua era é marcada por valores absolutos e imutáveis. Aí a obra mostra-se genial, pois consegue alegorizar a inquietação humana e o medo da total destruição – o que é muito comum nos filmes de Berman dessa época, como “Luz de Inverno”, em que um pastor protestante questiona a existência do supremo devido ao seu medo do apocalipse nuclear – contemporânea por meio de recursos históricos.

    Ao sermos expulsos do paraíso pela racionalidade, o homem moderno inaugura novos palcos na infindável batalha da vida e, ciente das contradições que dilaceram a sociedade humana, questiona o progresso, a própria racionalidade e intima Deus. O progresso não é só emancipador, mas também é promotor da barbárie.

    Como lidar com a finitude da vida e do mundo quando deus está morto? Como lidar com a impotência humana perante forças despertadas pela própria humanidade?

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Anarquista Crítico

    Bom filme. O humor negro traz bons e reflexivos diálogos e uma ácida crítica ao neoliberalismo. Gostei da crítica ao protagonista no filme, um pequeno burguês, que é incapaz de enxergar as relações de poder e de desigualdade que permeiam o capitalismo. Julgando o desemprego, um fenômeno social, como um problema particular, Bruno Davert acha que a solução para tal situação é a competição voraz e sem escrúpulos da lei do mais forte. Tal condição é bem comum na pequena burguesia que assimila a concepção de mundo burguesa e uma das formas de alienação. O capitalismo não é apenas um sistema econômico, mas um sistema ideológico potente e voraz que dilacera toda a solidariedade humana e transforma todas as relações interpessoais em mera competição.

    Sem a consciência das relações desiguais que regem este sistema fica difícil de combatê-lo e o neoliberalismo traz para as relações sociais o individualismo cego e a indiferença. No fim, Davert foi apenas mais uma vítima da máquina de egoísmo e competição neoliberal, do famoso "cada um por si".

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Pedro
    Pedro

    o Rei do Filmow!

  • Pedro
    Pedro

    mestrão!

  • Bru
    Bru

    Putz. Bem, isso depende muito do recorte que você quer. Eu acho que "mãe!" é um ótimo filme reflexivo sobre isso, ele fala da ideia do sagrado feminino, que é uma ideia que pode ser aplicada em todos os níveis de machismo desde o início dos tempos até hoje em dia, das situações mais complexas e simbólicas até as mais banais. Mas é um filme difícil, então dependendo da idade dos seus alunos, não vale passar. Ai eu indicaria o filme Black Panters que faz um corte interessante de feminismo e raça, é mais documental. O filme O Olmoe a Gaivota é genial pra pensar maternidade e condição feminina e é nacional, um filmaço. Ai vem Thelma e Louise, As Virgens Suicidas, As Horas, The Punk Singer, a animação Mulan. E tem também o "entre segredos e mentiras" (não lembro o nome original) que é uma história real e conta um caso de exploração feminina e violência doméstica.

    Acho que esses já te darão uma boa visão, vale assistir/ler sinopse antes pra entender se é o que você procura. Espero ter ajudado!

    Adoro filmes assim também, aceito suas indicações ;) Abçs.