Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Steve Martin (I)

Steve Martin (I)

Nomes Alternativos: Stephen Glenn Martin

1981Número de Fãs

Nascimento: 14 de Agosto de 1945 (71 years)

Waco, Texas - Estados Unidos da América

Apesar de seu ar ter algo severo e de possuir, com idade precoce, cabelos brancos que deixavam a sua aparência mais velha, Steve Martin chegou a ser apontado por alguns como um sucessor de Jerry Lewis. Porém, em pouco tempo de carreira, ficou claro que o estilo desse ator nascido no Texas era bem diferente.

Afinal, a sua formação é bem mais erudita. O moço estudou filosofia na California State University, em Long Beach. Foi lá que descobriu a sua tendência para a comédia. E nesse campo começou a sua carreira de ator, atuando em séries de TV. O início mesmo foi um pequeno papel, o de Simple Simon, em ''Off to See the Wizard'', produzido para a TV em 1967.

Mas seu trabalho nessa área passou a ser contínuo a partir da sua estréia, em 1970, no programa ''The Ray Stevens Show''. Foi o começo de uma filmografia que abrange mais de 50 títulos. Em 1972 e 1973 se sobressaiu como um dos atores fixos da telesérie ''Sonny and Cher: The Comedy Hour'', onde não só fazia escada para Cher, então casada com Sonny Buono, como também escrevia a maior parte dos sketches.

Outros trabalhos na TV aconteceram, quase sempre com textos de sua autoria e, as vezes, sob o pseudônimo Pig Eye Jackson. E no cinema a sua estréia em 1977 deu-se com um roteiro seu em ''The Absent Minded Waiter''. O sucesso, porém, só veio em 1979 com ''O Panaca'', com roteiro seu, dirigido por Carl Reiner. Ele já tinha se tornado conhecido por suas aparições freqüentes no programa Satuday Night Live.

Desde então a sua atividade cinematográfica prosperou, tornou-se ininterrupta nos anos 80. Fez filmes de ampla diversidade como ''Cliente Morto não Paga'', ''O Homem de Dois Cérebros'' e ''Um Espírito Baixou em Mim'', que lhe deu o prêmio de melhor ator de 1984 da Associação de Críticos de Nova York. Três anos depois, foram os críticos de Los Angeles que o escolheram, por conta de seu desempenho em ''Roxanne'', curiosa versão moderna bem humorada da peça clássica ''Cyrano de Bergerac'' que ele produziu e escreveu. Na pele do herói narigudo, ele contracenou com a bela Darryl Hannah.

Martin nunca se acomodou no humor fácil, sempre tentou inovar. Por isso, arriscou o seu prestígio quando foi aos palcos da Broadway interpretar ''Esperando Godot'', o hermético texto de Becket, sob a direção de Mike Nichols. Foi um fracasso. Outra prova de sua tendência em fugir da mesmice, em alçar vôos maiores foram os seus desempenhos em ''L.A . Story'' e ''Grand Canyon''.

Rico, Martin tem aplicado boa parte de sua fortuna em uma importante coleção de quadros. Ele foi casado com a atriz Victoria Tennant (de ''L.A . Story'') entre 1986 e 1994. A imprensa também já apontou seu envolvimento com as atrizes Bernadette Peters (sua parceira freqüente nos primeiros filmes), Helena Bonham Carter e Anne Heche, mais tarde parceira de Ellen DeGenees.