Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Errol Flynn (I)

Errol Flynn (I)

Nomes Alternativos: Errol Leslie Thomson Flynn

84Número de Fãs

Nascimento: 20 de Junho de 1909 (50 years)

Falecimento: 14 de Outubro de 1959

Hobart, Tasmania - Austrália

Errol Leslie Thomson Flynn (Hobart, 20 de junho de 1909 — Vancouver, 14 de outubro de 1959) foi um ator nascido na Austrália e radicado nos Estados Unidos da América, tendo se naturalizado cidadão estadunidense em 1942.

Errol Flynn era filho de Theodore Thomson Flynn, um respeitado biólogo e professor da "Universidade da Tasmânia", e de Marelle Young (nascida Lily Mary Young), uma jovem mulher que Flynn alegava ser descendente de Fletcher Christian e Edward Young, tripulantes do famoso HMS Bounty. Apesar das alegações[2], as evidências indicam que ele não era realmente descendente de um dos amotinados do Bounty[3]. Casados na St John's Church of England, Balmain North, Sydney, em 23 de janeiro de 1909[4][5], seus pais eram nascidos na Austrália com ascendência irlandesa, inglesa e escocesa, e estavam na Tasmânia muito antes do nascimento de Flynn[6][7].

Flynn, morador da "Mclean Avenue Chatswood", em Sydney, New South Wales, em 1926, frequentou a “Sydney Church of England Grammar School”[8], de onde foi expulso por lutar e, alegadamente, ter tido relações sexuais com uma funcionária da lavanderia da escola[9].

Tal como nos seus filmes, a vida de Errol Flynn foi também uma grande aventura. Foi expulso de vários colégios que frequentou na Austrália e na Inglaterra, conseguiu o primeiro emprego numa companhia de navegação em Sydney, e depois trabalhou numa repartição do governo. Aos 20 anos, voltou a Sydney e comprou um velho barco que batizou como “Sirocco”, empreendendo uma viagem de sete meses para a Nova Guiné, tornando-se essa aventura o assunto para o seu primeiro livro, “Beam Ends”, publicado em 1937[10]. Estabeleceu-se em uma plantação de tabaco em Laioki, e passou a escrever alguns artigos para o “Sydney Bulletin”. O empreendimento de mineração de cobre na serra, perto do Vale Laloki, atrás da atual capital nacional, Port Moresby, também fracassou, além de o envolver no tráfico de mão-de-obra nativa para a mineração[11].

Ao ver suas fotografias, o diretor e produtor australiano Charles Chauvel lhe ofereceu um papel em seu filme “In the Wake of the Bounty”, de 1933, como Fletcher Christian. Flynn trabalhou nesse filme por 3 semanas, mas não houve o lançamento comercial do mesmo, apenas a MGM compraria os direitos ao realizar “The Bounty” (O Grande Motim) em 1935, e aproveitou alguns trechos da filmagem anterior em curta-metragens: “Primitive Pitcairn” e “Pitcairn Island Today”, como propaganda de sua produção.

Flynn partiu para o Reino Unido, chegando lá na primavera de 1933. Entrou para a “Northampton Repertory Company”, no Royal Theatre, onde trabalhou por sete meses, adquirindo experiência teatral. Ele também se apresentou no Malvern Festival de 1934 e em Glasgow e London's West End[12]. Em Teddington, foi admitido pela Warner Brothers, atuando em “Murder at Monte Carlo”, de 1935, de Ralph Ince. A Warner lhe ofereceu um contrato e Flynn partiu para os Estados Unidos.

A primeira oportunidade de Flynn foi em “The Case of Curious Bride” (A Noiva Curiosa), de 1935, dirigida por Michael Curtiz, sendo o 2º de quatro filmes de mistério com o advogado-detetive Perry Mason, interpretado por Warren William. Flynn apareceu apenas em 2 cenas, sem pronunciar uma única palavra. Terminado o filme, iniciou um romance com Lili Damita, casando-se em 1935. Surgiu num outro filme desse mesmo ano, “Don't Bet On Blondes”, de Robert Florey, ao lado de Warren William e Claire Dodd.

Com o advento dos filmes de aventura, a Warner Brothers comprou os direitos de “Captain Blood”. A Warner conseguiu tais direitos ao comprar a Vitagraph, que fizera em 1923 uma primeira versão da história.

