Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Maria de Medeiros
171Número de Fãs

Nascimento: 19 de Agosto de 1965 (51 years)

Lisboa, Portugal

Maria de Medeiros Esteves Victorino de Almeida (Lisboa, 19 de Agosto 1965) é uma actriz e cineasta portuguesa.

Filha do maestro António Vitorino de Almeida e de Maria Armanda de Saint-Maurice Ferreira Esteves, jornalista, tem uma irmã mais nova, a também actriz Inês de Medeiros. A avó materna, Odette de Saint-Maurice, era escritora juvenil e autora radiofónica. Passou a infância na Áustria, regressando a Portugal após o 25 de Abril de 1974. Em Lisboa frequentou o Lyceé Français Charles Lepierre.

Radicada em Paris, iniciou uma nunca terminada licenciatura em Filosofia, na Universidade de Sorbonne, e diplomou-se na École Nationale Superieure des Arts et Techniques du Théatre e no Conservatoire National d'Art de Paris.

Com a encenadora Brigitte Jacques — que a dirigiu em espectáculos como A Morte de Pompeu, de Pierre Corneille ou Elvire Jouvet 40, de Louis Jouvet — iniciou definitivamente a sua carreira como actriz, primeiro no teatro, depois no cinema. Contudo a sua estreia no cinema ocorrera durante a juventude, com a participação no filme Silvestre, de João César Monteiro (1982). Henry e June (1990), de Philip Kaufman, onde contracena com Fred Ward e Uma Thurman em Pulp Fiction, de Quentin Tarantino (1994), onde actua ao lado de Bruce Willis, John Travolta e Samuel L. Jackson, contribuíram para o seu reconhecimento como a mais internacional das actrizes portuguesas. Salienta ainda as participações em A Divina Comédia, de Manoel de Oliveira (1991), Huevos de Oro, de Bigas Lunas (1993), Três Irmãos, de Teresa Villaverde (1994) (que lhe valeu os prémios de Melhor Actriz no Festival de Veneza e no Festival de Cancun), Adão e Eva, de Joaquim Leitão (1995) (Globo de Ouro, como Melhor Actriz) e O Xangô de Baker Street, de Miguel Faria Jr..

Em 2000 estreou-se como realizadora, com Capitães de Abril, uma longa-metragem sobre a Revolução dos Cravos em Portugal, seleccionado para o Festival de Cannes e premiado no Festival de São Paulo. Posteriormente assinou Bem-Vindo a São Paulo (2004), Mathilde au Matin (2004), Je t'aime moi non plus (2004), A Morte do Príncipe (1991), Fragmento II (1988) e Sévérine C. (1987).

Em 2008 foi nomeada Artista da UNESCO para a Paz, sendo a primeira portuguesa a assumir este papel. A atriz é fluente em seis idiomas.[1]. É casada com Agustí Camps, um cenógrafo espanhol, com quem tem duas filhas, Júlia (1997) e Leonor (2003).

Nomeações
1996: Prémio Génio para a Melhor Actriz num papel de apoio no filme francês Le Polygraphe
2008: Artista da UNESCO para a Paz