Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Edney Giovenazzi

Edney Giovenazzi

Nomes Alternativos: Ednei Giovenazzi

4Número de Fãs

Nascimento: 13 de Agosto de 1930 (87 years)

Pederneiras, São Paulo - Brasil

Mudou-se para São Paulo, onde se formou em Odontologia. Desde cedo, porém, percebeu seus dotes artísticos e ainda exercendo a profissão de dentista, participou em 1967 de três novelas da TV Tupi: Ioshico, um Poema de Amor, O Jardineiro Espanhol e O Pequeno Lord.

Em 1968 foi para o Rio de Janeiro e, na TV Globo, atuou em O Santo Mestiço, A Cabana do Pai Tomás, A Grande Mentira, Pigmalião 70, A Próxima Atração, O Homem Que Deve Morrer, Selva de Pedra e Os Ossos do Barão.

De volta a São Paulo, atuou novamente em várias novelas na TV Tupi, como A Barba Azul, Ovelha Negra, Xeque-mate, O Julgamento e Salário Mínimo.

Depois de aposentado como dentista no serviço público e deixar seu consultório, dedicou-se exclusivamente à arte do ator. Curiosamente, esta continua servindo-lhe para caracterização de seus personagens. Ednei foi o responsável pela concepção e confecção da arcada dentária de dois personagens nas novelas "A próxima atração”, onde fazia um personagem de um japonês, e na novela “Felicidade” como "Chico Treva".

Em 1980, Giovenazzi fez Pé de Vento, na Bandeirantes. Voltou para a Globo, no Rio, onde participou de As Três Marias, Sétimo Sentido, Partido Alto, Livre para Voar, O Tempo e o Vento, Direito de Amar, Abolição, Que Rei Sou Eu?, Desejo, Felicidade e Tropicaliente. A seguir, atuou em Antônio Alves, Taxista, no SBT, Perdidos de Amor, na Bandeirantes, e Brida, na TV Manchete. Em 2002 fez Sabor da Paixão, na TV Globo. Interpretou o Sr. Petroni no remake de Uma Rosa com Amor, exibido em 2010 pelo SBT.

Em 2013, Giovenazzi comemorou 60 anos dedicados à arte de representar, tendo participado de mais de 50 montagens de grandes obras da dramaturgia brasileira e internacional e de aproximadamente 40 trabalhos na TV. Sua estreia no teatro foi na peça 'O Sábio", de "Joracy Camargo", direção de 'José Pacheco", no ano de 1953.