Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Betty Faria

Betty Faria

Nomes Alternativos: Beth Faria | Elizabeth Maria Silva de Faria

93Número de Fãs

Nascimento: 8 de Maio de 1941 (76 years)

Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - Brasil

Beth Faria nasceu em 8 de maio de 1941, na cidade do Rio de Janeiro, filha do general Marçal e da dona de casa Elza. Com apenas 4 anos de idade, tentou fugir com o circo que passava pela cidade para virar artista. Foi então que seus pais a matricularam nas aulas de balé clássico no Colégio Pedro II, onde cursou o ginásio.

Recém saída da adolescência, começou a fazer testes para corpos de baile dos shows da TV Excelsior. Em 1960, com 19 anos, foi selecionada pela coreógrafa americana Sonia Shaw para integrar o corpo de baile do musical Skindô, que fez muito sucesso no Golden Room do Copacabana Palace e depois excursionou por São Paulo, Buenos Aires e Montevidéu.

No ano seguinte, a jovem Betty já estrelava em outro musical, Tio Samba. Em 1963, caiu nas graças de Carlos Machado, o mais importante diretor de musicais do Brasil, que a convidou para protagonizar o espetáculo Chica da Silva 63, ao lado de Grande Otelo. O sucesso foi tão grande que a dupla Carlos Miéle e Ronaldo Bôscoli convidou a moça para participar de vários shows que eles montaram. Um deles entrou para a história da TV: o encontro de Betty com o cantor, Dick Farney em Dick & Betty 17, que marcou a inauguração da TV Globo, em 1965.

Não demorou muito para o cinema e a televisão também se renderem ao talento da nova estrela. Estreou na telona pelas mãos de Flávio Tambellini em O Beijo, baseado em texto de Nelson Rodrigues.

Trabalhou em alguns filmes do chamado Cinema Marginal, inspirados pela ideologia da contracultura americana, lançados nas décadas de 60 e 70, como Piranhas do Asfalto (1970) e Os Monstros do Babaloo (1970).

Seus melhores momentos no cinema brasileiro foram ao protagonizar ''A Estrela Sobe'' (1974), do diretor Bruno Barreto, e ao atuar em Bye-bye, Brasil (1979), do diretor Cacá Diegues. Em 1986, recebeu um Kikito de melhor atriz no Festival de Cinema de Gramado por ''Anjos do Arrabalde''. Em 1988, recebeu elogios até no Festival de Cannes com o filme ''Romance da Empregada'' e ainda ganhou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Havana.

Betty atuou e produziu o longa-metragem Bens Confiscados, de Carlos Reichenbach. O filme recebeu o prêmio do júri, do público e da crítica no Festival Cine-PE.

Na década de 1960, atuou na peça As Inocentes do Leblon. Na montagem de Os Pequenos Burgueses, de Maximo Gorki, conheceu o ator Cláudio Marzo, com quem se casou logo depois e teve a filha Alexandra, nascida em 1968.

Cláudio juntamente com Antonio Pedro fundaram o Teatro Carioca de Arte, mas por causa da ditadura o mesmo foi fechado. Betty e Cláudio também fundaram juntos a própria companhia de teatro, montando as peças O Bravo Soldado Schweik e Falsa Criada.

Foi na televisão que Betty alcançou o reconhecimento popular. Graças à interferência da amiga, Leila Diniz, conseguiu ser escalada para a novela da TV Rio, Os Acorrentados, dirigida por Daniel Filho, com quem se casou e teve um filho, João.

Pouco tempo depois chegaria à TV Globo, atuando em sucessos como A Última Valsa, A Rosa Rebelde, Véu de Noiva, A Próxima Atração, O Bofe, O Homem Que Deve Morrer, Cavalo de Aço. O estrelato seguramente viria na pele da fogosa Viúva Porcina, em Roque Santeiro, mas a novela foi censurada e Betty e todo o elenco foi reescalado para estrelar outra trama: Pecado Capital (1976), campeã de audiência.

Recusou o convite para protagonizar Dona Flor e Seus Dois Maridos, de 1976, abrindo caminho para a contratação de Sônia Braga. De qualquer forma, ainda atuou em um pequeno papel no filme.

Pousou duas vezes para a Playboy no Brasil, em agosto de 1978 e outubro de 1984.

Após quatro anos afastada da Rede Globo, Betty foi recontratada para atuar como Pilar Alburquerque, mãe de Aléxia (Carolina Ferraz) em ''Avenida Brasi''l, de João Emanuel Carneiro. Em 2014 juntamente com Francisco Cuoco, é escalada para interpretar os personagens que seriam de Lima Duarte e Regina Duarte, respectivamente, em ''Boogie Oogie''. Em 2017, voltou roubando cenas na novela da Globo ''A Força do Querer''.

Betty é avó de Giulia, filha de Alexandra, e dos gêmeos Valentina e João Paulo, filhos de João. Atualmente, a atriz segue os princípios da religião budista.