Foi escolhido para o papel título Robert Donat, mas quando esse abandonou o projeto por razões contratuais, Michael Curtiz resolveu fazer um teste com Flynn, que acabou ganhando o papel. Ao seu lado, uma outra novata, Olivia de Havilland, que assumiu o lugar que seria de Jean Muir. O filme marcou o início da colaboração Curtiz-Flynn, que se estenderia por 10 filmes, até 1941. O Capitão Blood de 1935 aproveitou cenas do “Capitão Blood” anterior, cenas da 1ª versão de “O Gavião do Mar”, de 1924, e apresentava miniaturas da cidade de Port-Royal e de navios.

Após Capitão Blood, Flynn trabalhou em um curta-metragem da MGM, “Pirate Party on Catalina Island”, ao lado de Lili Damita, Marion Davies, Cary Grant, John Gilbert e outros.

Flynn atuou depois em “The Charge of the Light Brigade” (A Carga da Brigada Ligeira), de 1936, também ao lado de Olivia de Havilland; “Green Light” (Luz de Esperança), “The Prince and the Pauper” (O Príncipe e o Mendigo), “Another Day” (Outra Aurora) e “The Perfect Specimen” (O Homem Perfeito), todos de 1937.

Em 1938, veio “The Adventures of Robin Hood” (As Aventuras de Robin Hood), que tornaria a interpretação de Errol Flynn inesquecível, marcando de maneira indelével sua carreira.

Em 1939, Flynn fez o primeiro Western, “Dodge City” (Uma Cidade que Surge), dirigido por Michael Curtiz, seguindo-se mais 7 westerns, entre eles “Santa Fe Trail” (A Estrada de Santa Fé), de 1940.

Após uma carreira aventuresca, com mais de 30 filmes e muitos sucessos, nos anos 50 teve início o declínio artístico de Flynn. Ficou um tempo na Europa, atuando para a Warner Brothers, na Inglaterra, onde fez “The Master of the Ballantrae” (Minha Espada, Minha Lei), em 1953. Em 1954, fez “Crossed Swords” (Ousadia de Valentes), produção italiana.

Após alguns filmes, Flynn retornou a Hollywood, onde fez alguns papéis menores, porém ressurgindo artisticamente ao viver três alcoólatras, em “The Sun Also Rises” (E Agora Brilha o Sol), de 1957; “Too Much, Too Soon” (O Gosto Amargo da Glória), de 1958 e “The Roots of Heaven” (Raízes do Céu), de 1958. Após “The Roots of Heaven”, fez apenas um semidocumentário, Cuban Rebel Girls”, em 1959, falecendo em outubro desse ano, aos 50 anos, vítima de ataque cardíaco e problemas relacionados ao alcoolismo. Seus pais sobreviveram a ele.
Errol Flynn foi sepultado no Forest Lawn Memorial Park Cemetery, em Glendale, Califórnia.

Boêmio, Flynn teve três casamentos, várias namoradas e quatro filhos. Foi acusado de estupro em 1942, e foi levado a julgamento, sem ter sido condenado por isso, o que abalou sua popularidade.

Flynn casou-se três vezes, sendo que os dois primeiros casamentos terminaram em divórcio e o último com sua morte. Em ordem cronológica, foram suas esposas: a atriz Lili Damita (1931 - 1942), com quem teve seu filho Sean Flynn (1941-1970); a atriz Nora Eddington (1943 - 1948), com quem teve os filhos Deirdre (1945) e Rory (1947); e a atriz Patrice Wymore (1950 - 1959), com quem teve a filha Arnella Roma (1953-1998). Seu filho Sean, um fotojornalista, desapareceu com outros jornalistas durante a guerra do Vietnã. Presume-se que tenha sido capturado e morto pelas forças do Khmer Vermelho, quando da invasão do Camboja

A filha Rory Flynn teve um filho, chamado Sean Flynn Rio em homenagem a seu meio-irmão. Ele é um ator. Rory Flynn escreveu um livro sobre seu pai, intitulado “The Baron of Mulholland: A Daughter Remembers Errol Flynn”.
Em 1942, Flynn tornou-se cidadão dos Estados Unidos da América.

Filhos: Sean Flynn, Rory Flynn, Deirdre Flynn, Arnella Roma Flynn
Cônjuge: Patrice Wymore (de 1950 a 1959), Nora Eddington (de 1943 a 1949), Lili Damita (de 1935 a 1942)
Pais: Theodore Thomson Flynn, Lily Mary Young Flynn