Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Florinda Bolkan

Florinda Bolkan

Nomes Alternativos: Florinda Soares Bulcão

30Número de Fãs

Nascimento: 15 de Fevereiro de 1941 (76 years)

Uruburetama, Ceará - Brasil

A cearense, Florinda Bolkan (ou Soares Bulcão, em bom português) que com sua italianíssima atuação em "Una Breve Vacanza", filme dirigido por Vittorio de Sica, chegou a receber o prêmio de melhor atriz de 1975 da Associação dos Críticos de Cinema de Los Angeles e ficou com um honroso segundo lugar na votação da tradicionalíssima Associação de Críticos de Cinema de Nova Iorque, perdendo o título para Isabelle Adjani por "A História de Adele H". Aliás, em matéria de prêmios, Miss Bolkan já recebera em anos anteriores três David di Donatello (o Oscar da Itália) como melhor atriz por "Anônimo Veneziano" (1970, um clássico do cinema italiano) e "Cari Genitori" (1973), além de um terceiro, especial, por "Una Ragazza Piuttosto Complicata" (1969).

Entre os anos de 1960 e 1970, Florinda brilhava em patamar muito próximo ao de divas belas e talentosas como Monica Vitti e Virna Lisi, entre outras, embora não chegasse ao nível de uma Sophia Loren, uma Claudia Cardinale ou uma Gina Lollobrígida. Revelada para a indústria do cinema em "Os Deuses Malditos" (1969, uma das obra-primas de Luchino Visconti) e "Investigação sobre um cidadão acima de qualquer suspeita" (1970, de Elio Petri, Oscar de melhor filme estrangeiro e indicado para roteiro original), Bolkan foi dirigida por alguns diretores importantes da década de 1970.

Além dos maiores Visconti e De Sica, atuou sob as ordens de Michel Deville, Enrico Maria Salerno, Alberto Sordi, Damiano Damiani, Giuliano Montaldo e Nadine Trintignant.

Consagrada na Europa, onde era comum vê-la contracenar com atores como Romy Schneider, Jane Birkin, Jean-Pierre Cassel, Jean-Louis Trintignant, Jean Sorel e Giuliano Gemma, entre outros, Hollywood chegou a importá-la para trabalhos em filmes falados em inglês, quem sabe na esperança de produzir uma nova Carmen Miranda, e a colocou em filmes co-protagonizando com gente como Kirk Douglas, Michael Caine, Omar Shariff, Alan Bates e Malcom McDowell. Não deu muito certo, afinal a barreira para os latinos, sobretudo naquela época, era muito maior do que agora.

Sua beleza morena, embora considerada exótica, aproximava-se muito do padrão mediterrâneo, sobretudo quando se pensa nas mulheres do sul da Itália. Por isso, não lhe era difícil se passar por uma italiana, o que ela fez ao longo de uma carreira de quase 60 filmes entre os anos de 1968 e 2006, ano de registro de seu último trabalho no cinema.

No Brasil, praticamente, só vinha a passeio, mas antes do seu ocaso trabalhou em uma novela da Manchete (se não me engano) chamada "A Rainha da Vida", mas sem grande repercussão.

Na maturidade atuou em um dos fracassos de Fábio Barreto, "Bela Donna", filmado no Ceará natal, local em que também experimentou apenas uma vez a direção em "Eu não conhecia Tururu", conduzindo atores como Maria Zilda, Herson Capri, Ingra Liberato e Fernando Alves Pinto.