Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.

    Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Giulietta Masina

Giulietta Masina

Nomes Alternativos: Giulia Anna Masina

509Número de Fãs

Nascimento: 22 de Fevereiro de 1921 (73 years)

Falecimento: 23 de Março de 1994

San Giorgio di Piano, Emilia-Romagna - Itália

Foi uma atriz de cinema italiana e esposa do cineasta Federico Fellini. Filha do violinista e professor de música Gaetano Masina e da maestrina Angela Flavia Pasqualin, passou boa parte de sua adolescência em Roma com uma tia viúva. Graduou-se em Letras e Filosofia na Universidade de Roma e durante os estudos cultivou a paixão pela atuação: desde a temporada 1941 - 1942 participou em vários espetáculos de prosa, dança e música no teatro universitário.

Em 30 de outubro de 1943 casa-se com Federico Fellini, com quem estabelece uma intensa parceria artística e afetiva, das mais importantes do cenário artístico italiano, Devido à sua intensa performance e de seus personagens geralmente ingênuos que lidam com circunstâncias cruéis, Masina é às vezes chamado de "Chaplin de saias".

Vários meses depois de seu casamento com Fellini, em 1943, Masina sofreu um aborto depois de cair de um lance de escadas. Ela ficou grávida de novo; Pierfederico (apelidado Federichino) nasceu em 22 de março de 1945, mas morreu de encefalite um mês depois, em 24 de abril. Masina e Fellini não tiveram outro filho.

Em 1946 estréia no cinema, com um brevíssimo papel na obra prima de Roberto Rossellini ''Paisà''. Dois anos mais tarde, obtém o primeiro importante papel no filme ''Sem Piedade/Senza Pietà'' de Alberto Lattuada.

Em 1943, Masina foi ganhando aviso como atriz de rádio trabalhando ao lado de algumas figuras populares daqueles anos. Seu primeiro trabalho foi ''Terziglio'', uma série de rádio escrita por Fellini. Era sobre um jovem casal e Masina jogado 'Pallina', a esposa. Masina e Fellini se apaixonaram. Em 30 de outubro de 1943, eles se casaram. Apesar de se distanciar do teatro ao vivo, Masina voltou ao palco por algum tempo atuando com Marcello Mastroianni . Sua última aparição no palco foi em 1951.

Depois o casal já mostrava seu enorme talento no delicioso ''Mulheres e Luzes/Luci del varietà'' (1950), com Masina na atuação e Fellini na direção.

Em 1952, ao lado Ingrid Bergman e Alexander Knox, sobre a direção de Roberto Rossellini, ela dá o seu toque mágico em ''Europa '51''.

Com roteiro de Michelangelo Antonioni e seu marido Fellini, ela atua em ''Abismo de um Sonho/Lo sceicco bianco'' (1952).

Todavia, é com seu marido que a atriz alcança a fama internacional com o papel de Gelsomina no filme''A Estrada da Vida/La strada (1954).

Em 1955, ''A Trapaça/Il bidone'' novamente sobre a direção de Fellini, ele atua ao lado de Broderick Crawford, Richard Basehart, que compete no Festival de Veneza.

Em 1957 alcançou o ápice de sua carreira interpretando Cabiria no filme ''Noites de Cabíria/Le notti di Cabiria'', que lhe valeu o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cannes, além do Golden Goblets, Italy; Italian National Syndicate of Film Journalists; San Sebastián International Film Festival; Sant Jordi Awards; todos de atriz.

Posteriormente, dedicou quase inteiramente à sua vida pessoal e ao casamento. No entanto, ela trabalhou novamente com Fellini em ''Julieta dos Espíritos'' (1965), que ganhou tanto o prêmio New York Film Critics (1965) e do Globo de Ouro (1966) de Melhor Filme Estrangeiro e valeu a Masina o David di Donatello Awards (o Oscar italiano.

Em, 1967, sobre a direção da italiana Lina Wertmüller (primeira mulher indicada ao Oscar de direção), no filme ''Não Brinque com o Mosquito/Non stuzzicate la zanzara''

Em 1969, Masina fez seu primeiro trabalho em Inglês em ''A Louca de Chaillot'', estrelado por Katharine Hepburn . Depois de quase duas décadas, durante as quais ela trabalhava esporadicamente apenas na televisão, Masina apareceu sobre a direção de Fellini, no elogiado ''Ginger e Fred'' (1986), filme que lhe valeu os prêmios David di Donatello Awards; Golden Globes, Italy; Italian National Syndicate of Film Journalists, todos de melhor atriz.
Ela, então, rejeitou ofertas de fora, a fim de atender a saúde precária de seu marido. Seu último filme foi uma bela despedida no tocante ''Um Dia Para Não Esquecer/Aujourd'hui peut-être..., de 1991.

Masina morreu de câncer de pulmão em 23 de março de 1994, aos 73 anos, cinco meses após a morte de seu marido em 31 de Outubro de 1993. Por seu funeral, ela solicitou que o trompetista Mauro Maur jogar "La Strada", de Nino Rota. Ela e seu marido estão enterrados juntos num cemitério em Rimini , em um túmulo marcado por uma proa com um monumento em forma, o trabalho é do escultor Arnaldo Pomodoro.