Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

filmow.com/usuario/adriana_/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > adriana_
27 years (BRA)
Usuária desde Agosto de 2011
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

Últimas opiniões enviadas

  • Adriana

    SPOILERS
    Soube que tá rolando TRETAS e vim ver o que é. Claro que é treta sobre cuspe rs
    Deixando meus vinte centavos, gosto sempre de pensar que em filmes de ficção alguns elementos estão lá mais pra servirem como recurso narrativo do que pra serem uma representação fiel da realidade. Cuspe pode não ser a coisa mais comum do mundo numa transa (e vejam que falo em sentido amplo), mas nesse caso a cena cumpriu um papel, qual seja: mostrar que aquele filho era pra ser das duas Rachel e não (só) de Dovid. Pra quem se interessar, tem uma entrevista na Out na qual Rachel Weisz comenta a cena e coloca nesses termos, se chama "Rachel Weisz’s Taste for Disruption Lands Her in Rachel McAdams’s Bed".
    Enfim, eu achei que representar a "inseminação" assim foi uma solução maravilhosa.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Adriana

    Spoilers spoilers spoilers
    Pouco depois de o filme começar já pude entender a alegação de muitos sobre a pedofilia romantizada: a perspectiva pela qual a relação dos personagens é explorada é pouco habitual, não havendo uma condenação tão explícita num primeiro momento. Vemos uma jovem de 13 anos que claramente gostava daquela relação (o que não a faz menos vítima) e um homem que não utilizou de violência física, coerção, etc para seduzir (o que não o faz menos agressor). Até aí tudo bem, é uma maneira possível de isso acontecer, o que não diminui o caráter criminoso, não exime o adulto de culpa e nem transforma a criança em merecedora do abuso que sofreu. O filme seguia bem até mais ou menos 60min, mostrando a relação um tanto ambígua de Una com os próprios sentimentos, a forma como aquele crime passou a definir a sua vida e como foi fácil para Peter/Ray reconstruir a vida dele depois de cumprida sua pena. O grande problema é quando o filme resolve se transformar no wet dream de algum abusador de menores: a criança cresceu, continua lindíssima e apaixonada, de alguma forma te exime de qualquer culpa pelo ocorrido, continua te desejando, porém agora EM IDADE LEGAL PARA TRANSAR COM VOCÊ! Aquela cena foi bem desnecessária, uma vez que já havia ficado claro que Una nutria sentimentos por Ray apesar de tudo. O fato de Ray negar fogo ficou com cara de arco redentor também, já que agora ele pode "se redimir" (pra si mesmo, pelo menos) por ter resistido aos avanços de Una. Enfim, um filme que poderia ter sido melhor aproveitado não fossem algumas escolhas equivocadas.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Adriana

    SPOILERS SPOILERS SPOILERS
    Filme alegórico, com duas camadas, ok, não é uma ideia ruim a princípio, mas a execução deixou a desejar.
    Ser uma alegoria tão fiel é uma ideia ruim. Recriar cada detalhe de uma história em uma nova história é uma maneira ruim de fazer uma alegoria.
    Honestamente, a camada mais superficial do filme (marido narcisista que caga pra esposa e só quer adoração alheia) funcionaria muito melhor, daria pra entender o final como uma ida às últimas consequências desse desprezo/desvalorização pela mulher, mas mesmo assim não fica muito bom. Infelizmente o diretor se concentrou em fazer a maldita alegoria e esqueceu de aprofundar a personalidade dos personagens "por si mesmos". Ele resolveu dizer/mostrar que um personagem é deus, outro é a mãe natureza, outro é adão, etc e achou que não precisava mais de desenvolvimento de personagens porque eles já estão desenvolvidos na referência. Esse é o tipo de referência preguiçosa que não entra pra complementar/aprofundar o desenvolvimento, entra NO LUGAR dele.
    Quando começa a ficar muito óbvio quem é quem e o que representam, essa primeira camada superficial - que deveria servir pra conectar mais diretamente o expectador com os personagens - vira areia e você perde o fator realidade, o que torna mais difícil se identificar com o que ocorre na tela e consequentemente se importar com o destino de quem está ali.
    Eu não sei se posso dizer que é um filme RUIM, mas também não é bom e definitivamente não é o melhor Aronofsky.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.