Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Totò
25Número de Fãs

Nascimento: 15 de Fevereiro de 1898 (69 years)

Falecimento: 15 de Abril de 1967

Naples, Campania - Itália

Era um artista italiano símbolo da comédia, apelidado de o "Príncipe do riso". É considerado, mesmo por força dos papéis cômicos, um dos maiores artistas da história do teatro e do cinema italiano, mas ele distinguiu-se também por suas contribuições como dramaturgo, poeta, letrista e cantor .

Totò estreou no teatro ''Quattro Fontane'' em Roma com Mario Castellani (a partir desse momento o seu "ombro" amigo) e Anna Magnani ( prima donna ), com a qual estabeleceu uma relação, humana e sólida.

Sua estréia no cinema foi com o filme ''Fermo con le mani'' de 1937.

Começou fazendo sucesso nos anos 40 e teve seus primeiros elogios de crítica no filme ''Totó Procura Casa/Totò Cerca Casa'' de Mario Monicelli e Steno; uma paródia eficaz do neo-realismo sobre a crise da habitação, o que causou um pouco de indignação por parte de alguns políticos.

Como na grande maioria de seus filmes, onde essencialmente são destinadas a mostrar as suas performances, muitos têm o seu nome "Totò" no título. Alguns de seus mais conhecidos filmes são ''Totò al Giro d'Italia'', ''Totò Sceicco'', ''Guardie e ladri'', ''Totò e le donne'', ''Totò Tarzan'', ''Totò terzo uomo'', ''Totò a colori'' (o primeiro filme de cor italiano, 1952, em Ferraniacolor ), ''I soliti ignoti'', ''Totò, Peppino e la malafemmina'', ''La legge è legge''; ''Tempi nostri - Zibaldone n. 2''; ''Miseria e nobiltà'' estes dois últimos com Sophia Loren...

Em 1954, fez sob a direção de Vittorio De Sica, fez ''O Ouro de Nápoles/L'oro di Napoli'' (1954), com Silvana Mangano, Sophia Loren e Eduardo De Filippo... Que concorreu a Palma de Ouro no Cannes Film Festival.

Continuo trabalhando sem parar, entre seus melhores filmes estão: ''Os Eternos Desconhecidos/I soliti ignoti'' (1958), de Mario Monicelli, com Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Renato Salvatori e Claudia Cardinale, indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro; ''Ladrão Apaixonado/Risate di gioia'' (1960), de Mario Monicelli, com Anna Magnani; ''Gaviões e Passarinhos/Uccellacci e uccellini'' (1966), de Pier Paolo Pasolini, onde renovou o seu humor e ganhou o premio de melhor ator pelo Italian National Syndicate of Film Journalists; entre outros...

O seu último filme foi ''Capriccio all'italiana'' (1968), filmes de episódios, onde ele mostrou suas habilidades dramáticas.